Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Citação do Dia – A inconstância dos homens Junho 11, 2009

Filed under: Citação do dia — looking4good @ 8:02 pm
Os que se dedicam à crítica das ações humanas nunca se sentem tão embaraçados como quando procuram agrupar e harmonizar sob uma mesma luz todos os actos dos homens, pois estes contradizem-se comumente a tal ponto que não parecem provir de um mesmo indivíduo (…). Somos todos constituídos de peças e pedaços unidos de modo casual e diverso, e cada peça funciona independentemente das demais. Daí ser tão grande a diferença entre nós e nós mesmos quanto entre nós e outrem: “Crede-me, não é coisa fácil conduzir-se como um só homem” (Séneca).

Montaigne (1592), in O Livro das Citações de Eduardo Giannetti, Publicações Dom Quixote

Anúncios
 

Quotation of the Day Junho 3, 2009

Filed under: Citação do dia — looking4good @ 1:38 am

Have the courage to be ignorant of a great number of things, in order to avoid the calamity of being ignorant of everything.

Sydney Smith, English essayist (b. 3 Jun 1771 – d. 22 Feb 1845)

 

Citação do Dia Maio 2, 2009

Filed under: Citação do dia,Sporting — looking4good @ 10:35 pm
“Não faz sentido ter um treinador a protestar (e bem) contra a batota e um presidente a receber o principal responsável por essas batotas, como se nada fosse. São duas atitudes contraditórias. Espero que o próximo presidente do Sporting corrija isso” (Zé Diogo Quintela in A Bola de hoje)
 

Citação do Dia – Saul Bellow Abril 5, 2009

Filed under: Citação do dia — looking4good @ 12:22 am
Apaixonar-se, apesar de tudo, é uma prova de sanidade mental, pois no amor descobrimos uma generosidade ilimitada.

Saul Bellow, Nobel da Literatura em 1976 (n. 10 de Junho de 1915, Lachine, Québec, Canadá – m. 5 Abril de 2005, Brookline, Massachusetts, EUA).

 

Citação do Dia – Milan Kundera (que faz hoje 80 anos) Março 31, 2009

Filed under: Citação do dia — looking4good @ 11:32 pm
“São precisamente as perguntas para as quais não existem respostas que marcam os limites das possibilidades humanas e traçam as fronteiras da nossa existência”.

Milan Kundera (n. 1 April 1929, em Brno, Czechoslovakia)

 

Citação do Dia – Raúl Brandão Março 12, 2009

Filed under: Citação do dia,Raúl Brandão — looking4good @ 6:51 pm
“A vida é fictícia, as palavras perdem a realidade. E no entanto esta vida fictícia é a única que podemos suportar. Estamos aqui como peixes num aquário. E sentindo que há outra vida ao nosso lado, vamos até à cova sem dar por ela. Estamos aqui a matar o tempo”

“Nenhum de nós sabe o que existe e o que não existe. Vivemos de palavras. Vamos até à cova com palavras. Submetem-nos, subjugam-nos. Pesam toneladas, têm a espessura de montanhas. São as palavras que nos contêm, são as palavras que nos conduzem. Mas há momentos em que cada um redobra de proporções, há momentos em que a vida se me afigura iluminada por outra claridade. Há momentos em que cada um grita: – Eu não vivi! eu não vivi! eu não vivi! – Há momentos em que deparamos com outra figura maior, que nos mete medo. A vida é só isto?”

(in Húmus)

Raul Germano Brandão (n. Foz do Douro, 12 de Março de 1867 —m. Lisboa, 5 de Dezembro de 1930)

 

Citação do Dia – Raúl Brandão

Filed under: 20834731,Citação do dia — looking4good @ 6:51 pm
“A vida é fictícia, as palavras perdem a realidade. E no entanto esta vida fictícia é a única que podemos suportar. Estamos aqui como peixes num aquário. E sentindo que há outra vida ao nosso lado, vamos até à cova sem dar por ela. Estamos aqui a matar o tempo”

“Nenhum de nós sabe o que existe e o que não existe. Vivemos de palavras. Vamos até à cova com palavras. Submetem-nos, subjugam-nos. Pesam toneladas, têm a espessura de montanhas. São as palavras que nos contêm, são as palavras que nos conduzem. Mas há momentos em que cada um redobra de proporções, há momentos em que a vida se me afigura iluminada por outra claridade. Há momentos em que cada um grita: – Eu não vivi! eu não vivi! eu não vivi! – Há momentos em que deparamos com outra figura maior, que nos mete medo. A vida é só isto?”

(in Húmus)

Raul Germano Brandão (n. Foz do Douro, 12 de Março de 1867 —m. Lisboa, 5 de Dezembro de 1930)