Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Tuas antigas falas, onde havia… – Julio Brandão Abril 9, 2008

Filed under: Júlio Brandão,poesia — looking4good @ 12:31 am
Tuas antigas falas, onde havia
a cadência de música magoada,
tuas antigas falas, que eu ouvia
como um murmúrio de água namorada,

nunca mais as ouvi! E nasce o dia
e o dia morre, minha bem amada,
e eu vou mirrando de melancolia,
e a vida é água que se vai levada…

Volve a dizer-me o que disseste, quando
te vi partir, mais pálida que a lua,
que nos encheu de sonho e de piedade,

enquanto eu vivo, meu amor, penando,
e a minha vida corre para a tua
nesta língua de lume da saudade…

Júlio Sousa Brandão nasceu em Famalicão a 9 de Agosto de 1869 e morreu a 9 de Abril de 1947 no Porto, onde a família se fixara em 1874. Jornalista, arqueólogo e professor, foi amigo e colaborador de Raul Brandão. Além de poeta neo-romântico e decadentista, foi contista («Farmácia Pires», 1896), novelista («Maria do Céu», 1902), memorialista e crítico literário.

Soneto e Nota biobliográfica extraídos de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria é a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, 2004.

Anúncios