Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Adriano Correia de Oliveira desapareceu há 26 anos Outubro 16, 2008

Filed under: António Correia de Oliveira,Musica — looking4good @ 12:47 am
Adriano Correia de Oliveira (Avintes, 9 de Abril de 1942 — Avintes, 16 de Outubro de 1982), foi um músico português e um dos mais importantes intérpretes do fado de Coimbra. Fez parte da geração de compositores e cantores de cariz político, que foram usadas para lutar contra o Estado Novo e que ficou conhecida como música de intervenção (from Wikipedia)

Pergunto ao vento que passa
notícias do meu país
e o vento cala a desgraça
o vento nada me diz.
o vento nada me diz.

La-ra-lai-lai-lai-la, la-ra-lai-lai-lai-la, [Refrão]
La-ra-lai-lai-lai-la, la-ra-lai-lai-lai-la. [Bis]

Pergunto aos rios que levam
tanto sonho à flor das águas
e os rios não me sossegam
levam sonhos deixam mágoas.

Levam sonhos deixam mágoas
ai rios do meu país
minha pátria à flor das águas
para onde vais? Ninguém diz.

[Se o verde trevo desfolhas
pede notícias e diz
ao trevo de quatro folhas
que morro por meu país.

Pergunto à gente que passa
por que vai de olhos no chão.
Silêncio – é tudo o que tem
quem vive na servidão.

Vi florir os verdes ramos
direitos e ao céu voltados.
E a quem gosta de ter amos
vi sempre os ombros curvados.

E o vento não me diz nada
ninguém diz nada de novo.
Vi minha pátria pregada
nos braços em cruz do povo.

Vi minha pátria na margem
dos rios que vão pró mar
como quem ama a viagem
mas tem sempre de ficar.

Vi navios a partir
(minha pátria à flor das águas)
vi minha pátria florir
(verdes folhas verdes mágoas).

Há quem te queira ignorada
e fale pátria em teu nome.
Eu vi-te crucificada
nos braços negros da fome.

E o vento não me diz nada
só o silêncio persiste.
Vi minha pátria parada
à beira de um rio triste.

Ninguém diz nada de novo
se notícias vou pedindo
nas mãos vazias do povo
vi minha pátria florindo.

E a noite cresce por dentro
dos homens do meu país.
Peço notícias ao vento
e o vento nada me diz.

Quatro folhas tem o trevo
liberdade quatro sílabas.
Não sabem ler é verdade
aqueles pra quem eu escrevo.]

Mas há sempre uma candeia
dentro da própria desgraça
há sempre alguém que semeia
canções no vento que passa.

Mesmo na noite mais triste
em tempo de servidão
há sempre alguém que resiste
há sempre alguém que diz não.

Música: António Portugal
Letra: Manuel Alegre
Intérprete: Adriano Correia de Oliveira

I ask of the passing wind
News from my fatherland
The wind silences the tragedy
The wind tells me nothing

But there is always a lantern
Within the very misfortune
There is always someone who sows
Songs in the passing wind

Even in the saddest of nights
In times of servitude
There is someone who resists
There is always someone who says no

Trova do vento que passa

Tejo que levas as águas

Aqui uma das mais belas composições de música portuguesa de sempre
Fala do homem nascido

Aqui interpretando um poema de Manuel da Fonseca ainda ontem aqui lembrado no dia do seu aniversário
Tu e eu meu amor

Aqui não é Adriano que canta mas este vídeo é absolutamente sensacional e imperdível

Este post é uma reedição do colocado há um ano atrás

Anúncios
 

Adriano Correia de Oliveira desapareceu há 26 anos

Filed under: António Correia de Oliveira,Musica — looking4good @ 12:47 am
Adriano Correia de Oliveira (Avintes, 9 de Abril de 1942 — Avintes, 16 de Outubro de 1982), foi um músico português e um dos mais importantes intérpretes do fado de Coimbra. Fez parte da geração de compositores e cantores de cariz político, que foram usadas para lutar contra o Estado Novo e que ficou conhecida como música de intervenção (from Wikipedia)

Pergunto ao vento que passa
notícias do meu país
e o vento cala a desgraça
o vento nada me diz.
o vento nada me diz.

La-ra-lai-lai-lai-la, la-ra-lai-lai-lai-la, [Refrão]
La-ra-lai-lai-lai-la, la-ra-lai-lai-lai-la. [Bis]

Pergunto aos rios que levam
tanto sonho à flor das águas
e os rios não me sossegam
levam sonhos deixam mágoas.

Levam sonhos deixam mágoas
ai rios do meu país
minha pátria à flor das águas
para onde vais? Ninguém diz.

[Se o verde trevo desfolhas
pede notícias e diz
ao trevo de quatro folhas
que morro por meu país.

Pergunto à gente que passa
por que vai de olhos no chão.
Silêncio – é tudo o que tem
quem vive na servidão.

Vi florir os verdes ramos
direitos e ao céu voltados.
E a quem gosta de ter amos
vi sempre os ombros curvados.

E o vento não me diz nada
ninguém diz nada de novo.
Vi minha pátria pregada
nos braços em cruz do povo.

Vi minha pátria na margem
dos rios que vão pró mar
como quem ama a viagem
mas tem sempre de ficar.

Vi navios a partir
(minha pátria à flor das águas)
vi minha pátria florir
(verdes folhas verdes mágoas).

Há quem te queira ignorada
e fale pátria em teu nome.
Eu vi-te crucificada
nos braços negros da fome.

E o vento não me diz nada
só o silêncio persiste.
Vi minha pátria parada
à beira de um rio triste.

Ninguém diz nada de novo
se notícias vou pedindo
nas mãos vazias do povo
vi minha pátria florindo.

E a noite cresce por dentro
dos homens do meu país.
Peço notícias ao vento
e o vento nada me diz.

Quatro folhas tem o trevo
liberdade quatro sílabas.
Não sabem ler é verdade
aqueles pra quem eu escrevo.]

Mas há sempre uma candeia
dentro da própria desgraça
há sempre alguém que semeia
canções no vento que passa.

Mesmo na noite mais triste
em tempo de servidão
há sempre alguém que resiste
há sempre alguém que diz não.

Música: António Portugal
Letra: Manuel Alegre
Intérprete: Adriano Correia de Oliveira

I ask of the passing wind
News from my fatherland
The wind silences the tragedy
The wind tells me nothing

But there is always a lantern
Within the very misfortune
There is always someone who sows
Songs in the passing wind

Even in the saddest of nights
In times of servitude
There is someone who resists
There is always someone who says no

Trova do vento que passa

Tejo que levas as águas

Aqui uma das mais belas composições de música portuguesa de sempre
Fala do homem nascido

Aqui interpretando um poema de Manuel da Fonseca ainda ontem aqui lembrado no dia do seu aniversário
Tu e eu meu amor

Aqui não é Adriano que canta mas este vídeo é absolutamente sensacional e imperdível

Este post é uma reedição do colocado há um ano atrás

 

O Perfume – António Correia de Oliveira Julho 30, 2007

Filed under: António Correia de Oliveira,poesia — looking4good @ 2:51 am

O que sou eu? – O Perfume,
Dizem os homens. – Serei.
Mas o que sou nem eu sei…
Sou uma sombra de lume!

Rasgo a aragem como um gume
De espada: Subi. Voei.
Onde passava, deixei
A essência que me resume.

Liberdade, eu me cativo:
Numa renda, um nada, eu vivo
Vida de Sonho e Verdade!

Passam os dias, e em vão!
– Eu sou a Recordação;
Sou mais, ainda: a Saudade.

António Correia de Oliveira (n. em S. Pedro do Sul a 30 de Jul 1879; m. em Belinho, Esposende a 20 de Fev. 1960)

In Cem Poemas Portugueses do Adeus e da Saudade
Org. de José Fanha e José Jorge Letria, Lisboa, Terramar, 20

Mais Poemas de António Correia de Oliveira

 

António Correia de Oliveira e Mário Quintana dois grandes poetas da língua portuguesa nasceram em 30 de Julho

Filed under: António Correia de Oliveira,Mário Quintana,poesia — looking4good @ 2:35 am
Em 1879, neste dia 30 de Julho, nascia em S. Pedro do Sul o poeta António Correia de Oliveira. A sua poesia quer patriótica quer religiosa é de inspiração popular.

Convictamente monárquico, transforma-se num dos poetas oficiosos do Estado Novo, com inúmeros textos escolhidos para os livros únicos de língua portuguesa do sistema de ensino primário e secundário. Talvez por isso lembro-me ainda de alguns excertos de poemas que constavam da Antologia da Literatura Portuguesa que em tempos de estudante era adoptada para o ensino de Português.

Foi o primeiro Português a ser nomeado para o prémio Nobel e a própria concorrente vencedora, Gabriela Mistral, declarou publicamente, no acto solene, que não merecia o prémio, estando presente o autor do «Verbo Ser e Verbo Amar».

Faleceu em Belinho, Esposende em 20 de Fevereiro de 1960, onde viveu aliás, desde 1912.

Em 30 de Julho de 1906 nasceu Mário de Miranda Quintana em Alegrete, Rio Grande do Sul. Um grande poeta brasileiro que dedicou-se também à tradução nomeadamente de Marcel Proust (Em Busca do Tempo Perdido), Voltaire, Maupassant…

É o poeta das coisas simples. Despreocupado em relação à crítica, faz poesia porque “sente necessidade”, segundo suas próprias palavras. «A sua poesia é caracterizada pelo humanismo, intimismo, coloquialismo, uma diáfana ternura melancólica, subtileza, sugestão e magia».

Faleceu em Porto Alegre a 5 de Maio de 1993

Naturalmente, para além dos pemas destes autores já publicados neste blog, ilustraremos esta efeméride com a divulgação de pelo menos mais um de cada autor.

 

A Despedida – António Correia de Oliveira Julho 30, 2006

Filed under: António Correia de Oliveira,poesia — looking4good @ 2:42 pm

Três modos de despedida
Tem o meu bem para mim:
– «Até logo»; «até à vista»:
Ou «adeus» – É sempre assim.

«Adeus», é lindo, mas triste;
«Adeus» … A Deus entregamos
Nossos destinos: partimos,
Mal sabendo se voltamos.

«Até logo», é já mais doce;
Tem distancia e ausência, é certo;
Mas não é nem ano e dia,
Nem tão-pouco algum deserto.

Vale mais «até à vista»,
Do que «até logo» ou «adeus»;
«À vista», lembra, voltando,
Meus olhos fitos nos teus.

Três modos de despedida
Tem, assim, o meu Amor;
Antes não tivesse tantos!
Nem um só… Fora melhor.

António Correia de Oliveira (n. em S. Pedro do Sul a 30 Jul 1879 m. em Belinho, Esposende a 20 Fev 1960)

 

A Despedida – António Correia de Oliveira

Filed under: António Correia de Oliveira,poesia — looking4good @ 2:42 pm

Três modos de despedida
Tem o meu bem para mim:
– «Até logo»; «até à vista»:
Ou «adeus» – É sempre assim.

«Adeus», é lindo, mas triste;
«Adeus» … A Deus entregamos
Nossos destinos: partimos,
Mal sabendo se voltamos.

«Até logo», é já mais doce;
Tem distancia e ausência, é certo;
Mas não é nem ano e dia,
Nem tão-pouco algum deserto.

Vale mais «até à vista»,
Do que «até logo» ou «adeus»;
«À vista», lembra, voltando,
Meus olhos fitos nos teus.

Três modos de despedida
Tem, assim, o meu Amor;
Antes não tivesse tantos!
Nem um só… Fora melhor.

António Correia de Oliveira (n. em S. Pedro do Sul a 30 Jul 1879 m. em Belinho, Esposende a 20 Fev 1960)

 

A Despedida – António Correia de Oliveira

Filed under: António Correia de Oliveira,poesia — looking4good @ 2:42 pm

Três modos de despedida
Tem o meu bem para mim:
– «Até logo»; «até à vista»:
Ou «adeus» – É sempre assim.

«Adeus», é lindo, mas triste;
«Adeus» … A Deus entregamos
Nossos destinos: partimos,
Mal sabendo se voltamos.

«Até logo», é já mais doce;
Tem distancia e ausência, é certo;
Mas não é nem ano e dia,
Nem tão-pouco algum deserto.

Vale mais «até à vista»,
Do que «até logo» ou «adeus»;
«À vista», lembra, voltando,
Meus olhos fitos nos teus.

Três modos de despedida
Tem, assim, o meu Amor;
Antes não tivesse tantos!
Nem um só… Fora melhor.

António Correia de Oliveira (n. em S. Pedro do Sul a 30 Jul 1879, m. em Belinho, Esposende a 20 Fev 1960)