Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Humor: A probabilidade de ires para o céu aumenta se fores benfiquista… Janeiro 9, 2008

Filed under: Benfica,FC Porto,Humor — looking4good @ 8:05 pm
Um paciente hospitalizado bem conhecido pelo seu aguerrido e aferroado «portismo» contou-me que, na sequência das agruras do seu infelizmente débil estado de saúde tinha tido um sonho no qual fora visitado pelo São Pedro.

Na conversa que tivera com o SãoPedro este perguntou-lhe qual o seu clube preferido.

É claro que a resposta foi clara. O FC Porto o melhor clube português do século XXI e que já leva nove pontos de avanço no campeonato, depois de já ter ganho o título da época passada; a única equipa portuguesa que ainda continua na Champions League e claro aquela que tendo ido a duas finais da Champions League ganhou ambas.

São Pedro terá dito: «mau… mau… se fosses do Benfica…»

– Doente: Mas porquê? Sempre fui do Porto, tu (ou pelo menos o teu Chefe – Deus) sabe muito bem isso…

– São Pedro: É que … se fosses do Benfica … tinhas mais probabilidades de ir para o céu!

– Mas porquê?

– Olha eu não sei muito bem … mas para te falar francamente ouvi lá pelos corredores do gabinete de admissão do céu … que os benfiquistas são muito anjinhos!

Original de looking4good

 

Resiliência – uma palavra a conquistar terreno …

Filed under: Actualidade,comentário,economia,opinião — looking4good @ 2:35 am
«Apesar de obscurecido pela turbulência que ainda se verifica nos mercados fianceiros, os riscos inerentes à escalada do petróleo e, em, menor escala, dos bens alimentares, não devem ser desprezados…

Apesar dos dados mais recentes sugerirem resiliência da economia mundial em face dos choques recentes, o sentimento deteriorou-se pronunciadamente durante o último mês. (in Mercados Financeiros – Nov. 2007 – Millennium Invesment Banking) »

Pois bem esta transcrição serve apenas para introduzir o tema deste post. Sabe o que é resiliência? Não… não se trata de erro ou confusão gráfica com resistencia, nem tão pouco com residência.

Pois bem, o termo é «importado» da Física, pois respeita a uma propriedade sobre a capacidade que os corpos têm de voltar à sua forma original, depois de submetidos a um esforço intenso.

RESILIÊNCIA: é a capacidade de um material absorver energia quando ele é deformado elasticamente e então, no descarregamento, ter recuperada esta energia. A propriedade associada é o módulo de resiliência, Ur , que é a energia de deformação por unidade de volume necessária para tensionar o material a partir do estado não-carregado até o ponto de escoamento. (in Dicionário Rossetti de Química)

ou ainda:

RESILIÊNCIA – 1 (Física): Propriedade que alguns corpos apresentam de retornar à forma original após terem sido submetidos a uma deformação elástica; 2 (Sentido figurado): Capacidade de se recobrar facilmente ou se adaptar à má sorte ou às mudanças. (Fonte: Dicionário Houaiss).
Mas a palavra vai ganhando espaço de aplicação noutros domínios (o homem anda sempre à procura de coisas novas, não é?) e passou a ser utilizada com alguma frequência no âmbito da psicologia e/ou comportamento humano.

«Por que certos indivíduos são capazes de se levantar após um grande trauma e outros permanecem no chamado fundo do poço, incapazes de, mesmo sabendo não ter mais forças para cavar, subir tomando como apoio as paredes desse poço e continuar seu caminho?», questiona a Professora Dra. Sandra Maia Farias Vasconcelos neste artigo.

Já pode dar a resposta, porque uns são mais resilientes do que outros. Neste âmbito, «a resiliência é caracterizada por um conjunto de atitudes adotadas pelo ser humano para resistir aos embates da vida. Assim, diz-se que um indivíduo é resiliente quando consegue superar (e não necessariamente eliminar) as adversidades, encontrando forças para aprender com elas.(…)» in Portal do Espírito. É a capacidade ou poder de recuperação!

Este termo surge também ultimamente ligado à vida das empresas e das organizações. E em contraponto à resistência: «Resiliência e resistência são duas palavrinhas muito parecidas. Se elas são parecidas na fonética, são completamente distintas em seu significado. Resistência é sinônimo de conservadorismo» enquanto ser resiliente «é absorver impactos, aceitando uma deformação temporária, para logo após retornar à forma original». [in Vida Corporativa].

Neste contexto, resiliênsia tem a ver com flexibilidade, adaptação à mudança contrapondo-se à resistência – ao tal conservadorismo, não deixar entrar o elemento externo, por inimigo, inelasticidade, «resistir até morrer».

No texto com que iniciámos este artigo temos a resiliência utilizada na área económica. Ou seja a capacidadade da economia de absorver determinados choques (no contexto referia-se «à crise do imobiliário e do crédito hipotecário «subprime» nos Estados Unidos da América» e de reagir e reconformar-se.

Antes dizia-se que quando os Estados Unidos espirravam, o mundo pegava uma gripe”. Agora graças à resiliência da economia (parece que) já não é assim…

 

Num monumento à aspirina – João Cabral de Melo Neto

Filed under: João Cabral de Melo Neto — looking4good @ 2:28 am

Claramente: o mais prático dos sóis,
o sol de um comprimido de aspirina:
de emprego fácil, portátil e barato,
compacto de sol na lápide sucinta.
Principalmente porque, sol artificial,
que nada limita a funcionar de dia,
que a noite não expulsa, cada noite,
sol imune às leis de meteorologia,
a toda hora em que se necessita dele
levanta e vem (sempre num claro dia):
acende, para secar a aniagem da alma,
quará-la, em linhos de um meio-dia.

*

Convergem: a aparência e os efeitos
da lente do comprimido de aspirina:
o acabamento esmerado desse cristal,
polido a esmeril e repolido a lima,
prefigura o clima onde ele faz viver
e o cartesiano de tudo nesse clima.
De outro lado, porque lente interna,
de uso interno, por detrás da retina,
não serve exclusivamente para o olho
a lente, ou o comprimido de aspirina:
ela reenfoca, para o corpo inteiro,
o borroso de ao redor, e o reafina.

João Cabral de Melo Neto (n. Recife, Pernambuco em 9 Jan 1920; m. Rio de Janeiro, 9 Out 1999)

Ler do mesmo autor, neste blog:
Mulher Sentada
Luto no Sertão
Tecendo a manhã

 

Num monumento à aspirina – João Cabral de Melo Neto

Filed under: João Cabral de Melo Neto — looking4good @ 2:28 am

Claramente: o mais prático dos sóis,
o sol de um comprimido de aspirina:
de emprego fácil, portátil e barato,
compacto de sol na lápide sucinta.
Principalmente porque, sol artificial,
que nada limita a funcionar de dia,
que a noite não expulsa, cada noite,
sol imune às leis de meteorologia,
a toda hora em que se necessita dele
levanta e vem (sempre num claro dia):
acende, para secar a aniagem da alma,
quará-la, em linhos de um meio-dia.

*

Convergem: a aparência e os efeitos
da lente do comprimido de aspirina:
o acabamento esmerado desse cristal,
polido a esmeril e repolido a lima,
prefigura o clima onde ele faz viver
e o cartesiano de tudo nesse clima.
De outro lado, porque lente interna,
de uso interno, por detrás da retina,
não serve exclusivamente para o olho
a lente, ou o comprimido de aspirina:
ela reenfoca, para o corpo inteiro,
o borroso de ao redor, e o reafina.

João Cabral de Melo Neto (n. Recife, Pernambuco em 9 Jan 1920; m. Rio de Janeiro, 9 Out 1999)

Ler do mesmo autor, neste blog:
Mulher Sentada
Luto no Sertão
Tecendo a manhã

 

Num monumento à aspirina – João Cabral de Melo Neto

Filed under: João Cabral de Melo Neto — looking4good @ 2:28 am

Claramente: o mais prático dos sóis,
o sol de um comprimido de aspirina:
de emprego fácil, portátil e barato,
compacto de sol na lápide sucinta.
Principalmente porque, sol artificial,
que nada limita a funcionar de dia,
que a noite não expulsa, cada noite,
sol imune às leis de meteorologia,
a toda hora em que se necessita dele
levanta e vem (sempre num claro dia):
acende, para secar a aniagem da alma,
quará-la, em linhos de um meio-dia.

*

Convergem: a aparência e os efeitos
da lente do comprimido de aspirina:
o acabamento esmerado desse cristal,
polido a esmeril e repolido a lima,
prefigura o clima onde ele faz viver
e o cartesiano de tudo nesse clima.
De outro lado, porque lente interna,
de uso interno, por detrás da retina,
não serve exclusivamente para o olho
a lente, ou o comprimido de aspirina:
ela reenfoca, para o corpo inteiro,
o borroso de ao redor, e o reafina.

João Cabral de Melo Neto (n. Recife, Pernambuco em 9 Jan 1920; m. Rio de Janeiro, 9 Out 1999)

Ler do mesmo autor, neste blog:
Mulher Sentada
Luto no Sertão
Tecendo a manhã

 

On this day in History – Jan. 9

Filed under: efemerides,This Day in History — looking4good @ 1:24 am
 

On this day in History – Jan. 9

Filed under: efemerides,This Day in History — looking4good @ 1:24 am