Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Rosas e Cantigas – Afonso Duarte Março 5, 2008

Filed under: Afonso Duarte,poesia — looking4good @ 1:57 am
Eu hei-de despedir-me desta lida,
rosas? – Árvores, hei-de abrir-vos covas
e deixar-vos ainda quando novas?
Eu posso lá morrer, terra florida!

A palavra de Deus é a mais sentida
deste meu coração cheio de trovas…
Só bens me dê o céu! Eu tenho provas
que não há bem que pague o desta vida.

E os cravos, manjerico e limonete,
oh, que perfume dão às raparigas!
Que lindos são nos seios do corpete!

Como és, nuvem dos céus, água do mar,
flores que eu trato, rosas e cantigas,
cá, do outro mundo, me fareis voltar.

Joaquim AFONSO Fernandes DUARTE nasceu na Ereira (concelho de Montemor-o-Velho) a 1 de Janeiro de 1884 e morreu paraplégico em Coimbra a 5 de Março de 1958. Bacharelado em Ciências Físico-Naturais pela universidade de Coimbra, foi professor da Escola Normal e, apesar de se ter distinguido na pedagogia do Desenho e Etnografia Artística, viu-se compelido a abandonar o ensino, em 1932, por motivos de ordem política. A sua poesia rústica, de raiz humanista, vai do saudosismo ao neo-realismo, passando pelo presencismo, mas mantendo sempre uma originalidade própria.

Soneto e Nota biobliográfica extraídos de «A Circulatura do Quadrado – Alguns dos Mais Belos Sonetos de Poetas cuja Mátria É a Língua Portuguesa. Introdução, coordenação e notas de António Ruivo Mouzinho. Edições
Unicepe – Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, 2004).

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s