Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Benfica ganha sem convencer Fevereiro 15, 2009

Filed under: Benfica,Futebol,Liga Sagres,Paços de Ferreira — looking4good @ 11:19 pm
Benfica logoPaços de Ferreira logo Benfica

3-2

Paços de Ferreira

Festival de golos… inesperado

O Benfica a jogar em casa contra a equipa com mais golos sofridos na Liga e já depois de ter visto o Sporting ontem a inverter o resultado negativo e a vencer 2-1 no Restelo e (ouvir) o Porto empatado a cinco minutos do fim, mas resolver o jogo por Farias.

Com David Luís a lateral direito (por castigo de Maxi Pereira) e Jorge Ribeiro à esquerda, Quique preferiu deixar Yebda no banco (tinha 4 amarelos) jogando Carlos Martins. Na frente outro impedimento este de Suazo (nem convocado foi) jogou Cardozo.

Na primeira parte o Benfica teve dificuldades em criar desiquilíbrios ofensivos e apenas num lance esteve por duas vezes com hipóteses de marcar: Luizão a desviar de cabeça a bola que bate na relva e sobe até à barra, na recarga Aimar também de cabeça coloca a bola para um golo que Cássio evitou com uma defesa extraordinária.

O Paços de Ferreira aparecia interessdo praticamente só em defender e a passar tempo, mas na segunda parte já com impaciência dos adeptos encarnados, foi o Paços de Ferreira que dispôs de uma grande oportunidade de golo aos 55′: Leandro Tatu aproveitou o buraco no meio da defesa da casa, fintou Moreira e depois enviou a bola enrolada para a baliza mas tão devagar que David Luís evitou que a mesma transpusesse a linha de baliza.

Di Maria entrou ao 56′ substituindo Carlos Martins e o argentino viria a ter um papel decisivo.

O Paços de Ferreira que conseguira tirar vários foras de jogo aos avançados encarnados sofreria o primeiro golo num lance em que Cardozo sai de uma posição em linha para disputar a bola com Cássio, este chegou primeiro, mas inexplicavelmente com a perturbação da presença do avançado paraguaio deixou a bola para este voltar aos golos atirando para a baliza deserta aos 69′.

Logo a seguir Ruben Amorim aproveita uma bola à entrada da área para rematar para o fundo da baliza, num golo, desta vez sem qualquer culpa para o guarda-redes pacense tal a colocação da bola junto ao poste a meia altura. Os adeptos encarnados descansavam mas por pouco pois o Paços de Ferreira foi à linha de fundo do lado direito no um para um Rui Miguel ganhou a Sidnei cruzando rasteiro e atrasado para o desvio fatal de Ferreira.

Já perto do final Di Maria de um lançamento da linha lateral na intermediária ofensiva ganhou espaço e com a bola a «pedir-lhas» mandou uma «bomba» fazendo um chapéu monumental a Cássio num golo festejado exuberantemente.

A verdade é que depois do 0-0 durante tanto tempo, uma vez aberta a contagem os golos sucediam-se e o Paços de Ferreira ainda fez o 3-2 ao minuto 90 num remate cruzado rasteiro de Chico Silva após cruzamento da direita de Rui Miguel. Ao minuto 93′ num livre da esquerda o Paços de Ferreira esteve perto de igualar o jogo, desvio de cabeça de Luizão mas para os pés de Kelly que disparou contra o poste e na recarga o remate do mesmo Kelly foi desviado por Sidnei, grantindo o triunfo para o Benfica.

A arbitragem não esteve muito feliz com a marcação de alguns foras de jogo inexistentes, mas não houve casos graves a afectar o resultado.

Liga Sagres, 18.ª jornada
Estádio do Sport Lisboa e Benfica, Lisboa
Hora: 20:45
Árbitro: Cosme Machado (Braga)

BENFICA: Moreira; David Luiz, Sidnei, Luisão e Jorge Ribeiro; Katsouranis, Carlos Martins (Di Maria 56′), Ruben Amorim e Reyes; Aimar (Mantorras 90′) e Cardozo (Nuno Gomes 79′)

Suplentes: Quim, Miguel Vítor, Binya, Yebda, Di María, Nuno Gomes e Mantorras

Treinador: Quique Flores

P. FERREIRA: Cássio, Danielson, Ricardo, Kelly e Jorginho (Chico Silva 83′); Pedrinha e Dedé; Rui Miguel, Ferreira e Cristiano (Leandro Tatu aos 27′); Edson (André Pinto 76′)

Suplentes: Coelho, Kiko, Chico Silva, Cristelo, Leandro Tatu, André Pinto e Carlos Carneiro

Treinador: Paulo Sérgio

Golos: 1-0 Cardozo 69′ aproveitando uma falha clamorosa de Cássio; 2-0 Ruben Amorim 73′; 2-1 Ferreira 75′; 3-1 Di Maria 87′ ; 3-2 90+2 Chico Silva

Disciplina:
37′ – Cartão amarelo para Danielson.
45′ – Cartão amarelo para Pedrinha, por atrasar o jogo.
62′ – Jorginho faz falta sobre Di María e vê o cartão amarelo.
64′ – Cartão amarelo a Cássio por demorar na reposição da bola.
84′ – Cartão amarelo para o recém-entrado Chico Silva, por falta sobre Di María à entrada da área.
86′ – Cartão amarelo para Reyes.
87′ – Cartão amarelo para Di María, por ter tirado a camisola durante os festejos do 3º. golo.

Anúncios
 

Liga Sagres: 6ª. Jornada . Porto perde e Trofense pontua pela primeira vez Outubro 26, 2008

Filed under: Futebol,Liga Sagres,Paços de Ferreira,Sporting — looking4good @ 10:44 pm
Resultados da 6ª. Jornada
24 Out. 20:30 Trofense 0-0 Académica
25 Out. 18:30 Belenenses 1-1 Vit. de Guimarães
25 Out. 21:00 FC Porto 2-3 Leixões
26 Out. 16:00 Marítimo 1-1 Rio Ave
26 Out. 16:00 Nacional 1-0 Vit. de Setúbal
26 Out. 19:00 Benfica 2-1 Naval 1º. de Maio
26 Out. 21:00 Paços de Ferreira 0-0 Sporting
27 Out. 19:45 Braga Estrela da Amadora
Comentários: O grande destaque da jornada vai para o Leixões que depois de na jornada passada ter feito o Benfica marcar passo (empate no Estádio do Mar) foi ao Dragão fazer melhor ainda: vencer o campeão nacional e infligir aos «dragões» a primeira derrota no campeonato. Da vantagem de dois golos da primeira parte, a equipa teve força e confiança para desafiar os locais após estes terem chegado ao empate e até foi preciso marcar dois golos para valer um e vencer o encontro.

O Benfica venceu a Naval com grandes dificuldades e com mais uma fraca arbitragem que não assinalou um penalty claro sobre Ruben Amorim na primeira parte e tirou na segunda um fora de jogo incrível a um jogador da Naval que seguia isolado. A verdade é que o Benfica chegou ao golo já depois de uma hora de jogo mas teve de sofrer a reacção da Naval que chegou ao empate. Quando os espectadores na Luz já sofriam uma desilusão Cardozo deu o triunfo. A equiap do Benfica está longe ainda da consolidação e da consistencia necessárias principalmente ao nível do meio-campo.

O Sporting acabou há minutos de empatar em Paços de Ferreira. Uma primeira parte superior dos leões com o guarda-redes pacense a ter que se aplicar para manter o nulo, mas uma segunda parte melhor dos pacenses que ameaçaram também o golo deu justificação a um empate que não servindo aos dois distribui o mal pelas aldeias.

A jornada começou na sexta-feira com um nulo na Trofa entre o último classificado e a Académica. O Trofense pontuou pela primeira vez na 1ª. Divisão Nacional à 7ª. jornada.

Hoje à tarde jogaram ambas as equipas madeirenses em casa mas foi o Nacional o mais feliz ao vencer o Vitória de Setúbal com um golo solitário de Néné de penalty já no último quarto de hora do jogo. O Marítimo teve que dar corda aos sapatos para evitar a derrota. Niquinha colocou o Rio Ave em vantagem e foi já a poucos minutos do fim que Bába fez o empate.

Os quatro últimos classificados empataram todos, porque tamém o Belenenses empatou em casa frente ao Vitória de Guimarães por 1-1. José Pedro fez os golos: o primeiro na própria baliza, o segundo ao converter um penalty por falta sobre Roncato. A equipa agora treinada por Jaime Pacheco é antepenúltima na tabela classificativa.

Na próxima semana o Benfica vai a Gumarães, o Porto recebe a Naval e o Sporting tem nova deslocação difícil agora a Vila do Conde. Já os comandantes do Nacional jogam o derby madeirense nos Barreiros enquanto o Leixões joga em casa com o Paços de Ferreira. Temos campeonato!!!

Lugar Clube Pontos Golos
1. Nacional 13 10-5
1. Leixões 13 10-7
3. Benfica 12 11-7
4 FC Porto 11 9-5
5. Sporting 10 7-5
5. Est. da Amadora(*) 10 4-2
6. Vit. de Guimarães 9 6-5
8. Marítimo 8 5-3
8. Naval 1º. de Maio 8 8-7
8. Académica 8 3-4
11. Vitória de Setúbal 7 3-5
12. Rio Ave 6 5-6
12. Braga (*) 5 3-4
14. Belenenses 3 4-9
15. Paços de Ferreira 2 7-13
16. Trofense 1 4-12
(*) Têm menos um jogo

Próxima Jornada – 7ª.
31 Out. 20:30 Vitória de Setúbal Trofense
1 Nov. 18:45 Naval 1º. de Maio FC do Porto
1 Nov. 21:00 Rio Ave Sporting
2 Nov. 16:00 Académica Braga
2 Nov. 16:00 Estrela da Amadora Belenenses
2 Nov. 16:00 Leixões Paços de Ferreira
2 Nov. 19:45 Vitória de Guimarães Benfica
3 Nov. 19:45 Marítimo Nacional

 

Liga Sagres: Primeira vitória do Benfica que para o conseguir teve de marcar quatro golos Setembro 22, 2008

Filed under: Benfica,Futebol,Liga Sagres,Paços de Ferreira — looking4good @ 10:38 pm
Benfica logoPaços de Ferreira logo P. de Ferreira

3-4

Benfica

Não foi jogo de hóquei… foi mesmo de futebol

Já sabíamos que o Benfica jogava com uma defesa remendada face à ausência de Luisão e impossbilidade de remediar com Katsouranis (ambos castigados) e admitia-se dificuldades para os encarnados faze à sempre aguerrida equipa do Paços de Ferreira. O que ninguém imaginaria é que a defesa encarnada oscilasse tanto, guarda-redes incluído, sofresse três golos e mesmo assim a equipa de Quique Flores conseguisse a primeira vitória em jogos oficiais esta época.

Cedo se percebeu que o Paços de Ferreira seria uma equipa em todo o campo ao conseguir logo no decurso do segundo minuto um livre e um pontapé de canto. Mas aos 6′ o Benfica, no que seria a melhor jogada de todo o encontro,após um lance perfeito: Reyes, Carlos Martins, Reis e o cruzamento deste da esquerda milimétrico para Nuno Gomes concluir de primeira, ganhou vantagem e pensou-se que o pior estaria feito. Puro engano, o Benfica está muito inseguro e passou pouco tempo até sofrer o golo do empate. A bola foi afastada pela defesa para a zona intermediária defensiva com Reyes a falhar o alívio e a proporcionar a Ozeia um remate feliz que ainda desviou num defesa para entrar sem apelo na baliza de Quim. Mais uma vez o Benfica ganhava e cedo se esfumava a vantagem.

O problema é que às insuficiências defensivas encarnadas o Paços de Ferreira respondia com a mesma moeda e à passagem da meia hora (31′) o Benfica regressava à posição de vencedor. Ruben Amorim viu bem Nuno Gomes nas costas e enviou-lhe a bola com o avançado encarnado a rematar de cabeça cruzado da esquerda para a direita obrigando Bruno Conceição a uma defesa apertada de recurso, com Maxi Pereira a aparecer ao segundo poste a finalizar vitoriosamente. Perto do intervalo um cruzamento da direita foi interceptado pelo braço de Tiago Valente e Crdozo «facturou» o terceiro de penalty.

O intervalo foi vivido com tranquilidade pelos adeptos encarnados que mal sabiam o que teriam ainda de sofrer. Ao intervalo Quique não soube incutir a melhor tactica para a segunda parte e a realidade é que face à descontracção e recuo defensivo do Benfica, que não controlava a posse de bola, o Paços de Ferreira foi acreditando. Uma asneira de Sidney a agarrar a bola perto da linha d fundo,pensando provavelmente numa falta a favor por ligeiro toque do adversário, proporcionou mais um lance de bola parada para o Paços de Ferreira e Rui Miguel fez o 3-2 com muitas culpas para Quim a largar a bola.

Nessa altura já Carlos Martins apresentava dificuldades físicas os treinadores mexiam nas equipas mas Jorge Ribeiro num dos raros lances em que se aventurou na frente fez um soberbo remate de pé esquerdo cruzado com a bola ainda a tabelar na parte interior do poste e a anichar-se nas redes.

Mais uma vez a tranquilidade encarnada foi por pouco tempo, porque a segurança e dominio de jogo nunca ocorreu por parte dos encarnados. As substituições também não terão sido as melhores e o meio campo encarnado vem pecando por pouca solidez defensiva. Balboa a defender foi (é) pior do que Rubem Amorim e o Paços de Ferreira não desistindo atingiu o 3-4 em mais um lance de bola parada com a defesa encarnada a não afastar convenientemente a bola de primeira, marcando William aos 85′. Com cnco minutos até aos 90 mas mais cinco minutos de desconto, o Paços ainda tinha tempo par chegar ao 4-4. E na verdade, o Benfica em pânico ia prenunciando isso, restando a Quim redimir-se da falha do segundo golo para garantir nos últimos segundos o primeiro triunfo da euipa de Lisboa na Liga Sagres desta época.

A arbitragem de Bruno Paixão foi complicada, com os jogadores a fazerem muitas faltas, mas nos lances mais polémico ajuizou bem.

No outro jogo de hoje, disputado ainda antes do jogo de Paços de Ferreira, o Vitória de Guimarães foi derrotado em casa pelo Nacional da Madeira por 2-0 (golos de Nenê aos 28′ e de Alonso aos 61 de g.p.) e assim os madeirenses mantém-se no primeiro lugar só com triunfos em igualdade com o Sporting. O jogo ficou também marcado por das expulsões de jogadores do vitória: Sereno (64′) e Gregory (70′) dois centrais da equipa de Guimarães, quando já perdiam por 2-0.

Estádio da Mata Real, em Paços de Ferreira

Árbitro: Bruno Paixão (Setúbal)

PAÇOS DE FERREIRA – Bruno Conceição; Ricardo, Ozéia, Tiago Valente (Rui Miguel, 46 m) e Chico Silva; Filipe Anunciação (Cristiano, 70 m), Paulo Sousa, Pedrinha e William; Edson (Filipe Gonçalves (79 m) e Leandro Tatu.

BENFICA – Quim; Maxi Pereira, Miguel Vítor, Sidnei e Jorge Ribeiro; Carlos Martins, Yebda, Ruben Amorim (Balboa, 77 m) e Reyes (Di Maria, 88 m); Nuno Gomes (Aimar, 68 m) e Cardozo.

Golos: 0-1, Nuno Gomes (6 m); 1-1, Ozéia (13 m); 1-2, Maxi Pereira (31 m); 1-3, Cardozo (44 m); 2-3, Rui Miguel (63 m); 2-4, Jorge Ribeiro (76 m); 3-4, William (85 m).

Disciplina: Cartão amarelo a Maxi Pereira, Tiago Valente, Filipe Anunciação, Nuno Gomes, Rui Miguel, Leandro Tatu e Quim.

 

Liga Sagres: Primeira vitória do Benfica que para o conseguir teve de marcar quatro golos

Filed under: Benfica,Futebol,Liga Sagres,Paços de Ferreira — looking4good @ 10:38 pm
Benfica logoPaços de Ferreira logo P. de Ferreira

3-4

Benfica

Não foi jogo de hóquei… foi mesmo de futebol

Já sabíamos que o Benfica jogava com uma defesa remendada face à ausência de Luisão e impossbilidade de remediar com Katsouranis (ambos castigados) e admitia-se dificuldades para os encarnados faze à sempre aguerrida equipa do Paços de Ferreira. O que ninguém imaginaria é que a defesa encarnada oscilasse tanto, guarda-redes incluído, sofresse três golos e mesmo assim a equipa de Quique Flores conseguisse a primeira vitória em jogos oficiais esta época.

Cedo se percebeu que o Paços de Ferreira seria uma equipa em todo o campo ao conseguir logo no decurso do segundo minuto um livre e um pontapé de canto. Mas aos 6′ o Benfica, no que seria a melhor jogada de todo o encontro,após um lance perfeito: Reyes, Carlos Martins, Reis e o cruzamento deste da esquerda milimétrico para Nuno Gomes concluir de primeira, ganhou vantagem e pensou-se que o pior estaria feito. Puro engano, o Benfica está muito inseguro e passou pouco tempo até sofrer o golo do empate. A bola foi afastada pela defesa para a zona intermediária defensiva com Reyes a falhar o alívio e a proporcionar a Ozeia um remate feliz que ainda desviou num defesa para entrar sem apelo na baliza de Quim. Mais uma vez o Benfica ganhava e cedo se esfumava a vantagem.

O problema é que às insuficiências defensivas encarnadas o Paços de Ferreira respondia com a mesma moeda e à passagem da meia hora (31′) o Benfica regressava à posição de vencedor. Ruben Amorim viu bem Nuno Gomes nas costas e enviou-lhe a bola com o avançado encarnado a rematar de cabeça cruzado da esquerda para a direita obrigando Bruno Conceição a uma defesa apertada de recurso, com Maxi Pereira a aparecer ao segundo poste a finalizar vitoriosamente. Perto do intervalo um cruzamento da direita foi interceptado pelo braço de Tiago Valente e Crdozo «facturou» o terceiro de penalty.

O intervalo foi vivido com tranquilidade pelos adeptos encarnados que mal sabiam o que teriam ainda de sofrer. Ao intervalo Quique não soube incutir a melhor tactica para a segunda parte e a realidade é que face à descontracção e recuo defensivo do Benfica, que não controlava a posse de bola, o Paços de Ferreira foi acreditando. Uma asneira de Sidney a agarrar a bola perto da linha d fundo,pensando provavelmente numa falta a favor por ligeiro toque do adversário, proporcionou mais um lance de bola parada para o Paços de Ferreira e Rui Miguel fez o 3-2 com muitas culpas para Quim a largar a bola.

Nessa altura já Carlos Martins apresentava dificuldades físicas os treinadores mexiam nas equipas mas Jorge Ribeiro num dos raros lances em que se aventurou na frente fez um soberbo remate de pé esquerdo cruzado com a bola ainda a tabelar na parte interior do poste e a anichar-se nas redes.

Mais uma vez a tranquilidade encarnada foi por pouco tempo, porque a segurança e dominio de jogo nunca ocorreu por parte dos encarnados. As substituições também não terão sido as melhores e o meio campo encarnado vem pecando por pouca solidez defensiva. Balboa a defender foi (é) pior do que Rubem Amorim e o Paços de Ferreira não desistindo atingiu o 3-4 em mais um lance de bola parada com a defesa encarnada a não afastar convenientemente a bola de primeira, marcando William aos 85′. Com cnco minutos até aos 90 mas mais cinco minutos de desconto, o Paços ainda tinha tempo par chegar ao 4-4. E na verdade, o Benfica em pânico ia prenunciando isso, restando a Quim redimir-se da falha do segundo golo para garantir nos últimos segundos o primeiro triunfo da euipa de Lisboa na Liga Sagres desta época.

A arbitragem de Bruno Paixão foi complicada, com os jogadores a fazerem muitas faltas, mas nos lances mais polémico ajuizou bem.

No outro jogo de hoje, disputado ainda antes do jogo de Paços de Ferreira, o Vitória de Guimarães foi derrotado em casa pelo Nacional da Madeira por 2-0 (golos de Nenê aos 28′ e de Alonso aos 61 de g.p.) e assim os madeirenses mantém-se no primeiro lugar só com triunfos em igualdade com o Sporting. O jogo ficou também marcado por das expulsões de jogadores do vitória: Sereno (64′) e Gregory (70′) dois centrais da equipa de Guimarães, quando já perdiam por 2-0.

Estádio da Mata Real, em Paços de Ferreira

Árbitro: Bruno Paixão (Setúbal)

PAÇOS DE FERREIRA – Bruno Conceição; Ricardo, Ozéia, Tiago Valente (Rui Miguel, 46 m) e Chico Silva; Filipe Anunciação (Cristiano, 70 m), Paulo Sousa, Pedrinha e William; Edson (Filipe Gonçalves (79 m) e Leandro Tatu.

BENFICA – Quim; Maxi Pereira, Miguel Vítor, Sidnei e Jorge Ribeiro; Carlos Martins, Yebda, Ruben Amorim (Balboa, 77 m) e Reyes (Di Maria, 88 m); Nuno Gomes (Aimar, 68 m) e Cardozo.

Golos: 0-1, Nuno Gomes (6 m); 1-1, Ozéia (13 m); 1-2, Maxi Pereira (31 m); 1-3, Cardozo (44 m); 2-3, Rui Miguel (63 m); 2-4, Jorge Ribeiro (76 m); 3-4, William (85 m).

Disciplina: Cartão amarelo a Maxi Pereira, Tiago Valente, Filipe Anunciação, Nuno Gomes, Rui Miguel, Leandro Tatu e Quim.

 

Paços de Ferreira empata Guimarães Abril 4, 2008

Filed under: football,Futebol,Liga Bwin,Paços de Ferreira,Vitória de Guimarães — looking4good @ 9:30 pm
Paços de Ferreira logo Paços de Ferreira
2-2
Vitória de Guimarães

Com quem ferros mata com ferros morre…

Jogo de inusitada importância face à posição classificativa de ambas as equipas, com o Vitória a lutar pela qualificação directa para a Liga dos Campeões que premeia o segundo lugar e o Paços de Ferreira em penúltimo na classificação a querer granjear pontos que lhe permita ultrapassar pelo menos uma equipa para conseguir a manutenção no escalão maior do futebol português.

Face a estes objectivos ambas as equipas pretendiam a vitória, mas cedo se percebeu diferenças de meios para atingir essa finalidade. O Vitória a usar maior técnica e a jogar com mais segurança organizartiva e porque não dizê-lo maior tranquilidade, o Paços de Ferreira com maior agressividade, mais genica, e a praticar um futebol mais directo.

O Paços de Ferreira dispôs da primeira oportunidade de golo com Wesley isolado a desperdiçar (11′) com o remate a ser defendido por Nilson. Foi assim, com grande contraste na eficácia que o Guimarães se apanhou a ganhar por 1-0 com um remate à entrada da área cruzado de Desmorets (14′) após passe de Alain, com bola ainda a bater no poste mas a entrar na baliza.

Foi pois aos locais que competiu andar atrás do prejuizo e a verdade é que durante a primeira parte os pacenses têm razões de queixa da arbitragem de PedroProença. Primeiro um fora de jogo mal assinalado num lance que daria golo (a bola entrou na baliza ainda que já com o jogo interrompido) e perto do final da primeira parte um penalty não assinalado após excelente jogada individual de Wesley, com Sereno a tocar no pé esquerdo do jogador pacense (e não na bola). Também disciplinarmente se verificou a maior intranquilidade dos pacenses com vários amarelados…

Na segunda parte o Vitória pareceu descansar cedo de mais noa vantagem adquirida com os locais ainda que em esforço a procurarem mais o ataque e esta vontade foi premiada com o empate num excelente cabeceamento de William a finalizar um cuzamento da direita de Edson.

Os minutos que se seguiram pareceram demonstraram que o Guimarães estavam apenas a controlar o jogo e o resultado porque lhe era favorável já que logo após sofrerem o empate voltaram a superiorizarem-se, tiveram uma bola no poste e num livre (discutível saber se foi o defesa que fez oposição ilegal se foi o avançado que bateu no defesa já colocado) directo Desmorets voltou a marcar colocando os visitantes de novo em vantagem.

Parecia que os locais já não tinham força psicológica, operaram-se as substituições da ordem (as do Vitória mais para controlar o tempo, nada de novo trazendo à equipa) e já em tempos de desconto o futebol directo pacense foi coroado com o empate – depois de um toque de cabeça, Wesley rematou de pé esquerdo com a bola a fugir do mio opara o canto superior direito de Nilson sem hipótese para este. O Vitória que ganhara a dois minutos do fim na passada semana com um golo de Roberto desperdiçava, assim, o triunfo em Paços de Ferreira já nos descontos (foram concedidos quatro minutos).

O empate acaba por ser um resultado ajustado. Maior técnica, organização e tranquilidade dos vitorianos, mais nervo, mais físico mas grande força psicológica para o Paços de Ferreira.

Empate que não satisfaz totalmente os interesses de qualquer uma das equipas, mas que também não as desmobiliza pelos objectivos que continuarão a prosseguir.

Estádio: Estádio da Mata Real
Árbitros: Pedro Proença, Aux – José Lima,Tiago Trigo 4º

PAÇOS DE FERREIRA – Peçanha; Mangualde (Furtado 79′), Rovérsio, Kiko e Chico Silva; Edson, Pedrinha (Dédé 64′), Paulo Sousa e Wesley; William e Cristiano (Fábio Paim 79′).

V. GUIMARÃES – Nilson; Andrezinho, Sereno, Geromel e Momha; João Alves e Flávio Meireles; Alan (Moreno 85′), Ghilas (Fajardo 89′) e Desmarets; Mrdakovic (Roberto 65′).

Golos: Desmorets (2) 14′ e 74′; 1-1 William 60′; 2-2 Wesley aos 90’+2′
Disciplina:
31′ Cartão amarelo para Pedrinha (P. Ferreira).
52′ Cartão amarelo para Paulo Sousa (P. Ferreira).
71′ Cartão amarelo para Rovérsio (P. Ferreira).
73′ Cartão amarelo para Kiko (P. Ferreira).
78′ Cartão amarelo para Dedé (P. Ferreira).
84′ Cartão amarelo para Furtado (P. Ferreira).

 

Paços de Ferreira empata Guimarães

Filed under: football,Futebol,Liga Bwin,Paços de Ferreira,Vitória de Guimarães — looking4good @ 9:30 pm
Paços de Ferreira logo Paços de Ferreira
2-2
Vitória de Guimarães

Com quem ferros mata com ferros morre…

Jogo de inusitada importância face à posição classificativa de ambas as equipas, com o Vitória a lutar pela qualificação directa para a Liga dos Campeões que premeia o segundo lugar e o Paços de Ferreira em penúltimo na classificação a querer granjear pontos que lhe permita ultrapassar pelo menos uma equipa para conseguir a manutenção no escalão maior do futebol português.

Face a estes objectivos ambas as equipas pretendiam a vitória, mas cedo se percebeu diferenças de meios para atingir essa finalidade. O Vitória a usar maior técnica e a jogar com mais segurança organizartiva e porque não dizê-lo maior tranquilidade, o Paços de Ferreira com maior agressividade, mais genica, e a praticar um futebol mais directo.

O Paços de Ferreira dispôs da primeira oportunidade de golo com Wesley isolado a desperdiçar (11′) com o remate a ser defendido por Nilson. Foi assim, com grande contraste na eficácia que o Guimarães se apanhou a ganhar por 1-0 com um remate à entrada da área cruzado de Desmorets (14′) após passe de Alain, com bola ainda a bater no poste mas a entrar na baliza.

Foi pois aos locais que competiu andar atrás do prejuizo e a verdade é que durante a primeira parte os pacenses têm razões de queixa da arbitragem de PedroProença. Primeiro um fora de jogo mal assinalado num lance que daria golo (a bola entrou na baliza ainda que já com o jogo interrompido) e perto do final da primeira parte um penalty não assinalado após excelente jogada individual de Wesley, com Sereno a tocar no pé esquerdo do jogador pacense (e não na bola). Também disciplinarmente se verificou a maior intranquilidade dos pacenses com vários amarelados…

Na segunda parte o Vitória pareceu descansar cedo de mais noa vantagem adquirida com os locais ainda que em esforço a procurarem mais o ataque e esta vontade foi premiada com o empate num excelente cabeceamento de William a finalizar um cuzamento da direita de Edson.

Os minutos que se seguiram pareceram demonstraram que o Guimarães estavam apenas a controlar o jogo e o resultado porque lhe era favorável já que logo após sofrerem o empate voltaram a superiorizarem-se, tiveram uma bola no poste e num livre (discutível saber se foi o defesa que fez oposição ilegal se foi o avançado que bateu no defesa já colocado) directo Desmorets voltou a marcar colocando os visitantes de novo em vantagem.

Parecia que os locais já não tinham força psicológica, operaram-se as substituições da ordem (as do Vitória mais para controlar o tempo, nada de novo trazendo à equipa) e já em tempos de desconto o futebol directo pacense foi coroado com o empate – depois de um toque de cabeça, Wesley rematou de pé esquerdo com a bola a fugir do mio opara o canto superior direito de Nilson sem hipótese para este. O Vitória que ganhara a dois minutos do fim na passada semana com um golo de Roberto desperdiçava, assim, o triunfo em Paços de Ferreira já nos descontos (foram concedidos quatro minutos).

O empate acaba por ser um resultado ajustado. Maior técnica, organização e tranquilidade dos vitorianos, mais nervo, mais físico mas grande força psicológica para o Paços de Ferreira.

Empate que não satisfaz totalmente os interesses de qualquer uma das equipas, mas que também não as desmobiliza pelos objectivos que continuarão a prosseguir.

Estádio: Estádio da Mata Real
Árbitros: Pedro Proença, Aux – José Lima,Tiago Trigo 4º

PAÇOS DE FERREIRA – Peçanha; Mangualde (Furtado 79′), Rovérsio, Kiko e Chico Silva; Edson, Pedrinha (Dédé 64′), Paulo Sousa e Wesley; William e Cristiano (Fábio Paim 79′).

V. GUIMARÃES – Nilson; Andrezinho, Sereno, Geromel e Momha; João Alves e Flávio Meireles; Alan (Moreno 85′), Ghilas (Fajardo 89′) e Desmarets; Mrdakovic (Roberto 65′).

Golos: Desmorets (2) 14′ e 74′; 1-1 William 60′; 2-2 Wesley aos 90’+2′
Disciplina:
31′ Cartão amarelo para Pedrinha (P. Ferreira).
52′ Cartão amarelo para Paulo Sousa (P. Ferreira).
71′ Cartão amarelo para Rovérsio (P. Ferreira).
73′ Cartão amarelo para Kiko (P. Ferreira).
78′ Cartão amarelo para Dedé (P. Ferreira).
84′ Cartão amarelo para Furtado (P. Ferreira).

 

Paços de Ferreira empata Guimarães

Filed under: football,Futebol,Liga Bwin,Paços de Ferreira,Vitória de Guimarães — looking4good @ 9:30 pm
Paços de Ferreira logo Paços de Ferreira
2-2
Vitória de Guimarães

Com quem ferros mata com ferros morre…

Jogo de inusitada importância face à posição classificativa de ambas as equipas, com o Vitória a lutar pela qualificação directa para a Liga dos Campeões que premeia o segundo lugar e o Paços de Ferreira em penúltimo na classificação a querer granjear pontos que lhe permita ultrapassar pelo menos uma equipa para conseguir a manutenção no escalão maior do futebol português.

Face a estes objectivos ambas as equipas pretendiam a vitória, mas cedo se percebeu diferenças de meios para atingir essa finalidade. O Vitória a usar maior técnica e a jogar com mais segurança organizartiva e porque não dizê-lo maior tranquilidade, o Paços de Ferreira com maior agressividade, mais genica, e a praticar um futebol mais directo.

O Paços de Ferreira dispôs da primeira oportunidade de golo com Wesley isolado a desperdiçar (11′) com o remate a ser defendido por Nilson. Foi assim, com grande contraste na eficácia que o Guimarães se apanhou a ganhar por 1-0 com um remate à entrada da área cruzado de Desmorets (14′) após passe de Alain, com bola ainda a bater no poste mas a entrar na baliza.

Foi pois aos locais que competiu andar atrás do prejuizo e a verdade é que durante a primeira parte os pacenses têm razões de queixa da arbitragem de PedroProença. Primeiro um fora de jogo mal assinalado num lance que daria golo (a bola entrou na baliza ainda que já com o jogo interrompido) e perto do final da primeira parte um penalty não assinalado após excelente jogada individual de Wesley, com Sereno a tocar no pé esquerdo do jogador pacense (e não na bola). Também disciplinarmente se verificou a maior intranquilidade dos pacenses com vários amarelados…

Na segunda parte o Vitória pareceu descansar cedo de mais noa vantagem adquirida com os locais ainda que em esforço a procurarem mais o ataque e esta vontade foi premiada com o empate num excelente cabeceamento de William a finalizar um cuzamento da direita de Edson.

Os minutos que se seguiram pareceram demonstraram que o Guimarães estavam apenas a controlar o jogo e o resultado porque lhe era favorável já que logo após sofrerem o empate voltaram a superiorizarem-se, tiveram uma bola no poste e num livre (discutível saber se foi o defesa que fez oposição ilegal se foi o avançado que bateu no defesa já colocado) directo Desmorets voltou a marcar colocando os visitantes de novo em vantagem.

Parecia que os locais já não tinham força psicológica, operaram-se as substituições da ordem (as do Vitória mais para controlar o tempo, nada de novo trazendo à equipa) e já em tempos de desconto o futebol directo pacense foi coroado com o empate – depois de um toque de cabeça, Wesley rematou de pé esquerdo com a bola a fugir do mio opara o canto superior direito de Nilson sem hipótese para este. O Vitória que ganhara a dois minutos do fim na passada semana com um golo de Roberto desperdiçava, assim, o triunfo em Paços de Ferreira já nos descontos (foram concedidos quatro minutos).

O empate acaba por ser um resultado ajustado. Maior técnica, organização e tranquilidade dos vitorianos, mais nervo, mais físico mas grande força psicológica para o Paços de Ferreira.

Empate que não satisfaz totalmente os interesses de qualquer uma das equipas, mas que também não as desmobiliza pelos objectivos que continuarão a prosseguir.

Estádio: Estádio da Mata Real
Árbitros: Pedro Proença, Aux – José Lima,Tiago Trigo 4º

PAÇOS DE FERREIRA – Peçanha; Mangualde (Furtado 79′), Rovérsio, Kiko e Chico Silva; Edson, Pedrinha (Dédé 64′), Paulo Sousa e Wesley; William e Cristiano (Fábio Paim 79′).

V. GUIMARÃES – Nilson; Andrezinho, Sereno, Geromel e Momha; João Alves e Flávio Meireles; Alan (Moreno 85′), Ghilas (Fajardo 89′) e Desmarets; Mrdakovic (Roberto 65′).

Golos: Desmorets (2) 14′ e 74′; 1-1 William 60′; 2-2 Wesley aos 90’+2′
Disciplina:
31′ Cartão amarelo para Pedrinha (P. Ferreira).
52′ Cartão amarelo para Paulo Sousa (P. Ferreira).
71′ Cartão amarelo para Rovérsio (P. Ferreira).
73′ Cartão amarelo para Kiko (P. Ferreira).
78′ Cartão amarelo para Dedé (P. Ferreira).
84′ Cartão amarelo para Furtado (P. Ferreira).