Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Musical suggestions of the day: Tony de Matos, Eros Ramazzotti and Ben Harper, Outubro 28, 2008

Filed under: Music,Musica — looking4good @ 10:56 am

Tony de Matos [António Maria de Matos] born in Porto on 28 Oct. 1924* (d. 8 June 1989, Lisbon)

Eros Luciano Walter Ramazzotti born on October 28, 1963 in Cinecittà, Rome, Italy

Benjamin Chase “Ben” Harper born on October 28, 1969 in Claremont, California,USA

* Some sources say 28 Sep. 1924

 

Mulher – Ruy de Noronha

Filed under: poesia,Rui de Noronha,Ruy de Noronha,Unicepe — looking4good @ 2:07 am

Chamam-te linda, chamam-te formosa,
Chamam-te bela, chamam-te gentil…
A rosa é linda, é bela, é graciosa,
Porém a tua graça é mais subtil.

A onda que na praia, sinuosa,
A areia enfeita com encantos mil,
Não tem a graça, a curva luminosa
Das linhas do teu corpo, amor e ardil.

Chamam-te linda, encantadora ou bela;
Da tua graça é pálida aguarela
Todo o nome que o mundo à graça der.

Pergunto a Deus o nome que hei-de dar-te,
E Deus responde em mim, por toda parte:
Não chames bela – Chama-lhe Mulher!

António Ruy de Noronha nasceu na Ilha de Moçambique a 28 de Outubro de 1909 e morreu em Lourenço Marques a 25 de Dezembro de 1943. Mestiço, de pai indiano, de origem brâmane, e de mãe negra, foi funcionário público (Serviço de Portos e Caminho de Ferro) e jornalista. Usou, por vezes, o pseudónimo de Carranquinha de Aguilar. Os seus «Sonetos» (ed. póstuma, 1943) revelam influência de Antero, Feijó e Nobre, mas o seu poema mais célebre intitula-se «Quenguêlêquê!…». Os seus contos e críticas literárias não foram até hoje recolhidos em volume. Uma desilusão amorosa, causada pelo preconceito racial, fez, segundo os seus amigos, com que o escritor se deixasse morrer no hospital da capital de Moçambique, com 34 anos.

Nota biobliográfica extraída de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria é a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, 2004.

Ler do mesmo autor neste blog: Por Amar-te Tanto

 

Eu – Américo Durão

Filed under: Américo Durão,poesia — looking4good @ 1:42 am

O vago em Mim concebo e realizo,
Vivo no que há-de ser!
A minha vida é feita de impreciso,
E tenho-me esquecido de a viver!

Eu não tenho passado nem futuro.
Sei lá se vivo ou não!
Sou um sonho de Deus, uma visão.
Abraçando na vida um sonho escuro…

Sou o Passado em sombras, e o Futuro em brumas.
Não sou porque não sou, e mais não sei dizer!
– Alegrias são leves como espumas,
Mágoas são vidas no Inferno a arder!

Eu sou, Jesus, o eco do teu medo:
Por isso eu amo as coisas de que tremo…
Se existo, a minha vida é um degredo!
Por minhas mãos de escravo é que me algemo…

Mas não existo…
– Sonho errante de Alguém que muito amou,
Sou a sombra nostálgica de Cristo,
Sou tudo o que há-de vir, e já passou!

“Quem vive?”, pergunto eu.
Meus olhos olham a esmo.
Ando a buscar-me no Céu!
– Sou o Sonho de Mim – Mesmo!

Américo de Oliveira Durão (n. em Couço, Coruche a 28 Out 1894; m. em Lisboa a 7 Mar 1969).

Ler mais poemas de Américo Durão neste blog: Sempre Noiva, Soneto

 

On this day in History – Oct. 28

Filed under: efemerides,This Day in History — looking4good @ 1:39 am