Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Liga Bwin – 25ª. Jornada: Resultados, classificação e comentários Abril 6, 2008

Filed under: football,Futebol,Liga Bwin — looking4good @ 10:47 pm

Resultados da 25ª. Jornada
4 Abr . 20:30 Paços de Ferreira 2-2 Vitória de Guimarães
5 Abr. 18:45 Académica 0-0 Vitória de Setúbal
5 Abr. 20:45 FC Porto

6-0 Estrela da Amadora
6 Abr. 16:00 Marítimo 1-0 Nacional
6 Abr. 16:00 União de Leiria 0-2 Naval 1º. de Maio
6 Abr. 18:30 Sporting 2-0 Sp. de Braga
6 Abr. 20:45 Boavista 0-0 Benfica
7 Abr. 19:45 Belenenses Leixões

Classificação

Lugar Clube Pontos Golos
1. Porto 63 49-9
2. Benfica 45 40-16
2. Vitória de Guimarães 45 29-25
4. Sporting 43 38-22
5. Vitória de Setúbal 41 34-23
6. Braga 34 27-27
6. Marítimo 34 28-25
8. Belenenses 33 25-26
9. Nacional 32 18-20
9. Boavista 32 30-37
11. Estrela da Amadora 28 29-35
12. Naval 1º. de Maio 26 20-39
12. Académica 24 23-35
14. Leixões 22 23-29
15. Paços de Ferreira 20 25-42
16. União de Leiria 9 18-46
(*) Equipas que têm menos um jogo defrontam-se amanhã no Estádio do Restelo para completar a Jornada 25

Comentários: O Porto já comemorou o tri-campeonato quando ainda faltam 5 jogos para acabar o campeonato e com uma goleada que já não se usa: 6-0 ao Estrela da Amadora!

Na luta pelo segundo lugar o Sporting foi o vencedor da jornada porque das quatro equipas que lutam por esse objectivo foi a única que ganhou, 2-0 ao Braga com dois golos de Djaló. Beneficiou, no entanto, de um golo anulado (mal) ao Braga. Guimarães que desperdiçou o triunfo perto do fim em Paços de Ferreira, Setúbal que empatou a zero em Coimbra frente à Académica e o Benfica que também empatou a zero no Bessa, cederam pontos para o Sporting.

No Bessa houve um jogo electrizante, com o Boavista a não concretizar um penalty assinalado por Lucílio Baptista ainda na primeira parte e o Benfica a desperdiçar golos e golos com Jehle em grande plano e Lucílio Baptista a não marcar dois penalties a favor do Benfica (ele próprio que marcou um – inexistente – a 15 segundos do fim no passado Belenenses-Porto, que deu o triunfo aos nortenhos). Nos últimos minutos foi um massacre mas a bola não entrou.

É caso para dizer que existe campeonato para o segundo lugar!

O Marítimo venceu o derby madeirense, que decorreu sob autêntica intempérie, e subiu ao sexto lugar igualando o Braga.

Na luta pela permanência a Naval 1º. de Maio foi ganhar a Leiria (míseros nove pontos para os leirienses) e está com mais folga (principalmente se ganhar os três pontos na secretaria do jogo com o Belenenses). A Académica empatou com o Setúbal e disputa com o Leixões e o Paços de Ferreira a permanência. Como se disse já o Paços de Ferreira acabou por salvar um ponto no jogo que iniciou a jornada com o Guimarães e o Leixões fecha a jornada amanhã no Restelo.

Na próxima jornada o Benfica recebe a Académica o Guimarães joga em casa com o Boavista e o Sporting volta a jogar em casa recebendo o Leixões. O Porto joga em Setúbal.

Próxima Jornada 26ª.
11 Abr. 20:30 Benfica Académica
12 Abr. 17:00 Estrela da Amadora Belenenses
12 Abr. 19:00 Vitória de Guimarães

Boavista
12 Abr. 21:15 Vitória de Setúbal FC Porto
3 Abr. 16:00 Nacional Paços de Ferreira
13 Abr. 16:00 Naval 1º. de Maio Marítimo
13 Abr. 19:15 Sporting Leixões
14 Abr. 19:45 Braga União de Leiria

 

تعاطفا مع المحلة

Filed under: peace — looking4good @ 9:36 pm


عمال المحلة واهلها الان يتعرضون لابشع تنكيل من قوات الامن المركزى والداخلية المصنع تم اقتحامة وتم فرض حظرالتجوال فى الميادين العامة واسفرت المجازر الوحشية التى يتعرض لها اهل المحلة عن مقتل عدد غير معروف الى الان من المواطنين واصابة المئات ، ونحن نطالب الشعب المصرى بان يدعم نضال المحلة فلقد اثبتت لنا التجربة انة ليست غزة وحدها التى تتعرض للحصار والقتل والتنكيل ولكن المحلة الان تعتبر غزة جديدة وتحت حصار وضرب اقصى مما حدث فى غزة … ادعوكم الى التعاطف مع عمال المحلة واهلها وتاييد ودعم نضالهم من اجل مطالبهم العادلة . وسوف نعرض اليكم صور المجزرة الوحشية التى تعرض لها المواطنين سوف نعرض تغطية المظاهرات الطلابية قريبا ….
للتفاصيل والصور :
على اسم مصر:
http://lenin1917.blogspot.com/2008/04/blog-post_06.html
 

Rifoneiro Português – Ed. 13 : Feliz, infeliz

Filed under: provérbios — looking4good @ 1:04 pm

As pessoas felizes não fazem relatórios (Natália Correia)

Feliz, infeliz é quem tal se crê e não quem outrem diz

Feliz é quem por feliz se tem

Felizes os analfabetos porque não conhecem o mundo em que vivem

Ler edições anteriores:

Rifoneiro Português – nº. 12

 

Happy birthday – Hilary Rhoda

Filed under: celebrities,Hilary Rhoda,wallpapers — looking4good @ 2:22 am

Hilary Rhoda click on photo to get high resolution picture

 

Nome muito próprio – Guilherme de Azevedo

Filed under: Guilherme de Azevedo,poesia — looking4good @ 12:33 am
Image from here
O seu nome é gracioso e muito próprio dela:
respira um vago tom de música inocente
e lembra a placidez de um lago transparente,
recorda a emanação tranquila de uma estrela.

Lembra um título bom, que logo nos revela
a ideia do poema. E todo o mundo sente
não sei que afinidade entre o seu ar dolente,
a sua «morbidezza», e o nome próprio dela.

E chego a acreditar – ingenuamente o digo –
que havia um nome em branco e Deus pensa consigo
em traduzi-lo, enfim, numa expressão qualquer:

de forma que a mulher suave e graciosa
faz parte deste nome um tanto cor-de-rosa
e este nome gentil faz parte da mulher.

Guilherme Avelino de Azevedo Chaves nasceu em Santarém a 30 de Novembro de 1840 e morreu de um tumor em Paris a 6 de Abril de 1882. Conhecido como o «Diabo Coxo» (devido ao seu espírito satânico e perna cambada, em consequência de um choque traumático sofrido aos 14 anos), tinha um temperamento melancólico e um feitio azedo e retraído. Como poeta, publicou «Aparições» (1867), «Radiações da Noite» (1871) e «Alma Nova» (1874). Poesia de combate, procurava ser a voz da Revolução, fé na Liberdade, Justiça e Democracia, mas, sob certos aspectos, precursora de Cesário Verde. Em 1871, aplaudiu a Comuna de Paris. Em 1874, chegou a Lisboa. Pertenceu ao Cenáculo e foi um dos promotores das Conferências do Casino. Foi colaborador literário do caricaturista Rafael Bordalo Pinheiro, nas revistas «António Maria» (1878) e «Álbum das Glórias» (1880). Nesta última data, parte para Paris, como correspondente da «Gazeta de Notícias» do Rio de Janeiro. Em Março de 1882, tem uma síncope, devida a uma úlcera gangrenosa no quadril esquerdo e morre, poucos dias depois, numa casa de saúde da capital francesa. Cronista revolucionário, não teve a sorte, como os autores d’«As Farpas» e d’«Os Gatos», de ver reunida em volume toda a sua produção jornalística.

Soneto e Nota biobliográfica extraídos de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria é a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, 2004.

 

Nome muito próprio – Guilherme de Azevedo

Filed under: Guilherme de Azevedo,poesia — looking4good @ 12:33 am
Image from here
O seu nome é gracioso e muito próprio dela:
respira um vago tom de música inocente
e lembra a placidez de um lago transparente,
recorda a emanação tranquila de uma estrela.

Lembra um título bom, que logo nos revela
a ideia do poema. E todo o mundo sente
não sei que afinidade entre o seu ar dolente,
a sua «morbidezza», e o nome próprio dela.

E chego a acreditar – ingenuamente o digo –
que havia um nome em branco e Deus pensa consigo
em traduzi-lo, enfim, numa expressão qualquer:

de forma que a mulher suave e graciosa
faz parte deste nome um tanto cor-de-rosa
e este nome gentil faz parte da mulher.

Guilherme Avelino de Azevedo Chaves nasceu em Santarém a 30 de Novembro de 1840 e morreu de um tumor em Paris a 6 de Abril de 1882. Conhecido como o «Diabo Coxo» (devido ao seu espírito satânico e perna cambada, em consequência de um choque traumático sofrido aos 14 anos), tinha um temperamento melancólico e um feitio azedo e retraído. Como poeta, publicou «Aparições» (1867), «Radiações da Noite» (1871) e «Alma Nova» (1874). Poesia de combate, procurava ser a voz da Revolução, fé na Liberdade, Justiça e Democracia, mas, sob certos aspectos, precursora de Cesário Verde. Em 1871, aplaudiu a Comuna de Paris. Em 1874, chegou a Lisboa. Pertenceu ao Cenáculo e foi um dos promotores das Conferências do Casino. Foi colaborador literário do caricaturista Rafael Bordalo Pinheiro, nas revistas «António Maria» (1878) e «Álbum das Glórias» (1880). Nesta última data, parte para Paris, como correspondente da «Gazeta de Notícias» do Rio de Janeiro. Em Março de 1882, tem uma síncope, devida a uma úlcera gangrenosa no quadril esquerdo e morre, poucos dias depois, numa casa de saúde da capital francesa. Cronista revolucionário, não teve a sorte, como os autores d’«As Farpas» e d’«Os Gatos», de ver reunida em volume toda a sua produção jornalística.

Soneto e Nota biobliográfica extraídos de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria é a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, 2004.

 

Nome muito próprio – Guilherme de Azevedo

Filed under: Guilherme de Azevedo,poema — looking4good @ 12:33 am
Image from here
O seu nome é gracioso e muito próprio dela:
respira um vago tom de música inocente
e lembra a placidez de um lago transparente,
recorda a emanação tranquila de uma estrela.

Lembra um título bom, que logo nos revela
a ideia do poema. E todo o mundo sente
não sei que afinidade entre o seu ar dolente,
a sua «morbidezza», e o nome próprio dela.

E chego a acreditar – ingenuamente o digo –
que havia um nome em branco e Deus pensa consigo
em traduzi-lo, enfim, numa expressão qualquer:

de forma que a mulher suave e graciosa
faz parte deste nome um tanto cor-de-rosa
e este nome gentil faz parte da mulher.

Guilherme Avelino de Azevedo Chaves nasceu em Santarém a 30 de Novembro de 1840 e morreu de um tumor em Paris a 6 de Abril de 1882. Conhecido como o «Diabo Coxo» (devido ao seu espírito satânico e perna cambada, em consequência de um choque traumático sofrido aos 14 anos), tinha um temperamento melancólico e um feitio azedo e retraído. Como poeta, publicou «Aparições» (1867), «Radiações da Noite» (1871) e «Alma Nova» (1874). Poesia de combate, procurava ser a voz da Revolução, fé na Liberdade, Justiça e Democracia, mas, sob certos aspectos, precursora de Cesário Verde. Em 1871, aplaudiu a Comuna de Paris. Em 1874, chegou a Lisboa. Pertenceu ao Cenáculo e foi um dos promotores das Conferências do Casino. Foi colaborador literário do caricaturista Rafael Bordalo Pinheiro, nas revistas «António Maria» (1878) e «Álbum das Glórias» (1880). Nesta última data, parte para Paris, como correspondente da «Gazeta de Notícias» do Rio de Janeiro. Em Março de 1882, tem uma síncope, devida a uma úlcera gangrenosa no quadril esquerdo e morre, poucos dias depois, numa casa de saúde da capital francesa. Cronista revolucionário, não teve a sorte, como os autores d’«As Farpas» e d’«Os Gatos», de ver reunida em volume toda a sua produção jornalística.

Soneto e Nota biobliográfica extraídos de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria é a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, 2004.