Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Mors-Amor – Antero de Quental Abril 18, 2008

Filed under: Antero de Quental,poesia — looking4good @ 12:59 am

picture from here

Esse negro corcel, cujas passadas
Escuto em sonhos, quando a sombra desce,
E, passando a galope, me aparece
Da noite nas fantásticas estradas,

Donde vem ele? Que regiões sagradas
E terríveis cruzou, que assim parece
Tenebroso e sublime, e lhe estremece
Não sei que horror nas crinas agitadas?

Um cavaleiro de expressão potente,
Formidável, mas plácido, no porte,
Vestido de armadura reluzente,

Cavalga a fera estranha sem temor:
E o corcel negro diz: “Eu sou a Morte!”
Responde o cavaleiro: “Eu sou o Amor!”

Antero Tarquínio de Quental nasceu em Ponta Delgada (Açores) a 18 de Abril de 1842 e suicidou-se na mesma cidade da ilha de São Miguel a 11 de Setembro de 1891. Estanciou em Coimbra de 1858 a 1864 e aí obteve a formatura em Direito. Romanticamente anti-romântico, deu origem, em 1865, à famigerada Questão Coimbrã (polémica contra o Ultra-Romantismo) e promoveu, em 1871, as Conferências do Casino Lisbonense (proibidas pelo governo de então). Viajou até Paris em 1866 e até à América em 1869, além de se deslocar por várias vezes entre o seu arquipélago natal e o continente. Residiu em Vila do Conde de 1881 a 1890. Poeta e filósofo, foi o grão-mestre da chamada Geração de ’70. Física (gastroplegia), psíquica (nevrose maníaco-depressiva) e metafisicamente (pessimismo) doente, o «génio que era um santo» teve o fim trágico que era de prever. A sua principal obra poética são os «Sonetos» (1886).

Nota biobliográfica extraída de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria é a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, 2004.

 

4 Responses to “Mors-Amor – Antero de Quental”

  1. ADEMAR FERNANDES DE ARAUJO Says:

    Domingo frio em Barueri, Estado de Sao Paulo, Brasil…leio um livrinho em espanhol velho, o livro e o idioma, editado em 1907, em Madrid, de nome MORSAMOR, de cujo autor Juan Valera muito pouco se sabe por estas plagas, em que pese uma edição bilingue, português-espanhol, pela Embaixada de Espanha no Brasil, em 1996, volume da Colección Orellana: Juan Valera, A Poesia do Brasil, estudo introdutório e tradução de María de la Concepción Piñero Valverde. E nesse estudo introdutório, a tradutora logo diz que Juan Valera (1824-1905) foi diplomata, crítico literário, ensaísta, poeta, notável escritor de cartas, conhecido sobretudo por seus romances [!?…], tendo sido parte do corpo diplomático espanhol no Rio de Janeiro entre 1851 e 1853.
    Bem, esta introdução foi para dizer por que cheguei até aqui. Procurava pelo significado de “morsamor”, uma vez que o autor Juan Valera, além de escrever num espanhol muy sensillo, ou seja, a exposição das idéias segue a mesma lógica da lingua portuguesa, o que nem sempre é válido para escritores naquela língua, trata de episódios romanceados sobre Lisboa de 1521, sob a influência de autores portugueses, além, é claro, do rei D. Manuel, o Venturoso.
    O autor espanhol deixa transparecer muito claramente em seu romance cavaleiresco, de dois cavaleiros espanhóis, Miguel de Zuheros Morsamor e Tibúrcio de Simahonda, em Lisboa, a enorme influência dOs Lusíadas de Luís de Camões – esse já mais conhecido… simplesmente espetacular a forma como o autor soube introduzir as mesmas idéias que Camões empregou em seu épico, com uma leveza e compreensão que torna a leitura de MORSAMOR agradável…
    Qual não foi , agora, minha surpresa ao encontrar na pesquisa o soneto de Quental, Mors Amor! Quem sabe, Juan Valera, também não se baseou neste soneto para dar o sobrenome ao cavaleiro Zuheros!?…
    Em 14 de agosto de 2011, Dia dos Pais no Brasil.

  2. Lu Says:

    Vc se lembra daquela época!

  3. Lu Says:

    Precisamos valorizar e respeitar as pessoas que nos ajuda de certa forma a manter uma família, pois e em nossa família que nós fortalecemos para enfrentar os desavios de nossas vidas! O resto e pura ilusão!!!


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s