Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Sol entre Nuvens – Simões Dias Fevereiro 5, 2008

Filed under: poesia,Simões Dias — looking4good @ 3:08 am
Barco (foto tirada daqui)
Se ‘inda te apraz ouvir falar de um morto,
que em vida foi do amor favorecido,
verás nos versos meus o desconforto
de um ânimo à desgraça enfim rendido!

Barco sem leme, sem farol, sem porto,
de mil contrárias ondas combatido,
tal me tem sido a vida que hei vivido,
no escuro isolamento do meu horto.

Hoje, que morto estou para a alegria
que nesse teu sereno e brando olhar
em tempos mais ditosos me sorria,

‘inda uma crença faz meu peito arfar:
é supor que os teus olhos, algum dia,
sobre estes versos meus hão-de chorar!

José Simões Dias nasceu em Benfeita (concelho de Arganil) a 5 de Fevereiro de 1844 e morreu em Lisboa a 3 de Março de 1899. Concluído o bacharelato em Teologia pela universidade de Coimbra (1868), renunciou à via eclesiástica e optou pelo magistério. Além de professor do ensino secundário, foi jornalista e deputado. Contista e poeta neo-romântico, os seus versos têm um cariz popular, bem-humorado e até, por vezes, brejeiro, situando-se à beira da transição para o Realismo e Parnasianismo. O seu soneto foi extraído do vol. «As Peninsulares» (1870; ed. definitiva, 1876).

(Soneto e nota biobliográfica extraída de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria É a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, 2004).
Anúncios
 

Sol entre Nuvens – Simões Dias

Filed under: poesia,Simões Dias — looking4good @ 3:08 am
Barco (foto tirada daqui)
Se ‘inda te apraz ouvir falar de um morto,
que em vida foi do amor favorecido,
verás nos versos meus o desconforto
de um ânimo à desgraça enfim rendido!

Barco sem leme, sem farol, sem porto,
de mil contrárias ondas combatido,
tal me tem sido a vida que hei vivido,
no escuro isolamento do meu horto.

Hoje, que morto estou para a alegria
que nesse teu sereno e brando olhar
em tempos mais ditosos me sorria,

‘inda uma crença faz meu peito arfar:
é supor que os teus olhos, algum dia,
sobre estes versos meus hão-de chorar!

José Simões Dias nasceu em Benfeita (concelho de Arganil) a 5 de Fevereiro de 1844 e morreu em Lisboa a 3 de Março de 1899. Concluído o bacharelato em Teologia pela universidade de Coimbra (1868), renunciou à via eclesiástica e optou pelo magistério. Além de professor do ensino secundário, foi jornalista e deputado. Contista e poeta neo-romântico, os seus versos têm um cariz popular, bem-humorado e até, por vezes, brejeiro, situando-se à beira da transição para o Realismo e Parnasianismo. O seu soneto foi extraído do vol. «As Peninsulares» (1870; ed. definitiva, 1876).

(Soneto e nota biobliográfica extraída de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria É a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, 2004).
 

Sol entre Nuvens – Simões Dias

Filed under: poesia,Simões Dias — looking4good @ 3:08 am
Barco (foto tirada daqui)
Se ‘inda te apraz ouvir falar de um morto,
que em vida foi do amor favorecido,
verás nos versos meus o desconforto
de um ânimo à desgraça enfim rendido!

Barco sem leme, sem farol, sem porto,
de mil contrárias ondas combatido,
tal me tem sido a vida que hei vivido,
no escuro isolamento do meu horto.

Hoje, que morto estou para a alegria
que nesse teu sereno e brando olhar
em tempos mais ditosos me sorria,

‘inda uma crença faz meu peito arfar:
é supor que os teus olhos, algum dia,
sobre estes versos meus hão-de chorar!

José Simões Dias nasceu em Benfeita (concelho de Arganil) a 5 de Fevereiro de 1844 e morreu em Lisboa a 3 de Março de 1899. Concluído o bacharelato em Teologia pela universidade de Coimbra (1868), renunciou à via eclesiástica e optou pelo magistério. Além de professor do ensino secundário, foi jornalista e deputado. Contista e poeta neo-romântico, os seus versos têm um cariz popular, bem-humorado e até, por vezes, brejeiro, situando-se à beira da transição para o Realismo e Parnasianismo. O seu soneto foi extraído do vol. «As Peninsulares» (1870; ed. definitiva, 1876).

(Soneto e nota biobliográfica extraída de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria É a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, 2004).
 

Sol entre Nuvens – Simões Dias

Filed under: poesia,Simões Dias — looking4good @ 3:08 am
Barco (foto tirada daqui)
Se ‘inda te apraz ouvir falar de um morto,
que em vida foi do amor favorecido,
verás nos versos meus o desconforto
de um ânimo à desgraça enfim rendido!

Barco sem leme, sem farol, sem porto,
de mil contrárias ondas combatido,
tal me tem sido a vida que hei vivido,
no escuro isolamento do meu horto.

Hoje, que morto estou para a alegria
que nesse teu sereno e brando olhar
em tempos mais ditosos me sorria,

‘inda uma crença faz meu peito arfar:
é supor que os teus olhos, algum dia,
sobre estes versos meus hão-de chorar!

José Simões Dias nasceu em Benfeita (concelho de Arganil) a 5 de Fevereiro de 1844 e morreu em Lisboa a 3 de Março de 1899. Concluído o bacharelato em Teologia pela universidade de Coimbra (1868), renunciou à via eclesiástica e optou pelo magistério. Além de professor do ensino secundário, foi jornalista e deputado. Contista e poeta neo-romântico, os seus versos têm um cariz popular, bem-humorado e até, por vezes, brejeiro, situando-se à beira da transição para o Realismo e Parnasianismo. O seu soneto foi extraído do vol. «As Peninsulares» (1870; ed. definitiva, 1876).

(Soneto e nota biobliográfica extraída de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria É a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, 2004).