Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Noite… – Fernando Namora Janeiro 31, 2006

Filed under: Uncategorized — looking4good @ 11:12 pm

Image Hosted by ImageShack.us
foto extraída de vates.blogs.sapo.pt/ arquivo/2004_12.html

Ó noite, coalhada nas formas de um corpo de mulher
vago e belo e voluptuoso
num bailado erótico, com o cenário dos astros, mudos e quedos.

Estrelas que as suas mãos afagam e a boca repele,
deixai que os caminhos da noite,
cegos e rectos como o destino,
suspensos como uma nuvem,
sejam os caminhos dos poetas
que lhes decoraram o nome.
Ó noite, coalhada nas formas de um corpo de mulher!
esconde a vida no seio de uma estrela
e fá-la pairar, assim mágica e irreal,
para que a olhemos como uma lua sonâmbula.

Fernando Gonçalves Namora (n. Condeixa-a-Nova em 15 de Abril 1919; m. em Lisboa a 31 Jan 1989)

Anúncios
 

Intimidade – Fernando Namora

Filed under: Fernando Namora,poesia — looking4good @ 11:05 pm

Que ninguém
hoje me diga nada.
Que ninguém venha abrir a minha mágoa,
esta dor sem nome
que eu desconheço donde vem
e o que me diz.
É mágoa.
Talvez seja um começo de amor.
Talvez, de novo, a dor e a euforia de ter vindo ao mundo.

Pode ser tudo isso, ou nada disso.
Mas não afirmo.
As palavras viriam revelar-me tudo.
E eu prefiro esta angústia de não saber de quê.

Fernando Namora (n. em Condeixa a 15 de Abril de 1919; m.
em Lisboa a 31 Jan. 1989)

 

On this day in History – Jan. 31

Filed under: Uncategorized — looking4good @ 1:01 am
 

A Cantiga do Campo – Gomes Leal Janeiro 30, 2006

Filed under: Gomes Leal,poesia — looking4good @ 4:00 pm

Image Hosted by ImageShack.us

Ceifeira bonita – Severo Portela
óleo sobre tela 1982; retirado daqui

porque andas tu mal comigo
ò minha doce trigueira
quem me dera ser o trigo
que andando pisas na eira

quando entre as mais raparigas
vais cantando entre as searas
eu choro ao ouvir-te as cantigas
que cantas nas manhãs claras

por isso nada me medra
ando curvado e sombrio
quem me dera ser a pedra
em que tu lavas no rio

e falam com tristes vozes
do teu amor singular
aquela casa onde coses
com varanda para o mar

(e) por isso nada me medra
ando curvado e sombrio
quem me dera ser a pedra
em que tu lavas no rio

António Gomes Leal (n. em Lisboa a 6 Jun 1848; m. 29 Jan 1921)

Esta letra foi musicada pelos Madredeus
fazendo parte do álbum Os Dias da Madredeus que pode comprar aqui

 

A Cantiga do Campo – Gomes Leal

Filed under: Gomes Leal,poesia — looking4good @ 4:00 pm

Image Hosted by ImageShack.us

Ceifeira bonita – Severo Portela
óleo sobre tela 1982; retirado daqui

porque andas tu mal comigo
ò minha doce trigueira
quem me dera ser o trigo
que andando pisas na eira

quando entre as mais raparigas
vais cantando entre as searas
eu choro ao ouvir-te as cantigas
que cantas nas manhãs claras

por isso nada me medra
ando curvado e sombrio
quem me dera ser a pedra
em que tu lavas no rio

e falam com tristes vozes
do teu amor singular
aquela casa onde coses
com varanda para o mar

(e) por isso nada me medra
ando curvado e sombrio
quem me dera ser a pedra
em que tu lavas no rio

António Gomes Leal (n. em Lisboa a 6 Jun 1848; m. 30 Jan 1921)

Esta letra foi musicada pelos Madredeus
fazendo parte do álbum Os Dias da Madredeus que pode comprar aqui

 

AS ALDEIAS – Gomes Leal

Filed under: Uncategorized — looking4good @ 1:32 pm

Image Hosted by ImageShack.us
foto proveniente de ultimo reduto

Eu gosto das aldeias sossegadas,
com seu aspecto calmo e pastoril,
erguidas nas colinas azuladas,
mais frescas que as manhãs finas de Abril.

Pelas tardes das eiras, como eu gosto
de sentir a sua vida activa e sã!
Vê-las na luz dolente do sol-posto,
e nas suaves tintas da manhã!…

As crianças do campo, ao amoroso
calor do dia, folgam seminuas,
e exala-se um sabor misterioso
da agreste solidão das suas ruas.

Alegram as paisagens as crianças
mais cheias de murmúrios de que um ninho;
e elevam-nos às coisas simples, mansas,
ao fundo, as brancas velas dum moinho.

Pelas noites de Estio, ouvem-se os ralos
zunirem suas notas sibilantes…
E mistura-se o uivar dos cães distantes
com o cântico metálico dos galos.

in Claridades do Sul
António Gomes Leal (n. in Lisbon 30 Jan 1848 ; 1921)

 

On this day in History – Jan. 30

Filed under: Uncategorized — looking4good @ 7:46 am