Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

I loved you /Ja vas ljubil – Aleksandr Pushkin Junho 6, 2009

Filed under: Aleksandr Pushkin,poetry — looking4good @ 12:54 am

I loved you: and perhaps this love
in my soul has not yet died out;
But I do not wish it to trouble you any more:
I do not want to grieve you with anything.

I loved you silently, hopelessly,
now timid, now jealous;
May God grant that another someday will love you
as sincerely, as tenderly as I did.

Translation by Emily Ezust

Ja vas ljubil: ljubov’ jeshchjo, byt’ mozhet,
V dushe mojej ugasla ne sovsem;
No pust’ ona vas bol’she ne trevozhit:
Ja ne khochu pechalit’ vas nichem.

Ja vas ljubil bezmolvno, beznadezhno,
[To robost’ju, to revnost’ju tomim:]
Ja vas ljubil tak iskrenno, tak nezhno,
Kak daj vam Bog ljubimoj byt’ drugim.

Alexander Sergeyevich Pushkin (Александр Сергеевич Пушкин), (n. em Moscovo 6 Jun 1799 [O.S. May 26] 1799–m. 10 Feb [O.S. January 29] 1837)

Anúncios
 

Eu Amei-te – Aleksandr Pushkin

Filed under: Aleksandr Pushkin — looking4good @ 12:49 am


Eu amei-te; mesmo agora devo confessar,
Algumas brasas desse amor estão ainda a arder;
Mas não deixes que isso te faça sofrer,
Não quero que nada te possa inquietar.
O meu amor por ti era um amor desesperado,
Tímido, por vezes, e ciumento por fim.
Tão terna, tão sinceramente te amei,
Que peço a Deus que outro te ame assim.

In “Qual é a minha ou a tua língua – Cem poemas de amor de outras línguas”
Organização de Jorge Sousa Braga, Assírio & Alvim

Alexander Sergeyevich Pushkin (Александр Сергеевич Пушкин), (n. em Moscovo 6 Jun 1799 [O.S. May 26] 1799–m. 10 Feb [O.S. January 29] 1837)

Do mesmo autor: The Dream

 

Eu Amei-te – Alekandr Púshkin Outubro 1, 2008

Filed under: Aleksandr Pushkin,amor,poesia — looking4good @ 3:05 pm


Eu amei-te; mesmo agora devo confessar,
Algumas brasas desse amor estão ainda a arder;
Mas não deixes que isso te faça sofrer,
Não quero que nada te possa inquietar.
O meu amor por ti era um amor desesperado,
Tímido, por vezes, e ciumento por fim.
Tão terna, tão sinceramente te amei,
Que peço a Deus que outro te ame assim.

In “Qual é a minha ou a tua língua – Cem poemas de amor de outras línguas”
Organização de Jorge Sousa Braga, Assírio & Alvim

Aleksandr Púshkin (1799-1837)

Do mesmo autor: The Dream

 

Eu Amei-te – Alekandr Púshkin

Filed under: Aleksandr Pushkin,amor,poesia — looking4good @ 3:05 pm


Eu amei-te; mesmo agora devo confessar,
Algumas brasas desse amor estão ainda a arder;
Mas não deixes que isso te faça sofrer,
Não quero que nada te possa inquietar.
O meu amor por ti era um amor desesperado,
Tímido, por vezes, e ciumento por fim.
Tão terna, tão sinceramente te amei,
Que peço a Deus que outro te ame assim.

In “Qual é a minha ou a tua língua – Cem poemas de amor de outras línguas”
Organização de Jorge Sousa Braga, Assírio & Alvim

Aleksandr Púshkin (1799-1837)

Do mesmo autor: The Dream

 

The Dream – Aleksandr Pushkin Junho 7, 2008

Filed under: Aleksandr Pushkin,poetry — looking4good @ 3:54 am

Not long ago, in a charming dream,
I saw myself — a king with crown’s treasure;
I was in love with you, it seemed,
And heart was beating with a pleasure.
I sang my passion’s song by your enchanting knees.
Why, dreams, you didn’t prolong my happiness forever?
But gods deprived me not of whole their favor:
I only lost the kingdom of my dreams.

Translated by Yevgeny Bonver, January, 2000

Aleksandr Pushkin [Алекса́ндр Серге́евич Пу́шкин](b. June 6 [O.S. May 26] 1799 in Moscow, Russian Empire; d. February 10 [O.S. January 29] 1837, in S. Petersburg)