Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

PAISAGEM – Francisca Júlia Novembro 1, 2008

Filed under: Francisca Júlia,poesia — looking4good @ 1:30 pm
Ganso africano Foto: Roched Seba daqui

Dorme sob o silêncio o parque. Com descanso,
Aos haustos, aspirando o finíssimo extrato
Que evapora a verdura e que deleita o olfato,
Pelas alas sem fim das árvores avanço.

Ao fundo do pomar, entre as folhas, abstrato
Em cismas, tristemente, um alvíssimo ganso
Escorrega de manso, escorrega de manso
Pelo claro cristal do límpido regato.

Nenhuma ave sequer sobre a macia alfombra
Pousa. Tudo deserto. Aos poucos escurece
A campina, a rechã sob a noturna sombra.

E enquanto o ganso vai, abstrato em cismas, pelas
Selvas adentro entrando, a noite desce, desce…
E espalham-se no céu camândulas de estrelas…

Francisca Júlia da Silva Munster (n. antiga Vila de Xiririca, hoje Eldourado, no vale do Ribeira, São Paulo a 31 de Agosto de 1871 e faleceu em São Paulo a 1 de Novembro de 1920).

Ler da mesma autoria neste blog Inverno

Anúncios
 

PAISAGEM – Francisca Júlia

Filed under: Francisca Júlia,poesia — looking4good @ 1:30 pm
Ganso africano Foto: Roched Seba daqui

Dorme sob o silêncio o parque. Com descanso,
Aos haustos, aspirando o finíssimo extrato
Que evapora a verdura e que deleita o olfato,
Pelas alas sem fim das árvores avanço.

Ao fundo do pomar, entre as folhas, abstrato
Em cismas, tristemente, um alvíssimo ganso
Escorrega de manso, escorrega de manso
Pelo claro cristal do límpido regato.

Nenhuma ave sequer sobre a macia alfombra
Pousa. Tudo deserto. Aos poucos escurece
A campina, a rechã sob a noturna sombra.

E enquanto o ganso vai, abstrato em cismas, pelas
Selvas adentro entrando, a noite desce, desce…
E espalham-se no céu camândulas de estrelas…

Francisca Júlia da Silva Munster (n. antiga Vila de Xiririca, hoje Eldourado, no vale do Ribeira, São Paulo a 31 de Agosto de 1871 e faleceu em São Paulo a 1 de Novembro de 1920).

Ler da mesma autoria neste blog Inverno

 

Inverno – Francisca Júlia Agosto 31, 2008

Filed under: Francisca Júlia,Inverno,poesia — looking4good @ 12:48 am
Winter in het dorp (Winter in the village) by Willem Maris (1844-110)

Outrora, quanta vida e amor nestas formosas
ribas! Quão verde e fresca esta planície, quando,
debatendo-se no ar, os pássaros, em bando,
o ar enchiam de sons e queixas misteriosas!

Tudo era vida e amor. As árvores copiosas
mexiam-se, de manso, ao resfôlego brando
da brisa que passava em tudo derramando
o perfume subtil dos cravos e das rosas…

Mas veio o Inverno; e vida e amor foram-se em breve…
O ar se encheu de rumor e de uivos desolados…
As árvores do campo, enroupadas de neve,

sob o látego atroz da invernia, que corta,
são esqueletos que, de braços levantados,
vão pedindo socorro à primavera morta.

FRANCISCA JÚLIA da Silva Münster nasceu em Xiririca, hoje Eldorado (SP) a 31 de Agosto de 1871 e faleceu em São Paulo a 1 de Novembro de 1920. Professora e poetisa, a sua obra é o mais acabado exemplo de parnasianismo: impassibilidade, desinteresse pelo mundo interior, esmero da linguagem, busca de precisão, rigor da métrica, rimas ricas e raras, procura de achados formais; a sua poesia descritiva, paisagística e naturista, eivada de um certo panteísmo, era objectiva, nítida e fria. Agripino Grieco classificou-a mordazmente como «uma groenlandesa extraviada nos trópicos». Quando casou, em 1909, abandonou praticamente toda a actividade literária, mas crente em doutrinas esotéricas e possuída de um pensamento místico, evoluía para um simbolismo melancólico. Morreu, em circunstâncias pouco claras, no próprio dia em que o marido ia a enterrar. Excessiva dose de narcótico? Voluntária ou acidental?
Soneto e Nota biobliográfica extraídos de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria é a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, 2004.
 

Inverno – Francisca Júlia

Filed under: Francisca Júlia,Inverno,poesia — looking4good @ 12:48 am
Winter in het dorp (Winter in the village) by Willem Maris (1844-110)

Outrora, quanta vida e amor nestas formosas
ribas! Quão verde e fresca esta planície, quando,
debatendo-se no ar, os pássaros, em bando,
o ar enchiam de sons e queixas misteriosas!

Tudo era vida e amor. As árvores copiosas
mexiam-se, de manso, ao resfôlego brando
da brisa que passava em tudo derramando
o perfume subtil dos cravos e das rosas…

Mas veio o Inverno; e vida e amor foram-se em breve…
O ar se encheu de rumor e de uivos desolados…
As árvores do campo, enroupadas de neve,

sob o látego atroz da invernia, que corta,
são esqueletos que, de braços levantados,
vão pedindo socorro à primavera morta.

FRANCISCA JÚLIA da Silva Münster nasceu em Xiririca, hoje Eldorado (SP) a 31 de Agosto de 1871 e faleceu em São Paulo a 1 de Novembro de 1920. Professora e poetisa, a sua obra é o mais acabado exemplo de parnasianismo: impassibilidade, desinteresse pelo mundo interior, esmero da linguagem, busca de precisão, rigor da métrica, rimas ricas e raras, procura de achados formais; a sua poesia descritiva, paisagística e naturista, eivada de um certo panteísmo, era objectiva, nítida e fria. Agripino Grieco classificou-a mordazmente como «uma groenlandesa extraviada nos trópicos». Quando casou, em 1909, abandonou praticamente toda a actividade literária, mas crente em doutrinas esotéricas e possuída de um pensamento místico, evoluía para um simbolismo melancólico. Morreu, em circunstâncias pouco claras, no próprio dia em que o marido ia a enterrar. Excessiva dose de narcótico? Voluntária ou acidental?
Soneto e Nota biobliográfica extraídos de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria é a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, 2004.