Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Poema dum Funcionário Cansado – António Ramos Rosa (no dia do 84º. aniversário do poeta) Outubro 17, 2008

Filed under: António Ramos Rosa,poesia — looking4good @ 12:39 am

funcionário de contabilidade
A noite trocou-me os sonhos e as mãos
dispersou-me os amigos
tenho o coração confundido e a rua é estreita
estreita em cada passo
as casas engolem-nos
sumimo-nos
estou num quarto só num quarto só
com os sonhos trocados
com toda a vida às avessas a arder num quarto só
Sou um funcionário apagado
um funcionário triste
a minha alma não acompanha a minha mão
Débito e Crédito Débito e Crédito
a minha alma não dança com os números
tento escondê-la envergonhado
o chefe apanhou-me com o olho lírico na gaiola do quintal em frente
e debitou-me na minha conta de empregado
Sou um funcionário cansado dum dia exemplar
Por que não me sinto orgulhoso de ter cumprido o meu dever?
Por que me sinto irremediavelmente perdido no meu cansaço
Soletro velhas palavras generosas
Flor rapariga amigo menino
irmão beijo namorada
mãe estrela música
São as palavras cruzadas do meu sonho
palavras soterradas na prisão da minha vida
isto todas as noites do mundo numa só noite comprida
num quarto só

António Víctor Ramos Rosa (nasceu em Faro a 17 de Outubro de 1924)

Ler do mesmo autor neste blog: Vertentes; e Não posso adiar o amor…

Anúncios
 

Poema dum Funcionário Cansado – António Ramos Rosa (no dia do 84º. aniversário do poeta)

Filed under: António Ramos Rosa,poesia — looking4good @ 12:39 am

funcionário de contabilidade
A noite trocou-me os sonhos e as mãos
dispersou-me os amigos
tenho o coração confundido e a rua é estreita
estreita em cada passo
as casas engolem-nos
sumimo-nos
estou num quarto só num quarto só
com os sonhos trocados
com toda a vida às avessas a arder num quarto só
Sou um funcionário apagado
um funcionário triste
a minha alma não acompanha a minha mão
Débito e Crédito Débito e Crédito
a minha alma não dança com os números
tento escondê-la envergonhado
o chefe apanhou-me com o olho lírico na gaiola do quintal em frente
e debitou-me na minha conta de empregado
Sou um funcionário cansado dum dia exemplar
Por que não me sinto orgulhoso de ter cumprido o meu dever?
Por que me sinto irremediavelmente perdido no meu cansaço
Soletro velhas palavras generosas
Flor rapariga amigo menino
irmão beijo namorada
mãe estrela música
São as palavras cruzadas do meu sonho
palavras soterradas na prisão da minha vida
isto todas as noites do mundo numa só noite comprida
num quarto só

António Víctor Ramos Rosa (nasceu em Faro a 17 de Outubro de 1924)

Ler do mesmo autor neste blog: Vertentes; e Não posso adiar o amor…

 

Vertentes – António Ramos Rosa Outubro 17, 2007

Filed under: António Ramos Rosa,poesia — looking4good @ 12:09 am

As palavras esperam o sono
e a música do sangue sobre as pedras corre
a primeira treva surge
o primeiro não a primeira quebra

A terra em teus braços é grande
o teu centro desenvolve-se como um ouvido
a noite cresce uma estrela vive
uma respiração na sombra o calor das árvores

Há um olhar que entra pelas paredes da terra
sem lâmpadas cresce esta luz de sombra
começo a entender o silêncio sem tempo
a torre extática que se alarga

A plenitude animal é o interior de uma boca
um grande orvalho puro como um olhar

Deslizo no teu dorso sou a mão do teu seio
sou o teu lábio e a coxa da tua coxa
sou nos teus dedos toda a redondez do meu corpo
sou a sombra que conhece a luz que a submerge

A luz que sobe entre
as gargantas agrestes
deste cair na treva
Abre as vertentes onde
a água cai sem tempo.

António Ramos Rosa (n. em Faro em 17 Out 1924; ~)

In Poemas de amor – Antologia de poesia portuguesa, Organização e prefácio de Inês Pedrosa; Publicações Dom Quixote

Ler do mesmo autor: Não posso adiar o amor…

 

Não posso adiar o amor… – António Ramos Rosa Fevereiro 9, 2007

Filed under: amor,António Ramos Rosa,poesia — looking4good @ 7:57 pm

Não posso adiar o amor para outro século
não posso
ainda que o grito sufoque na garganta
ainda que o ódio estale e crepite e arda
sob as montanhas cinzentas
e montanhas cinzentas

Não posso adiar este braço
que é uma arma de dois gumes amor e ódio

Não posso adiar
ainda que a noite pese séculos sobre as costas
e a aurora indecisa demore
não posso adiar para outro século a minha vida
nem o meu amor
nem o meu grito de libertação

Não posso adiar o coração.

António Ramos Rosa (n. em Faro em 17 Out 1924; ~)