Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Sporting goleia Nacional Março 17, 2008

Filed under: football,Futebol,Liga Bwin,Nacional,Sporting — looking4good @ 11:18 pm

Sporting

4-1

Nacional
Quem viu a primeira parte não imaginaria este resultado…

O Sporting tinha um desafio importante depois dos resultados dos seus rivais e só a vitória interessava na luta pelo segundo lugar. Na primeira parte o Nacional com bom toque de bola não deu descanso aos leões que fizeram descansar Vukcevic no banco e não tinham Miguel Veloso.

Pode-se dizer até que o Nacional conseguiu criar mais vezes perigo do que a equipa da casa, emboora a maior oportunidade fsse do Sportng na sequência de um canto da direita, Gladstone rematou de cabeça para uma defesa com os pés do guarda-redes do Nacional e Liedson recarregou à boca da baliza mas um defesa deu o corpo à bola evitando o golo.

Seja como for era de apreensão o estado de espírito dos adeptos do Sporting ao intervalo face à inficácia de Tiauí e ao bom jogo do adversário. Paulo Bento fez entrar Vukcevic e no início da segunda parte a pressão da equipa da casa era maior com o Nacional a não sair para a ofensiva com a facilidade que o fizera na primeira parte. Uma jogada iniciada por Vukcevic com um toque precioso de Pereirinha desmarcou Liedson que isolou-se e facturou.

Os ecos deste golo ainda não se tinham esgotado e Moutinho num remate em jeito fazia o 2-0 no minuto seguinte. É claro que o jogo ficava resolvido, mas o Sporting aproveitava a onda e com João Moutinho e Liedson em destaque desfazia a classificação do Nacional em termos de segunda melhor defesa (isto em termos de golos sofridos). Num espaço de quatro minutos o Sporting marcava três golos com Liedson a apontar o terceiro. Pouco depois penalty sobre João Moutinho e Romagnoli (mais outro jogador a tentar a marcação de penalties) a falhar como ultimamente acontece invariavelmente ao Sporting. De imediato substituído por Yanick Djaló não demorou muito para este fazer o 4-0, perante um Nacional completamente esfrangalhado.

No campeonato passado o Sporting ganhara por 5-1 com quatro golos de Bueno e ameaçou fazer uma goleada surpreendente; no entanto, com o resultado feito era tempo de Paulo Bento gerir o plantel fazendo descansar João Moutinho para entrar Farnerud. Quando se ganha ou se está a ganhar parece que tudo corre melhor e desta vez até o sueco foi apoiado pelos adeptos realizando com boas aberturas. O resultado ficou esbatido um pouco já perto do fim quando Lipatín desviou a bola após um pontapé de canto, reduzindo a diferença final.

O Sporting igualou o Setúbal no quarto-lugar e este duo está a 4 pontos de Benfica e Guimarães, mas os leões beneficiam de um calendário teoricamente mais favorável com 4 jogos em casa e 3 foras sendo estes comequipas que estão nos ultimos lugares da classificação: Naval, Leiria e Paços de Ferreira, enquanto o Benfica tem de ir ao Bessa e ao Dragão e recebe ainda Belenenses e Setúbal.

Estádio: Estádio José Alvalade
Árbitros: Cosme Machado, Aux – Alfredo Braga, Tomás Santos

Sporting – Rui Patrício; Abel, Gladstone, Polga e Ronny; Pereirinha, Adrien, João Moutinho (Farnerud, 76 m) e Romagnoli (Yanick Djaló aos 64′) ; Liedson e Tiuí (Vukcevic, 46 m).

Suplentes não utilizados: Stojkovic, Pedro Silva, Izmailov, Celsinho e Yannick.

Nacional – Bracalli; Patacas, Cardozo, Ricardo Fernandes e Alonso; Edson, Cléber e Juliano; Fellype Gabriel (Juninho, 68 m), Lipatin e Fábio Coentrão (Rodrigo, 66 m).

Marcador: 1-0 por Liedson (55 m), 2-0 por João Moutinho (57 m); 3-0 por Liedson (59 m); 4-0 por Yannnick (65 m); 4-1 por Lipatin (89 m).

Disciplina: cartão amarelo a Cléber (28 m), Polga (35 m), Ricardo Fernandes (52 m), Patacas (78 m) e Cardozo (90+3 m).

 

Sporting goleia Nacional

Filed under: football,Futebol,Liga Bwin,Nacional,Sporting — looking4good @ 11:18 pm

Sporting

4-1

Nacional
Quem viu a primeira parte não imaginaria este resultado…

O Sporting tinha um desafio importante depois dos resultados dos seus rivais e só a vitória interessava na luta pelo segundo lugar. Na primeira parte o Nacional com bom toque de bola não deu descanso aos leões que fizeram descansar Vukcevic no banco e não tinham Miguel Veloso.

Pode-se dizer até que o Nacional conseguiu criar mais vezes perigo do que a equipa da casa, emboora a maior oportunidade fsse do Sportng na sequência de um canto da direita, Gladstone rematou de cabeça para uma defesa com os pés do guarda-redes do Nacional e Liedson recarregou à boca da baliza mas um defesa deu o corpo à bola evitando o golo.

Seja como for era de apreensão o estado de espírito dos adeptos do Sporting ao intervalo face à inficácia de Tiauí e ao bom jogo do adversário. Paulo Bento fez entrar Vukcevic e no início da segunda parte a pressão da equipa da casa era maior com o Nacional a não sair para a ofensiva com a facilidade que o fizera na primeira parte. Uma jogada iniciada por Vukcevic com um toque precioso de Pereirinha desmarcou Liedson que isolou-se e facturou.

Os ecos deste golo ainda não se tinham esgotado e Moutinho num remate em jeito fazia o 2-0 no minuto seguinte. É claro que o jogo ficava resolvido, mas o Sporting aproveitava a onda e com João Moutinho e Liedson em destaque desfazia a classificação do Nacional em termos de segunda melhor defesa (isto em termos de golos sofridos). Num espaço de quatro minutos o Sporting marcava três golos com Liedson a apontar o terceiro. Pouco depois penalty sobre João Moutinho e Romagnoli (mais outro jogador a tentar a marcação de penalties) a falhar como ultimamente acontece invariavelmente ao Sporting. De imediato substituído por Yanick Djaló não demorou muito para este fazer o 4-0, perante um Nacional completamente esfrangalhado.

No campeonato passado o Sporting ganhara por 5-1 com quatro golos de Bueno e ameaçou fazer uma goleada surpreendente; no entanto, com o resultado feito era tempo de Paulo Bento gerir o plantel fazendo descansar João Moutinho para entrar Farnerud. Quando se ganha ou se está a ganhar parece que tudo corre melhor e desta vez até o sueco foi apoiado pelos adeptos realizando com boas aberturas. O resultado ficou esbatido um pouco já perto do fim quando Lipatín desviou a bola após um pontapé de canto, reduzindo a diferença final.

O Sporting igualou o Setúbal no quarto-lugar e este duo está a 4 pontos de Benfica e Guimarães, mas os leões beneficiam de um calendário teoricamente mais favorável com 4 jogos em casa e 3 foras sendo estes comequipas que estão nos ultimos lugares da classificação: Naval, Leiria e Paços de Ferreira, enquanto o Benfica tem de ir ao Bessa e ao Dragão e recebe ainda Belenenses e Setúbal.

Estádio: Estádio José Alvalade
Árbitros: Cosme Machado, Aux – Alfredo Braga, Tomás Santos

Sporting – Rui Patrício; Abel, Gladstone, Polga e Ronny; Pereirinha, Adrien, João Moutinho (Farnerud, 76 m) e Romagnoli (Yanick Djaló aos 64′) ; Liedson e Tiuí (Vukcevic, 46 m).

Suplentes não utilizados: Stojkovic, Pedro Silva, Izmailov, Celsinho e Yannick.

Nacional – Bracalli; Patacas, Cardozo, Ricardo Fernandes e Alonso; Edson, Cléber e Juliano; Fellype Gabriel (Juninho, 68 m), Lipatin e Fábio Coentrão (Rodrigo, 66 m).

Marcador: 1-0 por Liedson (55 m), 2-0 por João Moutinho (57 m); 3-0 por Liedson (59 m); 4-0 por Yannnick (65 m); 4-1 por Lipatin (89 m).

Disciplina: cartão amarelo a Cléber (28 m), Polga (35 m), Ricardo Fernandes (52 m), Patacas (78 m) e Cardozo (90+3 m).

 

Sporting goleia Nacional

Filed under: football,Futebol,Liga Bwin,Nacional,Sporting — looking4good @ 11:18 pm

Sporting

4-1

Nacional
Quem viu a primeira parte não imaginaria este resultado…

O Sporting tinha um desafio importante depois dos resultados dos seus rivais e só a vitória interessava na luta pelo segundo lugar. Na primeira parte o Nacional com bom toque de bola não deu descanso aos leões que fizeram descansar Vukcevic no banco e não tinham Miguel Veloso.

Pode-se dizer até que o Nacional conseguiu criar mais vezes perigo do que a equipa da casa, emboora a maior oportunidade fsse do Sportng na sequência de um canto da direita, Gladstone rematou de cabeça para uma defesa com os pés do guarda-redes do Nacional e Liedson recarregou à boca da baliza mas um defesa deu o corpo à bola evitando o golo.

Seja como for era de apreensão o estado de espírito dos adeptos do Sporting ao intervalo face à inficácia de Tiauí e ao bom jogo do adversário. Paulo Bento fez entrar Vukcevic e no início da segunda parte a pressão da equipa da casa era maior com o Nacional a não sair para a ofensiva com a facilidade que o fizera na primeira parte. Uma jogada iniciada por Vukcevic com um toque precioso de Pereirinha desmarcou Liedson que isolou-se e facturou.

Os ecos deste golo ainda não se tinham esgotado e Moutinho num remate em jeito fazia o 2-0 no minuto seguinte. É claro que o jogo ficava resolvido, mas o Sporting aproveitava a onda e com João Moutinho e Liedson em destaque desfazia a classificação do Nacional em termos de segunda melhor defesa (isto em termos de golos sofridos). Num espaço de quatro minutos o Sporting marcava três golos com Liedson a apontar o terceiro. Pouco depois penalty sobre João Moutinho e Romagnoli (mais outro jogador a tentar a marcação de penalties) a falhar como ultimamente acontece invariavelmente ao Sporting. De imediato substituído por Yanick Djaló não demorou muito para este fazer o 4-0, perante um Nacional completamente esfrangalhado.

No campeonato passado o Sporting ganhara por 5-1 com quatro golos de Bueno e ameaçou fazer uma goleada surpreendente; no entanto, com o resultado feito era tempo de Paulo Bento gerir o plantel fazendo descansar João Moutinho para entrar Farnerud. Quando se ganha ou se está a ganhar parece que tudo corre melhor e desta vez até o sueco foi apoiado pelos adeptos realizando com boas aberturas. O resultado ficou esbatido um pouco já perto do fim quando Lipatín desviou a bola após um pontapé de canto, reduzindo a diferença final.

O Sporting igualou o Setúbal no quarto-lugar e este duo está a 4 pontos de Benfica e Guimarães, mas os leões beneficiam de um calendário teoricamente mais favorável com 4 jogos em casa e 3 foras sendo estes comequipas que estão nos ultimos lugares da classificação: Naval, Leiria e Paços de Ferreira, enquanto o Benfica tem de ir ao Bessa e ao Dragão e recebe ainda Belenenses e Setúbal.

Estádio: Estádio José Alvalade
Árbitros: Cosme Machado, Aux – Alfredo Braga, Tomás Santos

Sporting – Rui Patrício; Abel, Gladstone, Polga e Ronny; Pereirinha, Adrien, João Moutinho (Farnerud, 76 m) e Romagnoli (Yanick Djaló aos 64′) ; Liedson e Tiuí (Vukcevic, 46 m).

Suplentes não utilizados: Stojkovic, Pedro Silva, Izmailov, Celsinho e Yannick.

Nacional – Bracalli; Patacas, Cardozo, Ricardo Fernandes e Alonso; Edson, Cléber e Juliano; Fellype Gabriel (Juninho, 68 m), Lipatin e Fábio Coentrão (Rodrigo, 66 m).

Marcador: 1-0 por Liedson (55 m), 2-0 por João Moutinho (57 m); 3-0 por Liedson (59 m); 4-0 por Yannnick (65 m); 4-1 por Lipatin (89 m).

Disciplina: cartão amarelo a Cléber (28 m), Polga (35 m), Ricardo Fernandes (52 m), Patacas (78 m) e Cardozo (90+3 m).

 

Sporting goleia Nacional

Filed under: football,Futebol,Liga Bwin,Nacional,Sporting — looking4good @ 11:18 pm

Sporting

4-1

Nacional
Quem viu a primeira parte não imaginaria este resultado…

O Sporting tinha um desafio importante depois dos resultados dos seus rivais e só a vitória interessava na luta pelo segundo lugar. Na primeira parte o Nacional com bom toque de bola não deu descanso aos leões que fizeram descansar Vukcevic no banco e não tinham Miguel Veloso.

Pode-se dizer até que o Nacional conseguiu criar mais vezes perigo do que a equipa da casa, emboora a maior oportunidade fsse do Sportng na sequência de um canto da direita, Gladstone rematou de cabeça para uma defesa com os pés do guarda-redes do Nacional e Liedson recarregou à boca da baliza mas um defesa deu o corpo à bola evitando o golo.

Seja como for era de apreensão o estado de espírito dos adeptos do Sporting ao intervalo face à inficácia de Tiauí e ao bom jogo do adversário. Paulo Bento fez entrar Vukcevic e no início da segunda parte a pressão da equipa da casa era maior com o Nacional a não sair para a ofensiva com a facilidade que o fizera na primeira parte. Uma jogada iniciada por Vukcevic com um toque precioso de Pereirinha desmarcou Liedson que isolou-se e facturou.

Os ecos deste golo ainda não se tinham esgotado e Moutinho num remate em jeito fazia o 2-0 no minuto seguinte. É claro que o jogo ficava resolvido, mas o Sporting aproveitava a onda e com João Moutinho e Liedson em destaque desfazia a classificação do Nacional em termos de segunda melhor defesa (isto em termos de golos sofridos). Num espaço de quatro minutos o Sporting marcava três golos com Liedson a apontar o terceiro. Pouco depois penalty sobre João Moutinho e Romagnoli (mais outro jogador a tentar a marcação de penalties) a falhar como ultimamente acontece invariavelmente ao Sporting. De imediato substituído por Yanick Djaló não demorou muito para este fazer o 4-0, perante um Nacional completamente esfrangalhado.

No campeonato passado o Sporting ganhara por 5-1 com quatro golos de Bueno e ameaçou fazer uma goleada surpreendente; no entanto, com o resultado feito era tempo de Paulo Bento gerir o plantel fazendo descansar João Moutinho para entrar Farnerud. Quando se ganha ou se está a ganhar parece que tudo corre melhor e desta vez até o sueco foi apoiado pelos adeptos realizando com boas aberturas. O resultado ficou esbatido um pouco já perto do fim quando Lipatín desviou a bola após um pontapé de canto, reduzindo a diferença final.

O Sporting igualou o Setúbal no quarto-lugar e este duo está a 4 pontos de Benfica e Guimarães, mas os leões beneficiam de um calendário teoricamente mais favorável com 4 jogos em casa e 3 foras sendo estes comequipas que estão nos ultimos lugares da classificação: Naval, Leiria e Paços de Ferreira, enquanto o Benfica tem de ir ao Bessa e ao Dragão e recebe ainda Belenenses e Setúbal.

Estádio: Estádio José Alvalade
Árbitros: Cosme Machado, Aux – Alfredo Braga, Tomás Santos

Sporting – Rui Patrício; Abel, Gladstone, Polga e Ronny; Pereirinha, Adrien, João Moutinho (Farnerud, 76 m) e Romagnoli (Yanick Djaló aos 64′) ; Liedson e Tiuí (Vukcevic, 46 m).

Suplentes não utilizados: Stojkovic, Pedro Silva, Izmailov, Celsinho e Yannick.

Nacional – Bracalli; Patacas, Cardozo, Ricardo Fernandes e Alonso; Edson, Cléber e Juliano; Fellype Gabriel (Juninho, 68 m), Lipatin e Fábio Coentrão (Rodrigo, 66 m).

Marcador: 1-0 por Liedson (55 m), 2-0 por João Moutinho (57 m); 3-0 por Liedson (59 m); 4-0 por Yannnick (65 m); 4-1 por Lipatin (89 m).

Disciplina: cartão amarelo a Cléber (28 m), Polga (35 m), Ricardo Fernandes (52 m), Patacas (78 m) e Cardozo (90+3 m).

 

O preço do petróleo está a subir?

Filed under: Actualidade,economia — looking4good @ 12:50 pm
Expliquem-me uma coisa: Se em 2002 um barril de petróleo custava 70 dólares, o que equivalia, grosso modo, a 77 Euros, e hoje ele custa 107 dólares – o que equivale, sensivelmente, a 69 Euros*, o petróleo para os europeus está mais caro ou mais barato?

* taxa de cambio 1€ =1,56 USD
 

Happy St. Patrick’s Day

Filed under: Greetings — looking4good @ 8:41 am

DRuCi
Dominican Republic
 

Musical suggestions of the day : Nat King Cole + Elis Regina

Filed under: Elis Regina,Music,Musica,Nat King Cole — looking4good @ 7:09 am

Nat King Cole [Nathaniel Adams Coles] born on 17 March, 1919 in Montgomery, Alabama, United States; d. 15 February, 1965 in Santa Monica, California, United States).

Elis Regina Carvalho Costa born on 17 Mar 1945 in Porto Alegre, Brazil (d. in São Paulo, 19 Jan. 1982)

 

Homem, que vens de humanas desventuras – António Botto

Filed under: António Botto,poesia — looking4good @ 1:33 am
“Paisagem de Sèvres”; óleo sobre tela 54 x 66 cm
Sílvio Pinto n. no Rio de Janeiro a 17 de março de 1918
(m. Rio de Janeiro 3 de Abril de 1997)

Homem, que vens de humanas desventuras,
que te prendes à vida e te enamoras,
que tudo sabes e que tudo ignoras,
vencido herói de todas as loucuras,

que te debruças pálido nas horas
das tuas infinitas amarguras,
e na ambição das coisas mais impuras
és grande simplesmente quando choras,

que prometes cumprir e que te esqueces,
que te dás à virtude e ao pecado,
que te exaltas e cantas e aborreces,

arquitecto do sonho e da ilusão,
ridículo fantoche articulado
− eu sou teu camarada e teu irmão.

António Tomaz Botto nasceu em Concavada (Abrantes) a 17 de Agosto de 1897 e morreu no Rio de Janeiro a 17 de Março de 1959, após vários dias em estado de coma, devido a atropelamento por uma viatura automóvel. Poeta maldito, a publicação das «Canções», em 1921, constituiu um tal escândalo que o livro foi apreendido no ano seguinte, por ordem do Governo. Eram poemas confessionais, de um erotismo anómalo exacerbado, que faziam a exaltação da beleza masculina. Homossexual assumido, o seu autor foi expulso em 1942 do funcionalismo público e, em 1947, abalou para o Brasil. Muito admirado por Fernando Pessoa, José Régio e outros, os seus versos juntavam à linearidade verbal a riqueza rítmica. Eram um misto de esteticismo e populismo, narcisismo e megalomania. O seu erotismo era triste, de tom elegíaco. O poeta foi também contista e dramaturgo, abordou o realismo social (Alfama e o fado), mas a decadência final era mais que evidente.

Soneto e Nota biobliográfica extraídos de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria É a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, 2004).

 

Homem, que vens de humanas desventuras – António Botto

Filed under: António Botto,poesia — looking4good @ 1:33 am
“Paisagem de Sèvres”; óleo sobre tela 54 x 66 cm
Sílvio Pinto n. no Rio de Janeiro a 17 de março de 1918
(m. Rio de Janeiro 3 de Abril de 1997)

Homem, que vens de humanas desventuras,
que te prendes à vida e te enamoras,
que tudo sabes e que tudo ignoras,
vencido herói de todas as loucuras,

que te debruças pálido nas horas
das tuas infinitas amarguras,
e na ambição das coisas mais impuras
és grande simplesmente quando choras,

que prometes cumprir e que te esqueces,
que te dás à virtude e ao pecado,
que te exaltas e cantas e aborreces,

arquitecto do sonho e da ilusão,
ridículo fantoche articulado
− eu sou teu camarada e teu irmão.

António Tomaz Botto nasceu em Concavada (Abrantes) a 17 de Agosto de 1897 e morreu no Rio de Janeiro a 17 de Março de 1959, após vários dias em estado de coma, devido a atropelamento por uma viatura automóvel. Poeta maldito, a publicação das «Canções», em 1921, constituiu um tal escândalo que o livro foi apreendido no ano seguinte, por ordem do Governo. Eram poemas confessionais, de um erotismo anómalo exacerbado, que faziam a exaltação da beleza masculina. Homossexual assumido, o seu autor foi expulso em 1942 do funcionalismo público e, em 1947, abalou para o Brasil. Muito admirado por Fernando Pessoa, José Régio e outros, os seus versos juntavam à linearidade verbal a riqueza rítmica. Eram um misto de esteticismo e populismo, narcisismo e megalomania. O seu erotismo era triste, de tom elegíaco. O poeta foi também contista e dramaturgo, abordou o realismo social (Alfama e o fado), mas a decadência final era mais que evidente.

Soneto e Nota biobliográfica extraídos de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria É a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, 2004).

 

Homem, que vens de humanas desventuras – António Botto

Filed under: António Botto,poesia — looking4good @ 1:33 am
“Paisagem de Sèvres”; óleo sobre tela 54 x 66 cm
Sílvio Pinto n. no Rio de Janeiro a 17 de março de 1918
(m. Rio de Janeiro 3 de Abril de 1997)

Homem, que vens de humanas desventuras,
que te prendes à vida e te enamoras,
que tudo sabes e que tudo ignoras,
vencido herói de todas as loucuras,

que te debruças pálido nas horas
das tuas infinitas amarguras,
e na ambição das coisas mais impuras
és grande simplesmente quando choras,

que prometes cumprir e que te esqueces,
que te dás à virtude e ao pecado,
que te exaltas e cantas e aborreces,

arquitecto do sonho e da ilusão,
ridículo fantoche articulado
− eu sou teu camarada e teu irmão.

António Tomaz Botto nasceu em Concavada (Abrantes) a 17 de Agosto de 1897 e morreu no Rio de Janeiro a 17 de Março de 1959, após vários dias em estado de coma, devido a atropelamento por uma viatura automóvel. Poeta maldito, a publicação das «Canções», em 1921, constituiu um tal escândalo que o livro foi apreendido no ano seguinte, por ordem do Governo. Eram poemas confessionais, de um erotismo anómalo exacerbado, que faziam a exaltação da beleza masculina. Homossexual assumido, o seu autor foi expulso em 1942 do funcionalismo público e, em 1947, abalou para o Brasil. Muito admirado por Fernando Pessoa, José Régio e outros, os seus versos juntavam à linearidade verbal a riqueza rítmica. Eram um misto de esteticismo e populismo, narcisismo e megalomania. O seu erotismo era triste, de tom elegíaco. O poeta foi também contista e dramaturgo, abordou o realismo social (Alfama e o fado), mas a decadência final era mais que evidente.

Soneto e Nota biobliográfica extraídos de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria É a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, 2004).