Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Portugal ganha mas não contenta os adeptos : 2-0 à Geórgia Maio 31, 2008

Filed under: Euro 2008,Futebol,selecção de Portugal — looking4good @ 7:22 pm
Um jogo contra uma selecção muito fraquinha – a Geórgia é a 81ª classificada no ranking mundial – e pedia-se que a poucos dias do início do Campeonato da Europa a selecção demonstrasse algum poder colectivo, porque individualidades todos já sabemos que a selecção portuguesa está cheia delas.

Ficou-se a perceber pelo onze inicial que a selecção tipo de Scolari está formada com Ricardo a manter a titularidade na baliza, Paulo Ferreira na esquerda da defesa, Bosingwa à direita e Ricardo Carvalho e Pepe a centrais. No meio campo João Moutinho faz companhia a Petit (ambos jogaram bem na primeira parte) com Simão e Cristiano Ronaldo nas abas. Deco a distribuir e a pautar os tempos de jogo e Nuno Gomes a ponta de lança.


Portugal dominou o jogo, os georgianos distribuiam-se nao meio-campo de fensivo e muitas vezes recuados perto da área e Portugal dominava mas tinha algumas dificuladades na zona central face à ineficácia de Nuno Gomes e à falta de entrada dos médios pela zona central.
Na sequência de um canto marcado recuado, quando se pensava que o lance estava perdido, João Moutinho fez um remate de fora da área que saiu colocado e surpreendeu o guarda-redes visitante. Cristiano Ronaldo esteve muito em baixo e foram Deco e João Moutinho que se destacaram.

Perrto do final da primeira parte Simão chegou primeiro à diusputa de bola com o guarda-redes e ganhou o penalty que ele próprio converteu.

Na segunda parte já se sabia que as substituições iam sendo muitas mas antevia-se que a Georgia agora a perder por dois podia abrir-se um pouco mais. Estas hipóteses confirmaram-se mas nem por isso Portugal beneficiou disso com os jogadores muito individualistas. Quaresma fez um remate à barra fazendo subir para três o número de bolas nos ferros da baliza adversária (na primeira Cristiano Ronaldo num livre e Ricardo Carvalho na recarga já haviam feito o mesmo). Postiga bastante activo teve a hipótese de desviar um centro da direita mas o guarda-redes evitou o acumular de resultado ao fazer a «mancha».

A segunda parte desilidiu os adeptos que esperavam mais golos e foi à Geórgia que pertenceu a maior oportunidade com Quim a defender um remate de um jogador isolado.

Scolari tem muito trabalho pela frente. Esta equipa tem excesso de vedetismo e falta colectivismo ou «osmose» entre individualidades. É melhor não ter expectativas muito altas para o Euro 2008…

No próximo sábado jogamos contra a Turquia e é a doer

Estádio do Fontelo, em Viseu

Árbitro: Levi Meir (Israel)

Portugal: Ricardo (Quim, 46m); Bosingwa (Miguel, 62m), Pepe (Fernando Meira, 62m), Ricardo Carvalho (Bruno Alves, 46m) e Paulo Ferreira; João Moutinho (Hugo Almeida, 72m) Petit (Miguel Veloso, 46m) e Deco (Raul Meireles, 46m); Cristiano Ronaldo (Nani, 46m), Nuno Gomes Hélder Postiga (62m) e Simão (Quaresma, 46m)

Geórgia: Girogi Loria, Ucha Lobjanidze, Levan Tskitishvili (Irakli Klimiashvili, 46m), Rati Aleksidze, Alexander Iashvili (Davit Devdariani, 46m), Levan Kobiashvili (Beka Gotsiridze, 46m), Zurab Khizanishvili, Malkhaz Asatiani (Amiran Sanaia, 67m), Zurab Menteshashvili, Levan Kenia (Revaz Barabadze, 67m) e Giorgi Navalovski (Giorgi Merebashvili (81m)

Golos: 1-0, João Moutinho (19m); 2-0, Simão (45m)

Nenhuma acção disciplinar.

Anúncios
 

Portugal ganha mas não contenta os adeptos : 2-0 à Geórgia

Filed under: Euro 2008,Futebol,selecção de Portugal — looking4good @ 7:22 pm
Um jogo contra uma selecção muito fraquinha – a Geórgia é a 81ª classificada no ranking mundial – e pedia-se que a poucos dias do início do Campeonato da Europa a selecção demonstrasse algum poder colectivo, porque individualidades todos já sabemos que a selecção portuguesa está cheia delas.

Ficou-se a perceber pelo onze inicial que a selecção tipo de Scolari está formada com Ricardo a manter a titularidade na baliza, Paulo Ferreira na esquerda da defesa, Bosingwa à direita e Ricardo Carvalho e Pepe a centrais. No meio campo João Moutinho faz companhia a Petit (ambos jogaram bem na primeira parte) com Simão e Cristiano Ronaldo nas abas. Deco a distribuir e a pautar os tempos de jogo e Nuno Gomes a ponta de lança.


Portugal dominou o jogo, os georgianos distribuiam-se nao meio-campo de fensivo e muitas vezes recuados perto da área e Portugal dominava mas tinha algumas dificuladades na zona central face à ineficácia de Nuno Gomes e à falta de entrada dos médios pela zona central.
Na sequência de um canto marcado recuado, quando se pensava que o lance estava perdido, João Moutinho fez um remate de fora da área que saiu colocado e surpreendeu o guarda-redes visitante. Cristiano Ronaldo esteve muito em baixo e foram Deco e João Moutinho que se destacaram.

Perrto do final da primeira parte Simão chegou primeiro à diusputa de bola com o guarda-redes e ganhou o penalty que ele próprio converteu.

Na segunda parte já se sabia que as substituições iam sendo muitas mas antevia-se que a Georgia agora a perder por dois podia abrir-se um pouco mais. Estas hipóteses confirmaram-se mas nem por isso Portugal beneficiou disso com os jogadores muito individualistas. Quaresma fez um remate à barra fazendo subir para três o número de bolas nos ferros da baliza adversária (na primeira Cristiano Ronaldo num livre e Ricardo Carvalho na recarga já haviam feito o mesmo). Postiga bastante activo teve a hipótese de desviar um centro da direita mas o guarda-redes evitou o acumular de resultado ao fazer a «mancha».

A segunda parte desilidiu os adeptos que esperavam mais golos e foi à Geórgia que pertenceu a maior oportunidade com Quim a defender um remate de um jogador isolado.

Scolari tem muito trabalho pela frente. Esta equipa tem excesso de vedetismo e falta colectivismo ou «osmose» entre individualidades. É melhor não ter expectativas muito altas para o Euro 2008…

No próximo sábado jogamos contra a Turquia e é a doer

Estádio do Fontelo, em Viseu

Árbitro: Levi Meir (Israel)

Portugal: Ricardo (Quim, 46m); Bosingwa (Miguel, 62m), Pepe (Fernando Meira, 62m), Ricardo Carvalho (Bruno Alves, 46m) e Paulo Ferreira; João Moutinho (Hugo Almeida, 72m) Petit (Miguel Veloso, 46m) e Deco (Raul Meireles, 46m); Cristiano Ronaldo (Nani, 46m), Nuno Gomes Hélder Postiga (62m) e Simão (Quaresma, 46m)

Geórgia: Girogi Loria, Ucha Lobjanidze, Levan Tskitishvili (Irakli Klimiashvili, 46m), Rati Aleksidze, Alexander Iashvili (Davit Devdariani, 46m), Levan Kobiashvili (Beka Gotsiridze, 46m), Zurab Khizanishvili, Malkhaz Asatiani (Amiran Sanaia, 67m), Zurab Menteshashvili, Levan Kenia (Revaz Barabadze, 67m) e Giorgi Navalovski (Giorgi Merebashvili (81m)

Golos: 1-0, João Moutinho (19m); 2-0, Simão (45m)

Nenhuma acção disciplinar.

 

Portugal ganha mas não contenta os adeptos : 2-0 à Geórgia

Filed under: Euro 2008,Futebol,selecção de Portugal — looking4good @ 7:22 pm
Um jogo contra uma selecção muito fraquinha – a Geórgia é a 81ª classificada no ranking mundial – e pedia-se que a poucos dias do início do Campeonato da Europa a selecção demonstrasse algum poder colectivo, porque individualidades todos já sabemos que a selecção portuguesa está cheia delas.

Ficou-se a perceber pelo onze inicial que a selecção tipo de Scolari está formada com Ricardo a manter a titularidade na baliza, Paulo Ferreira na esquerda da defesa, Bosingwa à direita e Ricardo Carvalho e Pepe a centrais. No meio campo João Moutinho faz companhia a Petit (ambos jogaram bem na primeira parte) com Simão e Cristiano Ronaldo nas abas. Deco a distribuir e a pautar os tempos de jogo e Nuno Gomes a ponta de lança.

Portugal dominou o jogo, os geoirgianos distribuiam-se nao meio-campo de fensivo e muitas vezes recuados perto da área e Portugal dominava mas tinha algumas dificuladades na zona central face à ineficácia de Nuno Gomes e à falta de entrada dos médios pela zona central.
Na sequência de um canto marcado recuado, quando se pensava que o lance estava perdido, João Moutinho fez um remate de fora da área que saiu colocado e surpreendeu o guarda-redes visitante. Cristiano Ronaldo esteve muito em baixo e foram Deco e João Moutinho que se destacaram.

Perrto do final da primeira parte Simão chegou primeiro à diusputa de bola com o guarda-redes e ganhou o penalty que ele próprio converteu.

Na segunda parte já se sabia que as substituições iam sendo muitas mas antevia-se que a Georgia agora a perder por dois podia abrir-se um pouco mais. Estas hipóteses confirmaram-se mas nem por isso Portugal beneficiou disso com os jogadores muito individualistas. Quaresma fez um remate à barra fazendo subir para três o número de bolas nos ferros da baliza adversária (na primeira Cristiano Ronaldo num livre e Ricardo Carvalho na recarga já haviam feito o mesmo). Postiga bastante activo teve a hipótese de desviar um centro da direita mas o guarda-redes evitou o acumular de resultado ao fazer a «mancha».

A segunda parte desilidiu os adeptos que esperavam mais golos e foi à Geórgia que pertenceu a maior oportunidade com Quim a defender um remate de um jogador isolado.

Scolari tem muito trabalho pela frente. Esta equipa tem excesso de vedetismo e falta colectivismo ou «osmose» entre individualidades. É melhor não ter expectativas muito altas para o Euro 2008…

No próximo sábado jogamos contra a Turquia e é a doer

Estádio do Fontelo, em Viseu

Árbitro: Levi Meir (Israel)

Portugal: Ricardo (Quim, 46m); Bosingwa (Miguel, 62m), Pepe (Fernando Meira, 62m), Ricardo Carvalho (Bruno Alves, 46m) e Paulo Ferreira; João Moutinho (Hugo Almeida, 72m) Petit (Miguel Veloso, 46m) e Deco (Raul Meireles, 46m); Cristiano Ronaldo (Nani, 46m), Nuno Gomes Hélder Postiga (62m) e Simão (Quaresma, 46m)

Geórgia: Girogi Loria, Ucha Lobjanidze, Levan Tskitishvili (Irakli Klimiashvili, 46m), Rati Aleksidze, Alexander Iashvili (Davit Devdariani, 46m), Levan Kobiashvili (Beka Gotsiridze, 46m), Zurab Khizanishvili, Malkhaz Asatiani (Amiran Sanaia, 67m), Zurab Menteshashvili, Levan Kenia (Revaz Barabadze, 67m) e Giorgi Navalovski (Giorgi Merebashvili (81m)

Golos: 1-0, João Moutinho (19m); 2-0, Simão (45m)

Nenhuma acção disciplinar.

 

31 Maio 1962 Benfica é campeão europeu !

Filed under: Benfica,efemerides,This Day in History — looking4good @ 3:02 am

Free Image Hosting at www.ImageShack.us

Benfica 3 – 2 Barcelona

A maior vitória do futebol português titulava o Diário de Notícias no dia seguinte.

O jogo disputou-se em Berna, precisamente no dia 31 de Maio de 1961 e perante 28 mil espectadores e sob a arbitragem do suíço Gottfie Dienst, as equipas apresentaram:

Benfica: Costa Pereira; Mário João e Ângelo, Neto, Germano e Cruz: José Augusto, Santana, José Águas, Coluna e Cavém

Barcelona: Rammallets; Foncho e Garay; Vergés, Gensana e Garcia; Kubala, Suarez, Evaristo, Kocsis e Czibor

Golos: 0-1 Czibor de cabeça aos 20′; 1-1 José Águas aos 30′ ; 2-1 aos 31′ após lançamento longo de Neto com a bola disputada por Santana e Gensana a ir parar ao fundo da baliza; 3-1 aos 55′ por Mário Coluna. Com 3-1 ficou célebre o remate de Kubala ao poste com a bola a percorrer toda a linha de fundo bater no outro poste e ir parar às mãos de Costa Pereira. Aos 75′ na sequencia de um canto, Czibor bisava para os espanhóis. Depois foi o sufoco do Barcelona que não chegou para evitar o primeiro triunfo na Taça dos Campeões Europeus.

No ano seguinte o Benfica voltaria a vencer agora frente ao Real Madrid perante 65000 espectadores por 5-3 em Amesterdão, no dia 2 de Maio de 1962.

E em 1963, terceira final consecutiva para defrontar o Milan em Wembley. O Benfica perdeu por 2-1 (dois golos de Altafini) estando a ganhar ao intervalo por 1-0 com um golo de Eusébio. No Milan jogava Trapattoni que teve um duelo de fazer faísca com Coluna. Os encarnados queixaram-se da permissividade do árbitro Ken Aston, de nacionalidade holandesa.

 

31 Maio 1962 Benfica é campeão europeu !

Filed under: Benfica,efemerides,This Day in History — looking4good @ 3:02 am

Free Image Hosting at www.ImageShack.us

Benfica 3 – 2 Barcelona

A maior vitória do futebol português titulava o Diário de Notícias no dia seguinte.

O jogo disputou-se em Berna, precisamente no dia 31 de Maio de 1961 e perante 28 mil espectadores e sob a arbitragem do suíço Gottfie Dienst, as equipas apresentaram:

Benfica: Costa Pereira; Mário João e Ângelo, Neto, Germano e Cruz: José Augusto, Santana, José Águas, Coluna e Cavém

Barcelona: Rammallets; Foncho e Garay; Vergés, Gensana e Garcia; Kubala, Suarez, Evaristo, Kocsis e Czibor

Golos: 0-1 Czibor de cabeça aos 20′; 1-1 José Águas aos 30′ ; 2-1 aos 31′ após lançamento longo de Neto com a bola disputada por Santana e Gensana a ir parar ao fundo da baliza; 3-1 aos 55′ por Mário Coluna. Com 3-1 ficou célebre o remate de Kubala ao poste com a bola a percorrer toda a linha de fundo bater no outro poste e ir parar às mãos de Costa Pereira. Aos 75′ na sequencia de um canto, Czibor bisava para os espanhóis. Depois foi o sufoco do Barcelona que não chegou para evitar o primeiro triunfo na Taça dos Campeões Europeus.

No ano seguinte o Benfica voltaria a vencer agora frente ao Real Madrid perante 65000 espectadores por 5-3 em Amesterdão, no dia 2 de Maio de 1962.

E em 1963, terceira final consecutiva para defrontar o Milan em Wembley. O Benfica perdeu por 2-1 (dois golos de Altafini) estando a ganhar ao intervalo por 1-0 com um golo de Eusébio. No Milan jogava Trapattoni que teve um duelo de fazer faísca com Coluna. Os encarnados queixaram-se da permissividade do árbitro Ken Aston, de nacionalidade holandesa.

 

World No Tobacco Day

Filed under: Day — looking4good @ 2:50 am

Tobacco is the second major cause of death in the world. The member states of the World Health Organization created World No Tobacco Day in 1987. It It draws global attention to the tobacco epidemic and to the preventable death and disease it causes. It aims to reduce the 3.5 million yearly deaths from tobacco related health problems.
 

World No Tobacco Day

Filed under: Day — looking4good @ 2:50 am

Tobacco is the second major cause of death in the world. The member states of the World Health Organization created World No Tobacco Day in 1987. It It draws global attention to the tobacco epidemic and to the preventable death and disease it causes. It aims to reduce the 3.5 million yearly deaths from tobacco related health problems.