Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Exaltação – Yde Blumenschein Maio 25, 2008

Filed under: poesia,Yde Blumenschein — looking4good @ 11:51 pm


Olhas nos olhos meus. E eu vejo neste instante
toda a terra subir a um céu que desconheço.
Olho nos olhos teus. E fica tão distante
o mundo: e todo o fel que ele contém, esqueço.

Sorris… e, contemplando o teu lindo semblante,
o ideal de minha vida, enfim, eu reconheço.
Falas… ouço-te a voz, e, impetuosa, radiante,
num gesto de ternura, os lábios te ofereço.

Beijas a minha boca. E neste beijo grande
– como uma flor que ao sol desabrocha e se espande -,
todo o meu ser palpita e freme e vibra e estua.

Tudo é um sonho, no entanto; o teu beijo… o meu crime.
Mentirosa ilusão! Pobre ilusão que exprime
somente o meu desejo imenso de ser tua!

Yde Schloenbach Blumenschein (n. em São Paulo a 26 de maio de 1882, m. em 14 de março de 1963)

Anúncios
 

Exaltação – Yde Blumenschein

Filed under: poesia,Yde Blumenschein — looking4good @ 11:51 pm


Olhas nos olhos meus. E eu vejo neste instante
toda a terra subir a um céu que desconheço.
Olho nos olhos teus. E fica tão distante
o mundo: e todo o fel que ele contém, esqueço.

Sorris… e, contemplando o teu lindo semblante,
o ideal de minha vida, enfim, eu reconheço.
Falas… ouço-te a voz, e, impetuosa, radiante,
num gesto de ternura, os lábios te ofereço.

Beijas a minha boca. E neste beijo grande
– como uma flor que ao sol desabrocha e se espande -,
todo o meu ser palpita e freme e vibra e estua.

Tudo é um sonho, no entanto; o teu beijo… o meu crime.
Mentirosa ilusão! Pobre ilusão que exprime
somente o meu desejo imenso de ser tua!

Yde Schloenbach Blumenschein (n. em São Paulo a 26 de maio de 1882, m. em 14 de março de 1963)

 

Exaltação – Yde Blumenschein

Filed under: poesia,Yde Blumenschein — looking4good @ 11:51 pm


Olhas nos olhos meus. E eu vejo neste instante
toda a terra subir a um céu que desconheço.
Olho nos olhos teus. E fica tão distante
o mundo: e todo o fel que ele contém, esqueço.

Sorris… e, contemplando o teu lindo semblante,
o ideal de minha vida, enfim, eu reconheço.
Falas… ouço-te a voz, e, impetuosa, radiante,
num gesto de ternura, os lábios te ofereço.

Beijas a minha boca. E neste beijo grande
– como uma flor que ao sol desabrocha e se espande -,
todo o meu ser palpita e freme e vibra e estua.

Tudo é um sonho, no entanto; o teu beijo… o meu crime.
Mentirosa ilusão! Pobre ilusão que exprime
somente o meu desejo imenso de ser tua!

Yde Schloenbach Blumenschein (n. em São Paulo a 26 de maio de 1882, m. em 14 de março de 1963)