Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Serenata – Augusto de Lima Abril 22, 2008

Filed under: Augusto de Lima,poesia — looking4good @ 12:58 am
foto daqui
Plenilúnio de maio em montanhas de Minas!
Canta ao longe uma flauta e o violoncelo chora,
perfuma-se o luar nas flores das campinas,
subtiliza-se o aroma em languidez sonora.

Ao doce encantamento azul das cavatinas,
nessas noites de luz mais belas do que a aurora,
as errantes visões das almas peregrinas
vão voando a cantar pela amplidão afora…

E chora o violoncelo e a flauta, ao longe, canta.
Das montanhas cantando, a névoa se levanta,
banhada de luar, de sonhos, de harmonia.

Com profano rumor, porém, desponta o dia
e, na última porção da névoa transparente,
a flauta e o violoncelo expiram lentamente

António Augusto de Lima nasceu em Vila Nova de Lima (MG) a 5 de Abril de 1859 e faleceu no Rio de Janeiro a 22 de Abril de 1934. Concluída a formatura na Faculdade de Direito de São Paulo em 1882, foi magistrado, deputado por Minas Gerais e exerceu altos cargos públicos. Republicano e abolicionista, foi um poeta parnasiano de teor filosófico, que roçou o simbolismo, como bem o evidencia o soneto que inserimos nesta colectânea.

Poema e nota biobliográfica extraídos de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria é a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, 2004.
 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s