Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

O Benfica é o «maior» Setembro 8, 2008

Filed under: Benfica,Futebol — looking4good @ 6:32 am
A acrescentar ao caso das medalhas olímpicas em que o Benfica teve mais medalhas do que Portugal todo, os jogadores do Benfica este fim de semana espalharam-se para representarem os seus países em jogos de futebol a contarem para a qualificação para o Campeonato do Mundo da África do Sul.

Servindo-me do contributo de «Talking to the Doll» verifica-se que o Benfica neste fim de semana teve dez jogadores envolvidos em compromissos de selecções: Portugal 3 (Quim, Carlos Martins e Nuno Gomes – vitória por 4-0 a Malta), Grécia 1 (Katsouranis vitória por 3-0 ao Luxemburgo), Brasil 1 (Luisão – vitória frente ao Chile 3-0), Uruguai 1 (Maxi Pereira, vitória por 1-0 frente à Colombia), todos jogando fora e ainda Argentina 1 (Di Maria), Paraguai 1 (Cardozo), que empataram entre si, Honduras 1 (Suazo que ganhou fora ao Canadá 2-1) e Camarões 1 (Binya, que ganhou fora 2-1 a Cabo Verde).

Ou seja, dez participações com oito vitoriosos e dois a empatarem (também não podiam ganhar os dois porque jogavam um contra o outro!) e zero derrotados.

É caso para dizer, porque é que no Benfica não ganham?
 

À sombra deste cedro venerando… – Natividade Saldanha

Filed under: Natividade Saldanha,poesia — looking4good @ 12:02 am
Cedro-do-mato – Juniperus brevifolia imagem daqui

À sombra deste cedro venerando,
momentos mil gozaste encantadores…
Aqui mesmo, sentado entre os verdores,
te achou mil vezes Pedro suspirando…

Parece-me que estou ‘inda escutando
teus suspiros, teus ais e teus clamores…
Parece-me que a Fonte dos Amores
‘inda está de queixosa murmurando!…

Aqui viveu Inês!…E, reclinada
à borda desta fonte clara e pura,
foi – que horrível memória! – traspassada!

Mortais, gemei de mágoa e de ternura;
nesta rara beleza, não manchada,
foi culpa amor, foi crime a formosura…

José da NATIVIDADE SALDANHA nasceu em Santo Amaro do Jaboatão (PE) a 8 de Setembro de 1795 e morreu exilado em Bogotá, capital da Colômbia, em 30 de Março de 1830. Mestiço, era filho de padre e de mãe mulata. Formado em Direito (1823) pela universidade de Coimbra. Ainda estudante, publicou «Poesias dedicadas aos amigos e amantes do Brasil» (1822). Em 1824, condenado à morte por envolvimento na revolução pernambucana da Confederação do Equador, fugiu para os Estados Unidos da América do Norte e daí para França, Inglaterra, Venezuela e Colômbia, onde viveu precariamente de aulas particulares até se afogar numa vala, num dia de tempestade. Entretanto, publicara um «Discurso sobre a Tolerância» (Caracas, 1826). Mais do que um pre-romântico, foi um epígono retardatário do Arcadismo.

Soneto e Nota biobliográfica extraídos de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria é a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, 2004.

Ler do mesmo autor:
Soneto: Os teus olhos gentis encantadores…

 

À sombra deste cedro venerando… – Natividade Saldanha

Filed under: Natividade Saldanha,poesia — looking4good @ 12:02 am
Cedro-do-mato – Juniperus brevifolia imagem daqui

À sombra deste cedro venerando,
momentos mil gozaste encantadores…
Aqui mesmo, sentado entre os verdores,
te achou mil vezes Pedro suspirando…

Parece-me que estou ‘inda escutando
teus suspiros, teus ais e teus clamores…
Parece-me que a Fonte dos Amores
‘inda está de queixosa murmurando!…

Aqui viveu Inês!…E, reclinada
à borda desta fonte clara e pura,
foi – que horrível memória! – traspassada!

Mortais, gemei de mágoa e de ternura;
nesta rara beleza, não manchada,
foi culpa amor, foi crime a formosura…

José da NATIVIDADE SALDANHA nasceu em Santo Amaro do Jaboatão (PE) a 8 de Setembro de 1795 e morreu exilado em Bogotá, capital da Colômbia, em 30 de Março de 1830. Mestiço, era filho de padre e de mãe mulata. Formado em Direito (1823) pela universidade de Coimbra. Ainda estudante, publicou «Poesias dedicadas aos amigos e amantes do Brasil» (1822). Em 1824, condenado à morte por envolvimento na revolução pernambucana da Confederação do Equador, fugiu para os Estados Unidos da América do Norte e daí para França, Inglaterra, Venezuela e Colômbia, onde viveu precariamente de aulas particulares até se afogar numa vala, num dia de tempestade. Entretanto, publicara um «Discurso sobre a Tolerância» (Caracas, 1826). Mais do que um pre-romântico, foi um epígono retardatário do Arcadismo.

Soneto e Nota biobliográfica extraídos de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria é a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, 2004.

Ler do mesmo autor:
Soneto: Os teus olhos gentis encantadores…