Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

1ª. Jornada da Liga Sagres Agosto 24, 2008

Filed under: Futebol,Liga Sagres — looking4good @ 2:53 pm
Primeira Jornada
22 Ago 20:30 Vit. Guimarães 1-1 Vit. de Setúbal
23 Ago 18:15 Paços de Ferreira 0-2 Sp. de Braga
23 Ago 2045 Sporting 3-1 Trofense
24 Ago 16:00 Estrela da Amadora 1-0 Académica
24 Ago 17:00 Naval 1º. de Maio 1-0 Marítimo
24 Ago 17:00 Leixões 1-3 Nacional
24 Ago 19:15 FC Porto 2-0 Belenenses
24 Ago 21:15 Rio Ave 1-1 Benfica

Comentários:

As férias do futebol depois do Euro 2008 foram amenizadas com a competição (menor) dos Jogos Olímpicos e com as jogadas na seretaria dignas de medalha de ouro nas olimpíadas tal a ginástica e contorcionismo demonstrados (escândalos do apito dourado, participação do Porto na Champions, Conselho Superior de Justiça, participação do Boavista na Liga Vitalis e ainda o «pin-pong » relacionado com o caso Gondomar). Os adeptos, ainda cheio de esperança, vêm, porém combons olhos este regresso aos relvados.

Na sexta feira os Vitórias defrontaram-se em Guimarães mas sairam empatados. Mais contentes os sadinos que regressaram a Setúbal comum pontinho quase caído do céu, porque foram os da casa qe dominaram o jog e que mais fizeram por ganhar. Na próxima 4ª. feira os de Guimarães jogam a cartada decisiva na pré-eliminatória da Champions em Basileia e tem de se reconhecer que o resultado mais normal será a eliminação da equipa portuguesa. Que me venha a enganar é o meu desejo.

Já depois do (europeu) Braga ir ganhar categoricamente a Paços de Ferreira (que se salvou da descida devido ao castigo aplicado ao Boavista) por 2-0 (golos de Meyong e de Paulo César), o Sporting, já com o triunfo na Supertaça na bagagem, recebeu e bateu com tranquilidade o Trofense por 3-1. Depois de 3-0 ao intervalo (golos de Tonel, Izmailov e Yannick) que fazia pressentir uma goleada o treinador visitante fez os ajustamentos necessários na defesa do Trofense e os neófitos primodivisionários vieram mesmo a reduzir a diferença através de um penalty inexistente numa falta cometida fora da área por Polga que foi (bem) expulso.

Hoje à tarde os visitados Estrela da Amadora e Naval 1º de Maio amealharam os saborosos três pontos fazendo prevalecer o factor casa frente a Académica e Marítimo vencendo por 1-0. O Leixões (candidato à cauda da classificação) não conseguiu o mesmo e foi batido pelo Nacional da Madeira por 1-3.

Nos jogos da noite o Porto defrontou um Belenenses com treinador novo (Casimiro Mior) e uma equipa em construção, com muitos jogadores novos, e cedo colocou-se em vantagem num golo feliz de Mariano, num ressalto de um alívio dum defesa belenense. Este golo deu a tranquilidade necessária aos «dragões» que não fazendo um grande jogo, não tiveram grandes problemas em vencê-lo. Quando O Belenenses arriscava um pouco mais, ficou reduzido a dez jogadores, e aí Hulk fez o 2-0, num remate de fora da área que abre o apetite para o futuro sobre a capacidade deste jogador.

O Benfica é que em Vila do Conde não soube fazer o mesmo colocando-se em vantagem cedo e diminuindo as ambições vilacondenses apesar de Yebda ter enviado a bola à barra na sequência de um pontapé de canto. Cedo ficou sim o Benfica sem Carlos Martins, por lesão (substituído por Fellipe Bastos). Na segunda parte (56′) foi o Rio Ave que se adiantou no marcador por Semedo, que na sequência de dois pontapés de canto, aproveitou defesa incompleta mas de recurso de Quim para estrear o marcador. No minuto seguinte Nuno Gomes empatou de cabeça, aproveitando o desfazer deficiente do guarda-redes de um centro da direita, mas o Benfica, demonstrando ser dos três grandes o que tem uma preparação menor, não soube ganhar o jogo (Pablo Aimar falhou o 1-2 no minuto 90′). Aliás, também em organização parece estar atrás dos rivais, porque não se entende que um jogador que já fez vários jogos de preparação (Reyes) não pudesse jogar por não estar (ainda) devidamente inscrito.

Para a semana há dois jogos de grande interesse. O Benfica recebe o Porto e está claro que não pode perder (ficaria a cinco pontos), enquanto o Sporting vai a Braga, clube que pode muito bem ocupar a posição que o Guimarães teve na época passada. Entretanto, há também já um duelo de menores Trofense-Leixões, numa jornada, que como vem sendo hábito se vai realizar em prestações.

Segunda Jornada
29 Ago 20:30 Belenenses Paços de Ferreira
30 Ago 20:45 Benfica FC Porto
31 Ago 16:00 Nacional Naval 1º. de Maio
31 Ago 16:00 Académica Rio Ave
31 Ago 16:00 Trofense Leixões
31 Ago 18:00 Vitória de Setúbal Estrela da Amadora
01 Set 19:15 Marítimo Vitória de Guimarães
01 Set 21:15 Sp. de Braga Sporting
 

A Tua Amada – Marta Mesquita da Câmara

Filed under: Marta Mesquita da Câmara,poesia — looking4good @ 1:52 am
foto daqui


Ninguém ma descreveu, mas era ela…
Passou por mim, airosa como a flor;
beleza que valesse o teu amor,
devia ser precisamente aquela…

E segredou-me a voz interior:
«Repara atentamente como é bela!
Não te parece a graça duma estrela,
tomando movimento, forma e cor?»

− Que julgas se passou na minha ideia?
Desgosto enorme de sentir-me feia
ou mágoa de a não ver feia também?

Se a inveja é predicado de mulher,
naquela ocasião deixei de o ser
e, só por teu amor, eu quis-lhe bem!…

MARTA MESQUITA DA CÂMARA nasceu a 24 de Agosto de 1895 no Porto, onde morreu a 20 de Novembro de 1980. De ascendência açoriana, a sua mãe era tia do poeta Roberto de Mesquita. Poetisa e jornalista, dedicou-se também à literatura infantil com o pseudónimo de Tia Madalena. Estreou-se em 1923 com «Triste», a que se seguiram «Arco Íris» (1925) e «Pó do Teu Caminho» (1928). A sua poesia vai do sentimentalismo contido a um erotismo velado. Publicou as suas «Poesias Completas» em 1962.

Soneto e Nota biobliográfica extraídos de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria é a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, 2004.
 

A Tua Amada – Marta Mesquita da Câmara

Filed under: Marta Mesquita da Câmara,poesia — looking4good @ 1:52 am
foto daqui


Ninguém ma descreveu, mas era ela…
Passou por mim, airosa como a flor;
beleza que valesse o teu amor,
devia ser precisamente aquela…

E segredou-me a voz interior:
«Repara atentamente como é bela!
Não te parece a graça duma estrela,
tomando movimento, forma e cor?»

− Que julgas se passou na minha ideia?
Desgosto enorme de sentir-me feia
ou mágoa de a não ver feia também?

Se a inveja é predicado de mulher,
naquela ocasião deixei de o ser
e, só por teu amor, eu quis-lhe bem!…

MARTA MESQUITA DA CÂMARA nasceu a 24 de Agosto de 1895 no Porto, onde morreu a 20 de Novembro de 1980. De ascendência açoriana, a sua mãe era tia do poeta Roberto de Mesquita. Poetisa e jornalista, dedicou-se também à literatura infantil com o pseudónimo de Tia Madalena. Estreou-se em 1923 com «Triste», a que se seguiram «Arco Íris» (1925) e «Pó do Teu Caminho» (1928). A sua poesia vai do sentimentalismo contido a um erotismo velado. Publicou as suas «Poesias Completas» em 1962.

Soneto e Nota biobliográfica extraídos de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria é a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, 2004.
 

Limites – Jorge Luís Borges

Filed under: Jorge Luis Borges,poesia — looking4good @ 1:25 am

Há uma linha de Verlaine que não voltarei a recordar,
Há uma rua próxima que está vedada a meus passos,
Há um espelho que me viu pela última vez,
Há uma porta que fechei até ao fim do mundo.
Entre os livros de minha biblioteca (estou vendo-os)
Há algum que já nunca abrirei.
Este verão cumprirei cinquenta anos:
A morte me desgasta, incessante.

Versão original:

Hay una línea de Verlaine que no volveré a recordar
Hay una calle próxima que está vedada a mis pasos
hay un espejo que me ha visto por última vez,
hay una puerta que he cerrado hasta el fin del mundo.
Ente los libros de mi biblioteca (estoy viéndolos)
hay alguno que ya nunca abriré.
Este verano cumpliré cinquenta años;
La muerte me desgasta, incesante.

Jorge Francisco Isidoro Luis Borges Acevedo(n. Buenos Aires, Argentina 24 August 1899 – m. Geneva, 14 June 1986)

 

Limites – Jorge Luís Borges

Filed under: Jorge Luis Borges,poesia — looking4good @ 1:25 am

Há uma linha de Verlaine que não voltarei a recordar,
Há uma rua próxima que está vedada a meus passos,
Há um espelho que me viu pela última vez,
Há uma porta que fechei até ao fim do mundo.
Entre os livros de minha biblioteca (estou vendo-os)
Há algum que já nunca abrirei.
Este verão cumprirei cinquenta anos:
A morte me desgasta, incessante.

Versão original:

Hay una línea de Verlaine que no volveré a recordar
Hay una calle próxima que está vedada a mis pasos
hay un espejo que me ha visto por última vez,
hay una puerta que he cerrado hasta el fin del mundo.
Ente los libros de mi biblioteca (estoy viéndolos)
hay alguno que ya nunca abriré.
Este verano cumpliré cinquenta años;
La muerte me desgasta, incesante.

Jorge Francisco Isidoro Luis Borges (n. Buenos Aires, Argentina 24 August 1899 – m. Geneva, 14 June 1986)