Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

23 Jul : Nasce Amália, desaparece Carlos Paredes Julho 23, 2008

Filed under: Amália Rodrigues,Carlos Paredes,Fado,Musica,poesia — looking4good @ 2:56 am
Foto de Amália Rodrigues
Não bastava tratar-se de duas das maiores figuras da música portuguesa e particularmente do fado ainda um pormenor adicional iria ligar temporalmente estas duas personalidades: 23 de Julho. Em 1920 nascia em Lisboa Amália Rodrigues e também em Lisboa neste mesmo dia do ano de 2004 desaparecia Carlos Paredes. Nothingandall deixa aqui a lembrança neste dia que é também o do aniversário da pianista portuguesa Maria João Pires.

E aqui porque o som do vídeo não é o melhor fica um registo muito claro da inesquecível voz de Amália. Quase arrepiante!

Lágrima

Cheia de penas
Cheia de penas me deito
E com mais penas
Com mais penas me levanto
No meu peito
Já me ficou no meu peito
Este jeito
O jeito de te querer tanto

Desespero
Tenho por meu desespero
Dentro de mim
Dentro de mim o castigo
Não te quero
Eu digo que não te quero
E de noite
De noite sonho contigo

Se considero
Que um dia hei-de morrer
No desespero
Que tenho de te não ver
Estendo o meu xaile
Estendo o meu xaile no chão
E deixo-me adormecer

Se eu soubesse
Se eu soubesse que morrendo
Tu me havias
Tu me havias de chorar
Uma lágrima
Por uma lágrima tua
Que alegria
Me deixaria matar
in Versos de Amália Rodrigues (n. 23 Jul 1920*em Lisboa, m. a 6 Out 1999 em Lisboa) *Data que consta dos documentos oficiais. Amália sempre defendeu que nascera em 1 de Julho de 1920.
Ouça mais música de Amália:

foto de Carlos Paredes em actuação

Cantiga de Maio Carlos Paredes (n. em Coimbra a 16 de Fev. de 1925; m. em Lisboa a 23 de Jul de 2004)

Anúncios
 

23 Jul : Acaso do destino: No mesmo dia que nasceu Amália Rodrigues desapareceu Carlos Paredes 84 anos depois Julho 23, 2007

Filed under: Amália Rodrigues,Carlos Paredes,Fado,Musica — looking4good @ 12:21 pm
Não bastava tratar-se de duas das maiores figuras da música portuguesa e particularmente do fado ainda um pormenor adicional iria ligar temporalmente estas duas personalidades: 23 de Julho. Em 1920 nascia em Lisboa Amália Rodrigues e também em Lisboa neste mesmo dia do ano de 2004 desaparecia Carlos Paredes. Não há homenagens possíveis que paguem o que eles fizeram por Portugal, deixo apenas aqui uma lembrança.

foto: Amália em actuação

Estranha Forma de Vida

Foi por vontade de Deus
que eu vivo nesta ansiedade.
Que todos os ais são meus,
Que é toda a minha saudade.
Foi por vontade de Deus.

Que estranha forma de vida
tem este meu coração:
vive de forma perdida;
Quem lhe daria o condão?
Que estranha forma de vida.

Coração independente,
coração que não comando:
vive perdido entre a gente,
teimosamente sangrando,
coração independente.

Eu não te acompanho mais:
para, deixa de bater.
Se não sabes onde vais,
porque teimas em correr,
eu não te acompanho mais.

poema da autoria de Amália Rodrigues (n. 23 Jul 1920 *em Lisboa, m. a 6 Out 1999 em Lisboa)

*Data que consta dos documentos oficiais. Amália sempre defendeu que nascera em 1 de Julho de 1920.

Ouça música de Amália:
Estranha forma de vida
Barco Negro
Eu queria cantar-te um fado
Foi Deus
Solidão (Canção do Mar)
Ouvir mais fados de Amália aqui (link externo)

foto de Carlos Paredes em actuação


Cantiga de Maio

Carlos Paredes (n. em Coimbra a 16 de Fev. de 1925; m. em Lisboa a 23 de Jul de 2004)

 

23 Jul : Acaso do destino: No mesmo dia que nasceu Amália Rodrigues desapareceu Carlos Paredes 84 anos depois

Filed under: Amália Rodrigues,Carlos Paredes,Fado,Musica — looking4good @ 12:21 pm
Não bastava tratar-se de duas das maiores figuras da música portuguesa e particularmente do fado ainda um pormenor adicional iria ligar temporalmente estas duas personalidades: 23 de Julho. Em 1920 nascia em Lisboa Amália Rodrigues e também em Lisboa neste mesmo dia do ano de 2004 desaparecia Carlos Paredes. Não há homenagens possíveis que paguem o que eles fizeram por Portugal, deixo apenas aqui uma lembrança.

foto: Amália em actuação

Estranha Forma de Vida

Foi por vontade de Deus
que eu vivo nesta ansiedade.
Que todos os ais são meus,
Que é toda a minha saudade.
Foi por vontade de Deus.

Que estranha forma de vida
tem este meu coração:
vive de forma perdida;
Quem lhe daria o condão?
Que estranha forma de vida.

Coração independente,
coração que não comando:
vive perdido entre a gente,
teimosamente sangrando,
coração independente.

Eu não te acompanho mais:
para, deixa de bater.
Se não sabes onde vais,
porque teimas em correr,
eu não te acompanho mais.

poema da autoria de Amália Rodrigues (n. 23 Jul 1920 *em Lisboa, m. a 6 Out 1999 em Lisboa)

*Data que consta dos documentos oficiais. Amália sempre defendeu que nascera em 1 de Julho de 1920.

Ouça música de Amália:
Estranha forma de vida
Barco Negro
Eu queria cantar-te um fado
Foi Deus
Solidão (Canção do Mar)
Ouvir mais fados de Amália aqui (link externo)

foto de Carlos Paredes em actuação


Cantiga de Maio

Carlos Paredes (n. em Coimbra a 16 de Fev. de 1925; m. em Lisboa a 23 de Jul de 2004)

 

23 Jul : Acaso do destino: No mesmo dia que nasceu Amália Rodrigues desapareceu Carlos Paredes 84 anos depois

Filed under: Amália Rodrigues,Carlos Paredes,Fado,Musica — looking4good @ 12:21 pm
Não bastava tratar-se de duas das maiores figuras da música portuguesa e particularmente do fado ainda um pormenor adicional iria ligar temporalmente estas duas personalidades: 23 de Julho. Em 1920 nascia em Lisboa Amália Rodrigues e também em Lisboa neste mesmo dia do ano de 2004 desaparecia Carlos Paredes. Não há homenagens possíveis que paguem o que eles fizeram por Portugal, deixo apenas aqui uma lembrança.

foto: Amália em actuação

Estranha Forma de Vida

Foi por vontade de Deus
que eu vivo nesta ansiedade.
Que todos os ais são meus,
Que é toda a minha saudade.
Foi por vontade de Deus.

Que estranha forma de vida
tem este meu coração:
vive de forma perdida;
Quem lhe daria o condão?
Que estranha forma de vida.

Coração independente,
coração que não comando:
vive perdido entre a gente,
teimosamente sangrando,
coração independente.

Eu não te acompanho mais:
para, deixa de bater.
Se não sabes onde vais,
porque teimas em correr,
eu não te acompanho mais.

poema da autoria de Amália Rodrigues (n. 23 Jul 1920 *em Lisboa, m. a 6 Out 1999 em Lisboa)

*Data que consta dos documentos oficiais. Amália sempre defendeu que nascera em 1 de Julho de 1920.

Ouça música de Amália:
Estranha forma de vida
Barco Negro
Eu queria cantar-te um fado
Foi Deus
Solidão (Canção do Mar)
Ouvir mais fados de Amália aqui (link externo)

foto de Carlos Paredes em actuação


Cantiga de Maio

Carlos Paredes (n. em Coimbra a 16 de Fev. de 1925; m. em Lisboa a 23 de Jul de 2004)