Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

POEMA DO AMOR SEM EXAGERO – Joaquim Cardozo (na data em que passam 30 anos sobre a sua morte) Novembro 4, 2008

Filed under: Joaquim Cardozo,poesia — looking4good @ 1:56 am
Corpo ( autor desconhecido)

Eu não te quero aqui por muitos anos
Nem por muitos meses ou semanas,
Nem mesmo desejo que passes no meu leito
As horas extensas de uma noite.
Para quê tanto Corpo!
Mas ficaria contente se me desses
Por instantes apenas e bastantes
A nudez longínqua e de pérola
Do teu corpo de nuvem.

Joaquim Cardozo (n. no Recife (bairro do Zumbi), a 26 de Ago. 1897, m. em Olinda a 4 Nov. 1978).

Ler do mesmo autor neste blog: Aquarela

Anúncios
 

POEMA DO AMOR SEM EXAGERO – Joaquim Cardozo (na data em que passam 30 anos sobre a sua morte)

Filed under: Joaquim Cardozo,poesia — looking4good @ 1:56 am
Corpo ( autor desconhecido)

Eu não te quero aqui por muitos anos
Nem por muitos meses ou semanas,
Nem mesmo desejo que passes no meu leito
As horas extensas de uma noite.
Para quê tanto Corpo!
Mas ficaria contente se me desses
Por instantes apenas e bastantes
A nudez longínqua e de pérola
Do teu corpo de nuvem.

Joaquim Cardozo (n. no Recife (bairro do Zumbi), a 26 de Ago. 1897, m. em Olinda a 4 Nov. 1978).

Ler do mesmo autor neste blog: Aquarela

 

POEMA DO AMOR SEM EXAGERO – Joaquim Cardozo (na data em que passam 30 anos sobre a sua morte)

Filed under: Joaquim Cardozo,poesia — looking4good @ 1:56 am
Corpo ( autor desconhecido)

Eu não te quero aqui por muitos anos
Nem por muitos meses ou semanas,
Nem mesmo desejo que passes no meu leito
As horas extensas de uma noite.
Para quê tanto Corpo!
Mas ficaria contente se me desses
Por instantes apenas e bastantes
A nudez longínqua e de pérola
Do teu corpo de nuvem.

Joaquim Cardozo (n. no Recife (bairro do Zumbi), a 26 de Ago. 1897, m. em Olinda a 4 Nov. 1978).

Ler do mesmo autor neste blog: Aquarela

 

Aquarela – Joaquim Cardozo Novembro 4, 2007

Filed under: Joaquim Cardozo,poesia — looking4good @ 2:49 pm
Flor amarela Flor amarela (daqui)
Macaíbeiras chovendo
Cheiro de flor amarela;
Cheiro de chão que amanhece.
Estavas sob a latada
Quando te abri a janela.

Cheiro de jasmim laranja
Pelos jardins anoitece;
Junto a papoulas dobradas,
Num canteiro florescendo,
A tua saia singela.

Macaíbeiras chovendo
Cheiro de flor amarela…

Não sei se és tu, se eras outra,
Não sei se és esta ou aquela,
A que não quis nem me quer,
Fugindo sob a latada
Nessa tarde de aquarela.

Macaíbeiras chovendo
Cheiro de flor amarela…

Joaquim Maria Moreira Cardozo (n. no Recife a 26 de Agosto de 1897; m. em Olinda a 4 Nov 1978)
 

Aquarela – Joaquim Cardozo

Filed under: Joaquim Cardozo,poesia — looking4good @ 2:49 pm
Flor amarela Flor amarela (daqui)
Macaíbeiras chovendo
Cheiro de flor amarela;
Cheiro de chão que amanhece.
Estavas sob a latada
Quando te abri a janela.

Cheiro de jasmim laranja
Pelos jardins anoitece;
Junto a papoulas dobradas,
Num canteiro florescendo,
A tua saia singela.

Macaíbeiras chovendo
Cheiro de flor amarela…

Não sei se és tu, se eras outra,
Não sei se és esta ou aquela,
A que não quis nem me quer,
Fugindo sob a latada
Nessa tarde de aquarela.

Macaíbeiras chovendo
Cheiro de flor amarela…

Joaquim Maria Moreira Cardozo (n. no Recife a 26 de Agosto de 1897; m. em Olinda a 4 Nov 1978)
 

Aquarela – Joaquim Cardozo

Filed under: Joaquim Cardozo,poesia — looking4good @ 2:49 pm
Flor amarela Flor amarela (daqui)
Macaíbeiras chovendo
Cheiro de flor amarela;
Cheiro de chão que amanhece.
Estavas sob a latada
Quando te abri a janela.

Cheiro de jasmim laranja
Pelos jardins anoitece;
Junto a papoulas dobradas,
Num canteiro florescendo,
A tua saia singela.

Macaíbeiras chovendo
Cheiro de flor amarela…

Não sei se és tu, se eras outra,
Não sei se és esta ou aquela,
A que não quis nem me quer,
Fugindo sob a latada
Nessa tarde de aquarela.

Macaíbeiras chovendo
Cheiro de flor amarela…

Joaquim Maria Moreira Cardozo (n. no Recife a 26 de Agosto de 1897; m. em Olinda a 4 Nov 1978)
 

Aquarela – Joaquim Cardozo

Filed under: Joaquim Cardozo,poesia — looking4good @ 2:49 pm
Flor amarela Flor amarela (daqui)
Macaíbeiras chovendo
Cheiro de flor amarela;
Cheiro de chão que amanhece.
Estavas sob a latada
Quando te abri a janela.

Cheiro de jasmim laranja
Pelos jardins anoitece;
Junto a papoulas dobradas,
Num canteiro florescendo,
A tua saia singela.

Macaíbeiras chovendo
Cheiro de flor amarela…

Não sei se és tu, se eras outra,
Não sei se és esta ou aquela,
A que não quis nem me quer,
Fugindo sob a latada
Nessa tarde de aquarela.

Macaíbeiras chovendo
Cheiro de flor amarela…

Joaquim Maria Moreira Cardozo (n. no Recife a 26 de Agosto de 1897; m. em Olinda a 4 Nov 1978)