Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Retrato + Pomba Branca de Vasco dee Lima Couto, na passagem do 29º. aniversário do seu desaparecimento Março 10, 2009

Filed under: Musica,poesia,Vasco de Lima Couto — looking4good @ 1:26 am
foto daqui

Fui só eu que estraguei as alvoradas
– presas suaves nos plúmbeos céus!,
e dei água aos ribeiros da minha alma
e fiz preces de amor e sangue, a Deus…

Fui só eu que, sabendo da tormenta
que o vento da nortada me dizia,
puz meus lábios no sonho incompleto
e rasguei o meu corpo na poesia.

Vieram dar-me abraços e contentes
viram que me afundava sem remédio
– nem um grito subia do horizonte
há mil anos deitado sobre o tédio!

Quando chamaram por mim do imenso rio
que a noite veste para se entreter
vi que os barcos andavam cheios de almas
buscando sonhos para não sofrer.

Cantavam doidas como a dor e a morte
parando, a espaços, para ver montanhas
e eram luzes mordidas pelas sombras,
corajosas, infelizes – mas tamanhas!

Eu fugi de as ouvir (que ardentes vozes…)
de navegar nas mesmas ansiedades
e fui sozinho semear as luas
e a natureza inculta das idades.

Parti, negando à vida o seu direito,
recalcando os meus sonhos e os meus medos…

sei agora que matei o meu destino
e quebrei o futuro nos meus dedos.

Pomba branca, pomba branca
Já perdi o teu voar
Daquela terra distante
Toda coberta pelo mar.

Fui criança e andei descalço
Porque a terra me aquecia
E eram longos os meus olhos
Quando a noite adormecia.

Vinham barcos dos países
E eu sorria de os sonhar
Traziam roupas felizes
As crianças dos países
Nesses barcos a chegar.

Pomba branca, pomba branca
Já perdi o teu voar
Daquela terra distante
Toda coberta pelo mar.

Depois mais tarde ao perder-me
Por ruas de outras cidades
Cantei meu amor ao vento
Porque sentia saudades
Saudades do meu lugar
Do primeiro amor da vida
Desse instante a aproximar
Dos campos, do meu lugar
À chegada e à partida

Vasco de Lima Couto (nasceu no Porto em 26 de Novembro de 1923 – morreu em Lisboa a 10 de Março de 1980)

Anúncios
 

Retrato + Pomba Branca de Vasco dee Lima Couto, na passagem do 29º. aniversário do seu desaparecimento

Filed under: Musica,poesia,Vasco de Lima Couto — looking4good @ 1:26 am
foto daqui

Fui só eu que estraguei as alvoradas
– presas suaves nos plúmbeos céus!,
e dei água aos ribeiros da minha alma
e fiz preces de amor e sangue, a Deus…

Fui só eu que, sabendo da tormenta
que o vento da nortada me dizia,
puz meus lábios no sonho incompleto
e rasguei o meu corpo na poesia.

Vieram dar-me abraços e contentes
viram que me afundava sem remédio
– nem um grito subia do horizonte
há mil anos deitado sobre o tédio!

Quando chamaram por mim do imenso rio
que a noite veste para se entreter
vi que os barcos andavam cheios de almas
buscando sonhos para não sofrer.

Cantavam doidas como a dor e a morte
parando, a espaços, para ver montanhas
e eram luzes mordidas pelas sombras,
corajosas, infelizes – mas tamanhas!

Eu fugi de as ouvir (que ardentes vozes…)
de navegar nas mesmas ansiedades
e fui sozinho semear as luas
e a natureza inculta das idades.

Parti, negando à vida o seu direito,
recalcando os meus sonhos e os meus medos…

sei agora que matei o meu destino
e quebrei o futuro nos meus dedos.

Pomba branca, pomba branca
Já perdi o teu voar
Daquela terra distante
Toda coberta pelo mar.

Fui criança e andei descalço
Porque a terra me aquecia
E eram longos os meus olhos
Quando a noite adormecia.

Vinham barcos dos países
E eu sorria de os sonhar
Traziam roupas felizes
As crianças dos países
Nesses barcos a chegar.

Pomba branca, pomba branca
Já perdi o teu voar
Daquela terra distante
Toda coberta pelo mar.

Depois mais tarde ao perder-me
Por ruas de outras cidades
Cantei meu amor ao vento
Porque sentia saudades
Saudades do meu lugar
Do primeiro amor da vida
Desse instante a aproximar
Dos campos, do meu lugar
À chegada e à partida

Vasco de Lima Couto (nasceu no Porto em 26 de Novembro de 1923 – morreu em Lisboa a 10 de Março de 1980)

 

Pomba branca – Vasco de Lima Couto Março 10, 2007

Filed under: poesia,pomba branca,Vasco de Lima Couto — looking4good @ 7:54 pm

No aniversário da morte do poeta

Pomba Branca

Pomba branca pomba branca
Já perdi o teu voar
Naquela terra distante
Toda coberta pelo mar
Pomba branca pomba branca
Já perdi o teu voar
Naquela terra distante
Toda coberta pelo mar
Fui criança e andei descalço
Porque a terra me aquecia
E eram longos os meus olhos
Quando a noite adormecia
Vinham barcos dos países
Eu sorria vê-los sonhar
Traziam roupas felizes
As crianças dos países
Nesses barcos a chegar
Pomba branca pomba branca

Depois mais tarde ao perder-te
Por ruas de outras cidades
Cantei meu amor ao vento
Porque sentia saudades
Saudades do meu lugar
Do primeiro amor da vida
Desse instante aproximar
Os campos do meu lugar
À chegada e à partida
Pomba branca pomba branca.

Vasco de Lima Couto (n. no Porto a 26 de Novembro de 1923, m. em Lisboa no dia 10 de Março de 1980).

 

Pomba branca – Vasco de Lima Couto

Filed under: poesia,pomba branca,Vasco de Lima Couto — looking4good @ 7:54 pm

No aniversário da morte do poeta

Pomba Branca

Pomba branca pomba branca
Já perdi o teu voar
Naquela terra distante
Toda coberta pelo mar
Pomba branca pomba branca
Já perdi o teu voar
Naquela terra distante
Toda coberta pelo mar
Fui criança e andei descalço
Porque a terra me aquecia
E eram longos os meus olhos
Quando a noite adormecia
Vinham barcos dos países
Eu sorria vê-los sonhar
Traziam roupas felizes
As crianças dos países
Nesses barcos a chegar
Pomba branca pomba branca

Depois mais tarde ao perder-te
Por ruas de outras cidades
Cantei meu amor ao vento
Porque sentia saudades
Saudades do meu lugar
Do primeiro amor da vida
Desse instante aproximar
Os campos do meu lugar
À chegada e à partida
Pomba branca pomba branca.

Vasco de Lima Couto (n. no Porto a 26 de Novembro de 1923, m. em Lisboa no dia 10 de Março de 1980).

 

Pomba branca – Vasco de Lima Couto

Filed under: poesia,pomba branca,Vasco de Lima Couto — looking4good @ 7:54 pm

No aniversário da morte do poeta

Pomba Branca

Pomba branca pomba branca
Já perdi o teu voar
Naquela terra distante
Toda coberta pelo mar
Pomba branca pomba branca
Já perdi o teu voar
Naquela terra distante
Toda coberta pelo mar
Fui criança e andei descalço
Porque a terra me aquecia
E eram longos os meus olhos
Quando a noite adormecia
Vinham barcos dos países
Eu sorria vê-los sonhar
Traziam roupas felizes
As crianças dos países
Nesses barcos a chegar
Pomba branca pomba branca

Depois mais tarde ao perder-te
Por ruas de outras cidades
Cantei meu amor ao vento
Porque sentia saudades
Saudades do meu lugar
Do primeiro amor da vida
Desse instante aproximar
Os campos do meu lugar
À chegada e à partida
Pomba branca pomba branca.

Vasco de Lima Couto (n. no Porto a 26 de Novembro de 1923, m. em Lisboa no dia 10 de Março de 1980).

 

Pomba branca – Vasco de Lima Couto

Filed under: poesia,pomba branca,Vasco de Lima Couto — looking4good @ 7:54 pm

No aniversário da morte do poeta

Pomba Branca

Pomba branca pomba branca
Já perdi o teu voar
Naquela terra distante
Toda coberta pelo mar
Pomba branca pomba branca
Já perdi o teu voar
Naquela terra distante
Toda coberta pelo mar
Fui criança e andei descalço
Porque a terra me aquecia
E eram longos os meus olhos
Quando a noite adormecia
Vinham barcos dos países
Eu sorria vê-los sonhar
Traziam roupas felizes
As crianças dos países
Nesses barcos a chegar
Pomba branca pomba branca

Depois mais tarde ao perder-te
Por ruas de outras cidades
Cantei meu amor ao vento
Porque sentia saudades
Saudades do meu lugar
Do primeiro amor da vida
Desse instante aproximar
Os campos do meu lugar
À chegada e à partida
Pomba branca pomba branca.

Vasco de Lima Couto (n. no Porto a 26 de Novembro de 1923, m. em Lisboa no dia 10 de Março de 1980).