Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Gaivota – Alexandre O’Neill (no 84º. aniversário do poeta) Dezembro 19, 2008

Filed under: Alexandre O'Neill,Carlos do Carmo,Fado,poesia — looking4good @ 1:13 am
Image Hosted by ImageShack.us
Gaivota

Se uma gaivota viesse
trazer-me o céu de Lisboa
no desenho que fizesse,
nesse céu onde o olhar
é uma asa que não voa,
esmorece e cai no mar.

Que perfeito coração
no meu peito bateria,
meu amor na tua mão,
nessa mão onde cabia
perfeito o meu coração.

Se um português marinheiro,
dos sete mares andarilho,
fosse quem sabe o primeiro
a contar-me o que inventasse,
se um olhar de novo brilho
no meu olhar se enlaçasse.

Que perfeito coração
no meu peito bateria,
meu amor na tua mão,
nessa mão onde cabia
perfeito o meu coração.

Se ao dizer adeus à vida
as aves todas do céu,
me dessem na despedida
o teu olhar derradeiro,
esse olhar que era só teu,
amor que foste o primeiro.

Que perfeito coração
no meu peito morreria,
meu amor na tua mão,
nessa mão onde perfeito
bateu o meu coração.

Alexandre Manuel Vahía de Castro O’Neill (n. em Lisboa a 19 de Dez de 1924; m. em 21 de Agosto de 1986)

Anúncios
 

Alexandre O’Neill faleceu faz hoje vinte e dois anos Agosto 20, 2008

Filed under: Alexandre O'Neill,Amália Rodrigues,Fado,Mariza,Musica,poesia — looking4good @ 11:57 pm

Gaivota – Ler poema aqui

Há palavras que nos beijam – Ler poema aqui

Portugal

Ó Portugal, se fosses só três sílabas,
linda vista para o mar,
Minho verde, Algarve de cal,
jerico rapando o espinhaço da terra,
surdo e miudinho,
moinho a braços com um vento
testarudo, mas embolado e, afinal, amigo,
se fosses só o sal, o sol, o sul,
o ladino pardal,
o manso boi coloquial,
a rechinante sardinha,
a desancada varina,
o plumitivo ladrilhado de lindos adjectivos,
a muda queixa amendoada
duns olhos pestanítidos,
se fosses só a cegarrega do estio, dos estilos,
o ferrugento cão asmático das praias,
o grilo engaiolado, a grila no lábio,
o calendário na parede, o emblema na lapela,
ó Portugal, se fosses só três sílabas
de plástico, que era mais barato!

*

Doceiras de Amarante, barristas de Barcelos,
rendeiras de Viana, toureiros da Golegã,
não há “papo-de-anjo” que seja o meu derriço,
galo que cante a cores na minha prateleira,
alvura arrendada para ó meu devaneio,
bandarilha que possa enfeitar-me o cachaço.
Portugal: questão que eu tenho comigo mesmo,
golpe até ao osso, fome sem entretém,
perdigueiro marrado e sem narizes, sem perdizes,
rocim engraxado,
feira cabisbaixa,
meu remorso,
meu remorso de todos nós…

Alexandre Manuel Vahía de Castro O’Neill (n. em Lisboa a 19 de Dez de 1924; m. em 21 de Agosto de 1986)

Ler do mesmo autor, neste blog, ainda:
A Meu Favor

 

Alexandre O’Neill faleceu faz hoje vinte e dois anos

Filed under: Alexandre O'Neill,Amália Rodrigues,Fado,Mariza,Musica,poesia — looking4good @ 11:57 pm

Gaivota – Ler poema aqui

Há palavras que nos beijam – Ler poema aqui

Portugal

Ó Portugal, se fosses só três sílabas,
linda vista para o mar,
Minho verde, Algarve de cal,
jerico rapando o espinhaço da terra,
surdo e miudinho,
moinho a braços com um vento
testarudo, mas embolado e, afinal, amigo,
se fosses só o sal, o sol, o sul,
o ladino pardal,
o manso boi coloquial,
a rechinante sardinha,
a desancada varina,
o plumitivo ladrilhado de lindos adjectivos,
a muda queixa amendoada
duns olhos pestanítidos,
se fosses só a cegarrega do estio, dos estilos,
o ferrugento cão asmático das praias,
o grilo engaiolado, a grila no lábio,
o calendário na parede, o emblema na lapela,
ó Portugal, se fosses só três sílabas
de plástico, que era mais barato!

*

Doceiras de Amarante, barristas de Barcelos,
rendeiras de Viana, toureiros da Golegã,
não há “papo-de-anjo” que seja o meu derriço,
galo que cante a cores na minha prateleira,
alvura arrendada para ó meu devaneio,
bandarilha que possa enfeitar-me o cachaço.
Portugal: questão que eu tenho comigo mesmo,
golpe até ao osso, fome sem entretém,
perdigueiro marrado e sem narizes, sem perdizes,
rocim engraxado,
feira cabisbaixa,
meu remorso,
meu remorso de todos nós…

Alexandre Manuel Vahía de Castro O’Neill (n. em Lisboa a 19 de Dez de 1924; m. em 21 de Agosto de 1986)

Ler do mesmo autor, neste blog, ainda:
A Meu Favor

 

Alexandre O’Neill faleceu faz hoje vinte e dois anos

Filed under: Alexandre O'Neill,Amália Rodrigues,Fado,Mariza,Musica,poesia — looking4good @ 11:57 pm

Gaivota – Ler poema aqui

Há palavras que nos beijam – Ler poema aqui

Portugal

Ó Portugal, se fosses só três sílabas,
linda vista para o mar,
Minho verde, Algarve de cal,
jerico rapando o espinhaço da terra,
surdo e miudinho,
moinho a braços com um vento
testarudo, mas embolado e, afinal, amigo,
se fosses só o sal, o sol, o sul,
o ladino pardal,
o manso boi coloquial,
a rechinante sardinha,
a desancada varina,
o plumitivo ladrilhado de lindos adjectivos,
a muda queixa amendoada
duns olhos pestanítidos,
se fosses só a cegarrega do estio, dos estilos,
o ferrugento cão asmático das praias,
o grilo engaiolado, a grila no lábio,
o calendário na parede, o emblema na lapela,
ó Portugal, se fosses só três sílabas
de plástico, que era mais barato!

*

Doceiras de Amarante, barristas de Barcelos,
rendeiras de Viana, toureiros da Golegã,
não há “papo-de-anjo” que seja o meu derriço,
galo que cante a cores na minha prateleira,
alvura arrendada para ó meu devaneio,
bandarilha que possa enfeitar-me o cachaço.
Portugal: questão que eu tenho comigo mesmo,
golpe até ao osso, fome sem entretém,
perdigueiro marrado e sem narizes, sem perdizes,
rocim engraxado,
feira cabisbaixa,
meu remorso,
meu remorso de todos nós…

Alexandre Manuel Vahía de Castro O’Neill (n. em Lisboa a 19 de Dez de 1924; m. em 21 de Agosto de 1986)

Ler do mesmo autor, neste blog, ainda:
A Meu Favor

 

Alexandre O’Neill faleceu faz hoje vinte e dois anos

Filed under: Alexandre O'Neill,Amália Rodrigues,Fado,Mariza,Musica,poesia — looking4good @ 11:57 pm

Gaivota – Ler poema aqui

Há palavras que nos beijam – Ler poema aqui

Portugal

Ó Portugal, se fosses só três sílabas,
linda vista para o mar,
Minho verde, Algarve de cal,
jerico rapando o espinhaço da terra,
surdo e miudinho,
moinho a braços com um vento
testarudo, mas embolado e, afinal, amigo,
se fosses só o sal, o sol, o sul,
o ladino pardal,
o manso boi coloquial,
a rechinante sardinha,
a desancada varina,
o plumitivo ladrilhado de lindos adjectivos,
a muda queixa amendoada
duns olhos pestanítidos,
se fosses só a cegarrega do estio, dos estilos,
o ferrugento cão asmático das praias,
o grilo engaiolado, a grila no lábio,
o calendário na parede, o emblema na lapela,
ó Portugal, se fosses só três sílabas
de plástico, que era mais barato!

*

Doceiras de Amarante, barristas de Barcelos,
rendeiras de Viana, toureiros da Golegã,
não há “papo-de-anjo” que seja o meu derriço,
galo que cante a cores na minha prateleira,
alvura arrendada para ó meu devaneio,
bandarilha que possa enfeitar-me o cachaço.
Portugal: questão que eu tenho comigo mesmo,
golpe até ao osso, fome sem entretém,
perdigueiro marrado e sem narizes, sem perdizes,
rocim engraxado,
feira cabisbaixa,
meu remorso,
meu remorso de todos nós…

Alexandre Manuel Vahía de Castro O’Neill (n. em Lisboa a 19 de Dez de 1924; m. em 21 de Agosto de 1986)

Ler do mesmo autor, neste blog, ainda:
A Meu Favor

 

A Meu Favor – Alexandre O’Neill Agosto 21, 2007

Filed under: Alexandre O'Neill,poesia — looking4good @ 12:56 am

A meu favor
Tenho o verde secreto dos teus olhos
Algumas palavras de ódio algumas palavras de amor
O tapete que vai partir para o infinito
Esta noite ou uma noite qualquer

A meu favor
As paredes que insultam devagar
Certo refúgio acima do murmúrio
Que da vida corrente teime em vir
O barco escondido pela folhagem
O jardim onde a aventura recomeça

A meu favor tenho uma rua em transe
Um alto incendio em nome de nós todos

Alexandre Manuel Vahía de Castro O’Neill (n. em Lisboa a 19 de Dez de 1924; m. em 21 de Agosto de 1986),

 

A Meu Favor – Alexandre O’Neill

Filed under: Alexandre O'Neill,poesia — looking4good @ 12:56 am

A meu favor
Tenho o verde secreto dos teus olhos
Algumas palavras de ódio algumas palavras de amor
O tapete que vai partir para o infinito
Esta noite ou uma noite qualquer

A meu favor
As paredes que insultam devagar
Certo refúgio acima do murmúrio
Que da vida corrente teime em vir
O barco escondido pela folhagem
O jardim onde a aventura recomeça

A meu favor tenho uma rua em transe
Um alto incendio em nome de nós todos

Alexandre Manuel Vahía de Castro O’Neill (n. em Lisboa a 19 de Dez de 1924; m. em 21 de Agosto de 1986),