Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

O Rebelde – Lúcio de Mendonça Março 10, 2007

Filed under: Lúcio de Mendonça,poesia — looking4good @ 7:40 pm
foto: Oceano
É um lobo do mar: numa espelunca
Mora, à beira do Oceano, em rocha alpestre;
Ira-se a onda e, qual tigre silvestre,
De mortos vegetais a praia junca.

E ele, olhando como um velho mestre
O revoltoso que não dorme nunca,
Recurva o dedo como garra adunca,
Sobre o cachimbo, único amor terrestre,

E então assoma-lhe um sorriso amargo…
É um rebelde também, cérebro largo,
Que odeia os reis e os padres excomunga.

À noite, dorme sem rezar: que importa?
Enorme cão fiel, guarda-lhe a porta
O velho mar soturno que resmunga.

Lúcio Eugênio de Meneses e Vasconcelos Drummond Furtado de Mendonça (n. em Piraí, 10 de março de 1854 — m. Rio de Janeiro a 23 de novembro de 1909)

Anúncios
 

O Rebelde – Lúcio de Mendonça

Filed under: Lúcio de Mendonça,poesia — looking4good @ 7:40 pm
foto: Oceano
É um lobo do mar: numa espelunca
Mora, à beira do Oceano, em rocha alpestre;
Ira-se a onda e, qual tigre silvestre,
De mortos vegetais a praia junca.

E ele, olhando como um velho mestre
O revoltoso que não dorme nunca,
Recurva o dedo como garra adunca,
Sobre o cachimbo, único amor terrestre,

E então assoma-lhe um sorriso amargo…
É um rebelde também, cérebro largo,
Que odeia os reis e os padres excomunga.

À noite, dorme sem rezar: que importa?
Enorme cão fiel, guarda-lhe a porta
O velho mar soturno que resmunga.

Lúcio Eugênio de Meneses e Vasconcelos Drummond Furtado de Mendonça (n. em Piraí, 10 de março de 1854 — m. Rio de Janeiro a 23 de novembro de 1909)

 

O Rebelde – Lúcio de Mendonça

Filed under: Lúcio de Mendonça,poesia — looking4good @ 7:40 pm
foto: Oceano
É um lobo do mar: numa espelunca
Mora, à beira do Oceano, em rocha alpestre;
Ira-se a onda e, qual tigre silvestre,
De mortos vegetais a praia junca.

E ele, olhando como um velho mestre
O revoltoso que não dorme nunca,
Recurva o dedo como garra adunca,
Sobre o cachimbo, único amor terrestre,

E então assoma-lhe um sorriso amargo…
É um rebelde também, cérebro largo,
Que odeia os reis e os padres excomunga.

À noite, dorme sem rezar: que importa?
Enorme cão fiel, guarda-lhe a porta
O velho mar soturno que resmunga.

Lúcio Eugênio de Meneses e Vasconcelos Drummond Furtado de Mendonça (n. em Piraí, 10 de março de 1854 — m. Rio de Janeiro a 23 de novembro de 1909)

 

O Rebelde – Lúcio de Mendonça

Filed under: Lúcio de Mendonça,poesia — looking4good @ 7:40 pm
foto: Oceano
É um lobo do mar: numa espelunca
Mora, à beira do Oceano, em rocha alpestre;
Ira-se a onda e, qual tigre silvestre,
De mortos vegetais a praia junca.

E ele, olhando como um velho mestre
O revoltoso que não dorme nunca,
Recurva o dedo como garra adunca,
Sobre o cachimbo, único amor terrestre,

E então assoma-lhe um sorriso amargo…
É um rebelde também, cérebro largo,
Que odeia os reis e os padres excomunga.

À noite, dorme sem rezar: que importa?
Enorme cão fiel, guarda-lhe a porta
O velho mar soturno que resmunga.

Lúcio Eugênio de Meneses e Vasconcelos Drummond Furtado de Mendonça (n. em Piraí, 10 de março de 1854 — m. Rio de Janeiro a 23 de novembro de 1909)