Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Musical suggestion of the day – Marisa Monte Julho 1, 2008

Filed under: Marisa Monte,Music,Musica — looking4good @ 8:03 pm

Marisa de Azevedo Monte born in Rio de Janeiro, on 1 Jul 1967
É Doce Morrer No Mar – Marisa Monte & Cesaria Evora

Carinhoso

 

Chave – Carlos de Oliveira

Filed under: Carlos de Oliveira,poesia — looking4good @ 1:03 am
Arte do vidro daqui

Se uma película de vidro
adere à pele da pedra; se algum
Vento vier.

Afere-lhe o esplendor; martela,
fere: um som de ferro
no exterior; por dentro
outra textura mais espessa. Poisa
como um verniz depois o ar
suave a sua
laca no esmalte fracturado

E levanta-se então.
Minuciosamente. Ergueu-se
o halo
das colinas; a lenta beleza
levitada em cada grão
de pedra. Irradiando as lanças
que o brilho do vento
restituiu à luz, no aro
mais espesso do ar.

Rodar a chave do poema
e fecharmo-nosno seu fulgor
por sobre o vale glaciar. Reler
o frio recordado.

in Rosa do Mundo 2001 Poemas para o Futuro, Assírio & Alvim

Carlos Alberto Serra de Oliveira (n. em Belém do Pará, a 10 de Agosto de 1921 e morreu em Lisboa a 1 de Julho de 1981)

 

Chave – Carlos de Oliveira

Filed under: Carlos de Oliveira,poesia — looking4good @ 1:03 am
Arte do vidro daqui

Se uma película de vidro
adere à pele da pedra; se algum
Vento vier.

Afere-lhe o esplendor; martela,
fere: um som de ferro
no exterior; por dentro
outra textura mais espessa. Poisa
como um verniz depois o ar
suave a sua
laca no esmalte fracturado

E levanta-se então.
Minuciosamente. Ergueu-se
o halo
das colinas; a lenta beleza
levitada em cada grão
de pedra. Irradiando as lanças
que o brilho do vento
restituiu à luz, no aro
mais espesso do ar.

Rodar a chave do poema
e fecharmo-nosno seu fulgor
por sobre o vale glaciar. Reler
o frio recordado.

in Rosa do Mundo 2001 Poemas para o Futuro, Assírio & Alvim

Carlos Alberto Serra de Oliveira (n. em Belém do Pará, a 10 de Agosto de 1921 e morreu em Lisboa a 1 de Julho de 1981)

 

Chave – Carlos de Oliveira

Filed under: Carlos de Oliveira,poesia — looking4good @ 1:03 am
Arte do vidro daqui

Se uma película de vidro
adere à pele da pedra; se algum
Vento vier.

Afere-lhe o esplendor; martela,
fere: um som de ferro
no exterior; por dentro
outra textura mais espessa. Poisa
como um verniz depois o ar
suave a sua
laca no esmalte fracturado

E levanta-se então.
Minuciosamente. Ergueu-se
o halo
das colinas; a lenta beleza
levitada em cada grão
de pedra. Irradiando as lanças
que o brilho do vento
restituiu à luz, no aro
mais espesso do ar.

Rodar a chave do poema
e fecharmo-nosno seu fulgor
por sobre o vale glaciar. Reler
o frio recordado.

in Rosa do Mundo 2001 Poemas para o Futuro, Assírio & Alvim

Carlos Alberto Serra de Oliveira (n. em Belém do Pará, a 10 de Agosto de 1921 e morreu em Lisboa a 1 de Julho de 1981)

 

Chave – Carlos de Oliveira

Filed under: Carlos de Oliveira,poesia — looking4good @ 1:03 am
Arte do vidro daqui

Se uma película de vidro
adere à pele da pedra; se algum
Vento vier.

Afere-lhe o esplendor; martela,
fere: um som de ferro
no exterior; por dentro
outra textura mais espessa. Poisa
como um verniz depois o ar
suave a sua
laca no esmalte fracturado

E levanta-se então.
Minuciosamente. Ergueu-se
o halo
das colinas; a lenta beleza
levitada em cada grão
de pedra. Irradiando as lanças
que o brilho do vento
restituiu à luz, no aro
mais espesso do ar.

Rodar a chave do poema
e fecharmo-nosno seu fulgor
por sobre o vale glaciar. Reler
o frio recordado.

in Rosa do Mundo 2001 Poemas para o Futuro, Assírio & Alvim

Carlos Alberto Serra de Oliveira (n. em Belém do Pará, a 10 de Agosto de 1921 e morreu em Lisboa a 1 de Julho de 1981)

 

Amor Condusse Noi ad una Morte – Paulo Mendes Campos

Filed under: Paulo Mendes Campos,poesia — looking4good @ 12:52 am
Quando o olhar, adivinhando a vida,
prende-se a outro olhar de criatura,
o espaço se converte na moldura,
o tempo incide incerto sem medida,

as mãos que se procuram ficam presas,
os dedos estreitados lembram garras
da ave de rapina, quando agarra
a carne de outras aves indefesas,

a pele encontra a pele e se arrepia,
oprime o peito o peito que estremece,
o rosto o outro rosto desafia,

a carne entrando a carne se consome,
suspira o corpo todo e desfalece
e triste volta a si com sede e fome.

Paulo Mendes Campos nasceu em Belo Horizonte (MG) a 28 de Fevereiro de 1922 e faleceu no Rio de Janeiro a 1 de Julho de 1991. Em Porto Alegre (RS), cursou a Escola Preparatória de Cadetes e tentou Direito, Odontologia, Veterinária, antes de se fixar no Rio, em 1945, onde se dedicou ao jornalismo. Cronista e poeta, o soneto que o representa nesta colectânea foi tirado de «A Palavra Escrita» (1951).

Poema e nota biobliográfica extraídos de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria é a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto

 

Happy birthday – Liv Tyler

Filed under: celebrities,Liv Tyler,wallpapers — looking4good @ 12:27 am

Liv Tyler high resolution wallpaper