Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Morrer, dormir, não mais … Francisco Otaviano Junho 28, 2008

Filed under: Francisco Otaviano,poesia — looking4good @ 1:56 pm

Morrer, dormir, não mais: termina a vida
E com ela terminam nossas dores,
Um punhado de terra, algumas flores,
E às vezes uma lágrima fingida!

Sim, minha morte não será sentida,
Não deixo amigos e nem tive amores!
Ou se os tive mostraram-se traidores,
Algozes vis de uma alma consumida.

Tudo é pobre no mundo; que me importa
Que ele amanhã se esb’roe e que desabe,
Se a natureza para mim está morta!

É tempo já que o meu exílio acabe;
Vem, pois, ó morte, ao nada me transporta
Morrer, dormir, talvez sonhar, quem sabe?

Francisco Otaviano de Almeida Rosa (n. no Rio de Janeiro, RJ, em 26 de junho de 1825, e faleceu na mesma cidade em 28 de Maio de 1889)

Anúncios
 

Recordações – Francisco Otaviano Junho 26, 2008

Filed under: Francisco Otaviano,poesia — looking4good @ 12:36 am


Oh! se te amei! Toda a manhã da vida
Gastei-a em sonhos que de ti falavam!
Nas estrelas do céu via teu rosto,
Ouvia-te nas brisas que passavam:
Oh! se te amei! Do fundo de minh’alma
Imenso, eterno amor te consagrei…
Era um viver em cisma de futuro!
Mulher! oh! se te amei!
Quando um sorriso os lábios te roçava,
Meu Deus! que entusiasmo que sentia!
Láurea coroa de virente rama
Inglório bardo, a fronte me cingia;
À estrela alva, às nuvens do Ocidente,
Em meiga voz teu nome confiei.
Estrela e nuvens bem no seio o guardam;
Mulher! oh! se te amei!
Oh! se te amei! As lágrimas vertidas,
Alta noite por ti; atroz tortura
Do desespero d’alma, e além, no tempo,
Uma vida sumir-se na loucura…
Nem aragem, nem sol, nem céu, nem flores,
Nem a sombra das glórias que sonhei…
Tudo desfez-se em sonhos e quimeras…
Mulher! oh! se te amei!

Francisco Otaviano de Almeida Rosa (n. no Rio de Janeiro, RJ, a 26 Jun 1825: m. na mesma cidade em 28 de Junho de 1884)

 

Recordações – Francisco Otaviano

Filed under: Francisco Otaviano,poesia — looking4good @ 12:36 am


Oh! se te amei! Toda a manhã da vida
Gastei-a em sonhos que de ti falavam!
Nas estrelas do céu via teu rosto,
Ouvia-te nas brisas que passavam:
Oh! se te amei! Do fundo de minh’alma
Imenso, eterno amor te consagrei…
Era um viver em cisma de futuro!
Mulher! oh! se te amei!
Quando um sorriso os lábios te roçava,
Meu Deus! que entusiasmo que sentia!
Láurea coroa de virente rama
Inglório bardo, a fronte me cingia;
À estrela alva, às nuvens do Ocidente,
Em meiga voz teu nome confiei.
Estrela e nuvens bem no seio o guardam;
Mulher! oh! se te amei!
Oh! se te amei! As lágrimas vertidas,
Alta noite por ti; atroz tortura
Do desespero d’alma, e além, no tempo,
Uma vida sumir-se na loucura…
Nem aragem, nem sol, nem céu, nem flores,
Nem a sombra das glórias que sonhei…
Tudo desfez-se em sonhos e quimeras…
Mulher! oh! se te amei!

Francisco Otaviano de Almeida Rosa (n. no Rio de Janeiro, RJ, a 26 Jun 1825: m. na mesma cidade em 28 de Junho de 1884)

 

Recordações – Francisco Otaviano

Filed under: Francisco Otaviano,poesia — looking4good @ 12:36 am


Oh! se te amei! Toda a manhã da vida
Gastei-a em sonhos que de ti falavam!
Nas estrelas do céu via teu rosto,
Ouvia-te nas brisas que passavam:
Oh! se te amei! Do fundo de minh’alma
Imenso, eterno amor te consagrei…
Era um viver em cisma de futuro!
Mulher! oh! se te amei!

Quando um sorriso os lábios te roçava,
Meu Deus! que entusiasmo que sentia!
Láurea coroa de virente rama
Inglório bardo, a fronte me cingia;
À estrela alva, às nuvens do Ocidente,
Em meiga voz teu nome confiei.
Estrela e nuvens bem no seio o guardam;
Mulher! oh! se te amei!

Oh! se te amei! As lágrimas vertidas,
Alta noite por ti; atroz tortura
Do desespero d’alma, e além, no tempo,
Uma vida sumir-se na loucura…
Nem aragem, nem sol, nem céu, nem flores,
Nem a sombra das glórias que sonhei…
Tudo desfez-se em sonhos e quimeras…
Mulher! oh! se te amei!

Francisco Otaviano de Almeida Rosa (n. no Rio de Janeiro, RJ, a 26 Jun 1825: m. na mesma cidade em 28 de Junho de 1884)

 

Recordações – Francisco Otaviano

Filed under: Francisco Otaviano,poesia — looking4good @ 12:36 am


Oh! se te amei! Toda a manhã da vida
Gastei-a em sonhos que de ti falavam!
Nas estrelas do céu via teu rosto,
Ouvia-te nas brisas que passavam:
Oh! se te amei! Do fundo de minh’alma
Imenso, eterno amor te consagrei…
Era um viver em cisma de futuro!
Mulher! oh! se te amei!
Quando um sorriso os lábios te roçava,
Meu Deus! que entusiasmo que sentia!
Láurea coroa de virente rama
Inglório bardo, a fronte me cingia;
À estrela alva, às nuvens do Ocidente,
Em meiga voz teu nome confiei.
Estrela e nuvens bem no seio o guardam;
Mulher! oh! se te amei!
Oh! se te amei! As lágrimas vertidas,
Alta noite por ti; atroz tortura
Do desespero d’alma, e além, no tempo,
Uma vida sumir-se na loucura…
Nem aragem, nem sol, nem céu, nem flores,
Nem a sombra das glórias que sonhei…
Tudo desfez-se em sonhos e quimeras…
Mulher! oh! se te amei!

Francisco Otaviano de Almeida Rosa (n. no Rio de Janeiro, RJ, a 26 Jun 1825: m. na mesma cidade em 28 de Junho de 1884)

 

Soneto – Francisco Otaviano Junho 28, 2006

Filed under: Francisco Otaviano,poesia — looking4good @ 5:19 pm

Morrer … dormir… não mais ! Termina a vida
e com ela terminam nossas dores:
um punhado de terra, algumas flores
e, às vezes uma lágrima fingida!

Sim, minha morte não será sentida;
não deixo amigos e nem tive amores!
Ou, se os tive, mostraram-se traidores,
algozes vis de uma alma consumida.

Tudo é podre no mundo. Que me importa
que amanhã se esboroe ou que desabe,
se a natureza para mim é morta!

É tempo já que o meu exílio acabe…
Vem, pois, ó Morte, ao Nada me transporta!
Morrer… dormir… talvez sonhar… quem sabe?

Francisco Otaviano de Almeida Rosa (n. no Rio de Janeiro a 26 de Jun 1825; m. no Rio de Janeiro a 28 Jun 1889)

in A Circulatura do Quadrado : Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria é a Língua Portuguesa, Edições Unicepe, 2004