Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Brasil – Portugal ou Dunga – Queirós ? Novembro 17, 2008

Brasil

Portugal

Um jogo entre o 5º. classificado do ranking mundial, Brasil, e o 10º, Portugal, tem de ser, naturalmente, um jogo de grande importância ainda que não pertença a nenhuma prova oficial. É por isso que o Brasil-Portugal de 4ª. feira vai ser acompanhado com grande expectativa pelos adeptos de ambos os países, situação ainda amplificada pelos jogadores do «escrete» que já passaram pelo futebol português (Luisão, Anderson) e pelos «portugueses» de origem brasileira a defender as cores lusas (Pepe e Deco).

Mas de tanta importância é para os adeptos como para os treinadores Dunga e Queiroz cuja performance à frente das suas selecções não tem sido feliz e por motivos bem fundamentados têm sido objecto de crítica. O Brasil ainda assim tem a qualificação para o Mundial da África do Sul, ao dispôr enquanto Portugal, pelo contrário, de modo imprevisto há pouco tempo tem uma tarefa árdua pela frente depois de impensáveis resultados em casa: derrota frente à Dinamarca e empate frente à Albânia. Os treinadores aparecem já na defensiva dizendo que se trata de um jogo particular e que importantes são os próximos jogos oficiais de apuramento para o Mundial. A verdade é que não acredito muito que os treinadores no seu íntimo pensem assim…

Por mim aposto no empate…

 

Brasil – Portugal ou Dunga – Queirós ?

Brasil

Portugal

Um jogo entre o 5º. classificado do ranking mundial, Brasil, e o 10º, Portugal, tem de ser, naturalmente, um jogo de grande importância ainda que não pertença a nenhuma prova oficial. É por isso que o Brasil-Portugal de 4ª. feira vai ser acompanhado com grande expectativa pelos adeptos de ambos os países, situação ainda amplificada pelos jogadores do «escrete» que já passaram pelo futebol português (Luisão, Anderson) e pelos «portugueses» de origem brasileira a defender as cores lusas (Pepe e Deco).

Mas de tanta importância é para os adeptos como para os treinadores Dunga e Queiroz cuja performance à frente das suas selecções não tem sido feliz e por motivos bem fundamentados têm sido objecto de crítica. O Brasil ainda assim tem a qualificação para o Mundial da África do Sul, ao dispôr enquanto Portugal, pelo contrário, de modo imprevisto há pouco tempo tem uma tarefa árdua pela frente depois de impensáveis resultados em casa: derrota frente à Dinamarca e empate frente à Albânia. Os treinadores aparecem já na defensiva dizendo que se trata de um jogo particular e que importantes são os próximos jogos oficiais de apuramento para o Mundial. A verdade é que não acredito muito que os treinadores no seu íntimo pensem assim…

Por mim aposto no empate…

 

Porque o Fim de Um Caminho … – José Bento

Filed under: José Bento,poesia — looking4good @ 12:42 am
Caminho de Outono imagem daqui

Porque o fim de um caminho sempre me entregou
o limiar de outro caminho,
o verde de um campo ou de um corpo adolescente,
espero que regresse à minha voz
a luz que no primeiro dia a fecundou
e a terra que é o contorno dessa luz.

Porque espero ver crescer minhas mãos dessa terra
e de minhas mãos a água necessária à minha sede,
ergo de mim a noite residual do que vivi
e canto,
canto provocando a madrugada.

Porque outros entoarão meu requiem e outros cerrarão
minha pálpebras para defender meus olhos de suas lágrimas,
deixo essa glória aos outros
– e exalto o meu nascimento
e cada dia em que renasço e procuro
a boca ou o fruto onde se reflitam os meus lábios.

Porque, harmonizando-se no sangue o fogo e a água,
eu sou o fogo e a água:
por mim os cadáveres e quanto é feito de matéria dos cadáveres
libertar-se-ão em chamas, serão claridade
e chegarão a pão pela dádiva das cinzas,
a última dádiva, a total.

Poema extraído de «Rosa do Mundo, 2001 Poemas para o Futuro, Assírio & Alvim»

JOSÉ BENTO de Almeida e Silva nasceu no concelho de Estarreja (distrito de Aveiro) a 17 de Novembro de 1932. É formado em Contabilidade pelo Instituto Comercial de Lisboa e estreou-se como poeta na revista literária «Árvore», em 1953, mas só em 1992 reuniu quase toda a sua obra poética no volume «Silabário». Atingiu notável prestígio como tradutor de poesia castelhana, actividade em que cumpre destacar a publicação de três colectâneas monumentais: «Antologia da Poesia Espanhola do Siglo de Oro» (2 vols), «Antologia da Poesia Espanhola das Origens ao Séc. XIX» (2001) e «Antologia da Poesia Espanhola Contemporânea» (1985), tendo sido premiado e condecorado tanto em Portugal como em Espanha.

Soneto e nota biobibliográfica extraídos de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria é a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, 2004.

 

Porque o Fim de Um Caminho … – José Bento

Filed under: José Bento,poesia — looking4good @ 12:42 am
Caminho de Outono imagem daqui

Porque o fim de um caminho sempre me entregou
o limiar de outro caminho,
o verde de um campo ou de um corpo adolescente,
espero que regresse à minha voz
a luz que no primeiro dia a fecundou
e a terra que é o contorno dessa luz.

Porque espero ver crescer minhas mãos dessa terra
e de minhas mãos a água necessária à minha sede,
ergo de mim a noite residual do que vivi
e canto,
canto provocando a madrugada.

Porque outros entoarão meu requiem e outros cerrarão
minha pálpebras para defender meus olhos de suas lágrimas,
deixo essa glória aos outros
– e exalto o meu nascimento
e cada dia em que renasço e procuro
a boca ou o fruto onde se reflitam os meus lábios.

Porque, harmonizando-se no sangue o fogo e a água,
eu sou o fogo e a água:
por mim os cadáveres e quanto é feito de matéria dos cadáveres
libertar-se-ão em chamas, serão claridade
e chegarão a pão pela dádiva das cinzas,
a última dádiva, a total.

Poema extraído de «Rosa do Mundo, 2001 Poemas para o Futuro, Assírio & Alvim»

JOSÉ BENTO de Almeida e Silva nasceu no concelho de Estarreja (distrito de Aveiro) a 17 de Novembro de 1932. É formado em Contabilidade pelo Instituto Comercial de Lisboa e estreou-se como poeta na revista literária «Árvore», em 1953, mas só em 1992 reuniu quase toda a sua obra poética no volume «Silabário». Atingiu notável prestígio como tradutor de poesia castelhana, actividade em que cumpre destacar a publicação de três colectâneas monumentais: «Antologia da Poesia Espanhola do Siglo de Oro» (2 vols), «Antologia da Poesia Espanhola das Origens ao Séc. XIX» (2001) e «Antologia da Poesia Espanhola Contemporânea» (1985), tendo sido premiado e condecorado tanto em Portugal como em Espanha.

Soneto e nota biobibliográfica extraídos de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria é a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, 2004.

 

On this day in History – Nov. 17

Filed under: efemerides,This Day in History — looking4good @ 12:40 am
 

On this day in History – Nov. 17

Filed under: efemerides,This Day in History — looking4good @ 12:40 am
 

On this day in History – Nov. 17

Filed under: efemerides,This Day in History — looking4good @ 12:40 am