Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

A ESPERANÇA – Augusto dos Anjos Novembro 12, 2008

Filed under: Augusto dos Anjos,poesia — looking4good @ 1:01 am

A Esperança não murcha, ela não cansa,
Também como ela não sucumbe a Crença.
Vão-se sonhos nas asas da Descrença,
Voltam sonhos nas asas da Esperança.

Muita gente infeliz assim não pensa;
No entanto o mundo é uma ilusão completa,
E não é a Esperança por sentença
Este laço que ao mundo nos manieta?

Mocidade, portanto, ergue o teu grito,
Sirva-te a crença de fanal bendito,
Salve-te a glória no futuro – avança!

E eu, que vivo atrelado ao desalento,
Também espero o fim do meu tormento,
Na voz da morte a me bradar: descansa!

Augusto de Carvalho Rodrigues dos Anjos (n. no Engenho Pau d’Arco, Paraíba, no dia 20 de abril de 1884; m. em Leopoldina em 12 de Nov. de 1914).

Ler do mesmo autor:
Ao Luar
A Ideia;
Tempos Idos;
Versos Intimos;
Soneto (canta teu riso…)
Contrastes

Anúncios
 

A ESPERANÇA – Augusto dos Anjos

Filed under: Augusto dos Anjos,poesia — looking4good @ 1:01 am

A Esperança não murcha, ela não cansa,
Também como ela não sucumbe a Crença.
Vão-se sonhos nas asas da Descrença,
Voltam sonhos nas asas da Esperança.

Muita gente infeliz assim não pensa;
No entanto o mundo é uma ilusão completa,
E não é a Esperança por sentença
Este laço que ao mundo nos manieta?

Mocidade, portanto, ergue o teu grito,
Sirva-te a crença de fanal bendito,
Salve-te a glória no futuro – avança!

E eu, que vivo atrelado ao desalento,
Também espero o fim do meu tormento,
Na voz da morte a me bradar: descansa!

Augusto de Carvalho Rodrigues dos Anjos (n. no Engenho Pau d’Arco, Paraíba, no dia 20 de abril de 1884; m. em Leopoldina em 12 de Nov. de 1914).

Ler do mesmo autor:
Ao Luar
A Ideia;
Tempos Idos;
Versos Intimos;
Soneto (canta teu riso…)
Contrastes

 

Ao luar – Augusto dos Anjos Novembro 12, 2007

Filed under: Augusto dos Anjos,poesia — looking4good @ 1:40 am

No aniversário da morte do poeta deixamos aqui mais um soneto

Quando, à noite, o Infinito se levanta
A luz do luar, pelos caminhos quedos
Minha tactil intensidade é tanta
Que eu sinto a alma do Cosmos nos meus dedos!

Quebro a custódia dos sentidos tredos
E a minha mão, dona, por fim, de quanta
Grandeza o Orbe estrangula em seus segredos,
Todas as coisas íntimas suplanta!

Penetro, agarro, ausculto, apreendo, invado,
Nos paroxismos da hiperestesia,
O Infinitésimo e o Indeterminado…

Transponho ousadamente o átomo rude
E, transmudado em rutilância fria,
Encho o Espaço com a minha plenitude!

Augusto de Carvalho Rodrigues dos Anjos (n. no Engenho Pau d’Arco, Paraíba, no dia 20 de abril de 1884; m. em Leopoldina em 12 de Nov. de 1914).

Ler do mesmo autor:
A Ideia;
Tempos Idos;
Versos Intimos;
Soneto (canta teu riso…)
Contrastes

 

Ao luar – Augusto dos Anjos

Filed under: Augusto dos Anjos,poesia — looking4good @ 1:40 am

No aniversário da morte do poeta deixamos aqui mais um soneto

Quando, à noite, o Infinito se levanta
A luz do luar, pelos caminhos quedos
Minha tactil intensidade é tanta
Que eu sinto a alma do Cosmos nos meus dedos!

Quebro a custódia dos sentidos tredos
E a minha mão, dona, por fim, de quanta
Grandeza o Orbe estrangula em seus segredos,
Todas as coisas íntimas suplanta!

Penetro, agarro, ausculto, apreendo, invado,
Nos paroxismos da hiperestesia,
O Infinitésimo e o Indeterminado…

Transponho ousadamente o átomo rude
E, transmudado em rutilância fria,
Encho o Espaço com a minha plenitude!

Augusto de Carvalho Rodrigues dos Anjos (n. no Engenho Pau d’Arco, Paraíba, no dia 20 de abril de 1884; m. em Leopoldina em 12 de Nov. de 1914).

Ler do mesmo autor:
A Ideia;
Tempos Idos;
Versos Intimos;
Soneto (canta teu riso…)
Contrastes

 

Ao luar – Augusto dos Anjos

Filed under: Augusto dos Anjos,poesia — looking4good @ 1:40 am

No aniversário da morte do poeta deixamos aqui mais um soneto

Quando, à noite, o Infinito se levanta
A luz do luar, pelos caminhos quedos
Minha tactil intensidade é tanta
Que eu sinto a alma do Cosmos nos meus dedos!

Quebro a custódia dos sentidos tredos
E a minha mão, dona, por fim, de quanta
Grandeza o Orbe estrangula em seus segredos,
Todas as coisas íntimas suplanta!

Penetro, agarro, ausculto, apreendo, invado,
Nos paroxismos da hiperestesia,
O Infinitésimo e o Indeterminado…

Transponho ousadamente o átomo rude
E, transmudado em rutilância fria,
Encho o Espaço com a minha plenitude!

Augusto de Carvalho Rodrigues dos Anjos (n. no Engenho Pau d’Arco, Paraíba, no dia 20 de abril de 1884; m. em Leopoldina em 12 de Nov. de 1914).

Ler do mesmo autor:
A Ideia;
Tempos Idos;
Versos Intimos;
Soneto (canta teu riso…)
Contrastes

 

Ao luar – Augusto dos Anjos

Filed under: Augusto dos Anjos,poesia — looking4good @ 1:40 am

No aniversário da morte do poeta deixamos aqui mais um soneto

Quando, à noite, o Infinito se levanta
A luz do luar, pelos caminhos quedos
Minha tactil intensidade é tanta
Que eu sinto a alma do Cosmos nos meus dedos!

Quebro a custódia dos sentidos tredos
E a minha mão, dona, por fim, de quanta
Grandeza o Orbe estrangula em seus segredos,
Todas as coisas íntimas suplanta!

Penetro, agarro, ausculto, apreendo, invado,
Nos paroxismos da hiperestesia,
O Infinitésimo e o Indeterminado…

Transponho ousadamente o átomo rude
E, transmudado em rutilância fria,
Encho o Espaço com a minha plenitude!

Augusto de Carvalho Rodrigues dos Anjos (n. no Engenho Pau d’Arco, Paraíba, no dia 20 de abril de 1884; m. em Leopoldina em 12 de Nov. de 1914).

Ler do mesmo autor:
A Ideia;
Tempos Idos;
Versos Intimos;
Soneto (canta teu riso…)
Contrastes

 

Contrastes – Augusto dos Anjos Abril 20, 2007

Filed under: Augusto dos Anjos,poesia — looking4good @ 7:01 am
foto: Arco-íris

A antítese do novo e do obsoleto,
O Amor e a Paz, o ódio e a Carnificina,
O que o homem ama e o que o homem abomina,
Tudo convém para o homem ser completo!

O ângulo obtuso, pois, e o ângulo reto,
Uma feição humana e outra divina
São como a eximenina e a endimenina
Que servem ambas para o mesmo feto!

Eu sei tudo isto mais do que o Eclesiastes!
Por justaposição destes contrastes,
junta-se um hemisfério a outro hemisfério,

As alegrias juntam-se as tristezas,
E o carpinteiro que fabrica as mesas
Faz também os caixões do cemitério!…

Augusto de Carvalho Rodrigues dos Anjos (n. no Engenho Pau d’Arco, Paraíba, no dia 20 de abril de 1884; m. em Leopoldina em 12 de novembro de 1914).

Ler do mesmo autor: A Ideia; Tempos Idos; Versos Intimos; Soneto (canta teu riso…)