Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Halloween: All Hallows’ Even Outubro 31, 2008

Filed under: efemerides — looking4good @ 9:01 pm

Image from here

Anúncios
 

José Sócrates (de Magalhães)

Filed under: Actualidade,política — looking4good @ 7:24 am
Não sei se é para preparar o terreno no caso do desenvolvimento da crise implicar o despedimento (também) do primeiro ministro, mas a verdade é que José Sócrates anda disposto a demonstrar a sua versatilidade como vendedor ou publicitário. Basta ver a propaganda que fez na Cimeira Ibero-Americana.

Afinal o Magalhães, «computador da última geração» é «uma espécie de Tintim: para ser usado desde os sete aos 77 anos». «Foi pensado para as crianças e por isso é resistente ao choque. O Presidente Chávez já o atirou ao chão e não o conseguiu partir». Crianças com 77 anos? Este apelo às crianças e até à banda desenhada quando se fala com os políticos funciona sempre maravilhosamente. Estou certo de que se não lhes tivesse sido oferecido um iriam imediatamente comprá-lo.
 

A língua lambe – Carlos Drummond de Andrade

Filed under: Carlos Drummond de Andrade,poesia — looking4good @ 2:43 am

A língua lambe as pétalas vermelhas
da rosa pluriaberta; a língua lavra
certo oculto botão, e vai tecendo
lépidas variações de leves ritmos.
E lambe, lambilonga, lambilenta,
a licorina gruta cabeluda,
e, quanto mais lambente, mais ativa,
atinge o céu do céu, entre gemidos,
entre gritos, balidos e rugidos
de leões na floresta, enfurecidos

Carlos Drummond de Andrade (n. em Itabira (Minas Gerais) a 31 de Out. de 1902; m. no Rio de Janeiro, a 17 de Ago de 1987)

Ler do mesmo autor neste blog: Quero; O amor antigo; Indagação; Amar; Quarto em desordem

 

On this day in History – Oct. 31

Filed under: efemerides,This Day in History — looking4good @ 1:23 am
 

Humor (negro): Falências na Hora Outubro 30, 2008

Filed under: Actualidade,Humor,impostos,política — looking4good @ 4:38 pm

O Governo Português apostado que está na desburocratização lançou um grande projecto de Modernização Administrativa, objectivo prioritário para cativar o investimento. Este projecto tem uma rede de balcões distribuída por todo o país, tecnologicamente equipada com computadores de última geração «Magalhães». Consta ainda que o financiamento deste projecto é feito à custa das coimas que cobra às empresas por falta de entrega do IVA ainda que não tenha sido recebido do cliente. O nome do projecto é «Falências na Hora».

(Artigo de ficção inspirado pela crise e nesta notícia)
 

Apagou-se, por fim, o incerto lume … – Alfredo Guisado

Filed under: Alfredo Guisado,poesia,Unicepe — looking4good @ 1:34 am
Lume imagem daqui

Apagou-se, por fim, o incerto lume,
que, em volta do meu ser, ainda ardia,
e o velho alfange, de inquietante gume,
cortou o voo que meu sonho erguia.

Apagou-se, por fim, o lume incerto…
e fiquei-me entre as urzes, hesitante,
no local que pr’a o além era o mais perto
e pr’a voltar a mim o mais distante.

Abandonada, então, essa charneca,
vestida de silêncio, árida e seca,
rodeou-me a minha alma sonhadora.

Afastei-me. Acabei por me perder:
sem poder atingir o que quis ser
e sem poder voltar ao que já fora.

Alfredo Pedro de Meneses Guisado nasceu a 30 de Outubro de 1891 em Lisboa, onde faleceu a 2 de Dezembro de 1975. De ascendência galega, completou o curso de Direito, em 1921, na sua cidade natal, mas nunca exerceu a advocacia, dedicando-se antes ao jornalismo e à intervenção cívica: deputado do Partido Republicano Português, chegou a ser governador civil substituto e director-adjunto do diário «República». Colaborador da revista «Orpheu», foi um poeta paúlico e sensacionista, mais afim de Sá-Carneiro do que de Pessoa. Bilingue, tanto escrevia em português («Distância», 1914) como em galego («Xente d’ Aldea», 1921) e ora assinava Alfredo Guisado ora Pedro de Meneses.

Soneto e nota biobibliográfica extraídos de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria é a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, 2004.
 

Decadência – Raul de Leoni

Filed under: poesia,Raul de Leoni — looking4good @ 1:24 am

Afinal, é o costume de viver
Que nos faz ir vivendo para a frente.
Nenhuma outra intenção, mas, simplesmente
O hábito melancólico de ser…

Vai-se vivendo… é o vício de viver…
E se esse vício dá qualquer prazer à gente,
Como todo prazer vicioso é triste e doente,
Porque o Vício é a doença do Prazer…

Vai-se vivendo… vive-se demais,
E um dia chega em que tudo que somos
É apenas a saudade do que fomos…

Vai-se vivendo… e muitas vezes nem sentimos
Que somos sombras, que já não somos mais nada
Do que os sobreviventes de nós mesmos!…

Raul de Leoni Ramos (n. Petropolis, 30 Out 1895; m. Itaipava, a 21 Nov 1926)

Ler outros poemas de Raul Leoni no Nothingandall