Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Benfica venceu na Ucrânia e continua na Europa Dezembro 4, 2007

Filed under: Benfica,Futebol,Uefa Champions League 2007/2008 — looking4good @ 9:40 pm
Shaktar

1-2

Benfica

Dois golos de Cardozo garantiram a Taça Uefa

Camacho apresentou no onze inicial três alterações relativamente à equipa que iniciou o jogo contra o Porto: uma obrigatória por lesão de Christian Rodriguez – jogou Di Maria – e duas por opção: Nélson em vez de Luís Filipe e Cardozo na frente do ataque (em vez de Nuno Gomes).

Cedo se percebeu que os ucranianos iam pressionar bastante e logo aos 2′ Quim teve de intervir para evitar o golo. O que aconteceu a seguir não é muito normal no Benfica. Dois ataques e dois golos. Com efeito aos 6′ os defesas ucranianos «ofereceram» o golo a Cardozo, com um atraso de bola inacreditável. O outro central não foi lá, o guarda-redes também ficou e Cardozo interpôs-se ganhou a bola e marcou à vontade. Os ucranianos, melhor dizendo a equipa ucaniana com os seus jogadores brasileiros em tabelinhas e ritmo forte atirava o Benfica para a defesa mas como se disse acima praticamente na segunda vez que o Benfica passou a linha de meio-campo, Nélson onduziu pelo centro abriu para Maxi Pereira liberto na direita, sem oposição olhou e centrou para Cardozo de cabeça «facturar» o seu segundo golo.

Pensava-se que com dois a zero a confiança encarnada se associasse à descrença dos locais e o Benfica dominasse o jogo mas tal esteve longe de acontecer. O Shaktar continuou como se nada fosse a atacar o Benfica sempre muito recuado, e David Luís cometeu um erro a empurrar o experiente Lucarelli numa jogada de cruzamento para a área e a originar um penalty escusado. Lucarelli fez o 1-2 e as coisas complicavam-se. O Benfica porfiava na defesa mas teve uma terceira saída no ataque que Maxi Pereira na entrada da área finalizou por cima.

O sufoco durou até cerca dos 60 minutos porque após o intervalo, no recomeço de jogo o Shaktar continuou a porfiar no ataque. No entanto, o gás parece ter terminado por essa altura. A partir daí, finalmente o Benfica passou a «respirar» mais a ter mais bola e o Shaktar ia perdendo ânimo optando por um futebol mais directo nada compatível com os jogadores brasileiros da frente e com Luisão a mandar no jogo aéreo. Verdade se diga que o guarda-redes ucraniano também não fez uma única defesa mas a temperatura baixa ia também arrefecendo os ânimos e esperanças ucranianas que só nos últimos minutos voltaram a incomodar a defesa encarnada.

Portugal mantém assim quatro equipas nas competições europeias: o Porto na Champions (desde que não perque em casa com o Besiktas), Sporting e Benfica na Taça Uefa e o Braga que ainda está na fase de grupos da Taça Uefa (joga quinta-feira em Salónica) a lutar por fazer companhia aos clubes lisboetas.

Vassaras, o árbitro grego que é um talismã para as equipas portuguesas, fez uma boa arbitragem.

No outro jogo do grupo o Milan derootou o Celtic por 1-0 (o que significa que caso o Benfica tivesse ganho ao Milan estaria na fase seguinte da Champions League).

Cardozo esteve em destaque

Estádio Olímpico, em Donetsk (Ucrânia)

Árbitro: Kyros Vassaras (Grécia)

Shakhtar – Pyatov; Srna, Chygrynskiy, Kucher e Rat; Lewandowski (Hubschman, 57m); Ilsinho (Willian, 67m), Jadson e Fernandinho; Lucarelli (Gladkiy, 74m) e Brandão

Benfica – Quim; Nélson, Luisão, David Luiz e Léo; Katsouranis e Petit; Maxi Pereira (Luís Filipe, 83m), Rui Costa e Di María (Nuno Assis, 67m); Cardozo (Nuno Gomes, 90m)

Golos: 0-1, Cardozo (5m); 0-2, Cardozo (21m); 1-2, Lucarelli (30m pen.);

Disciplina: Cartão amarelo para David Luiz (29m), Kucher (68m), Luís Filipe (90+1m), Brandão (90+4m)

 

Benfica venceu na Ucrânia e continua na Europa

Filed under: Benfica,Futebol,Uefa Champions League 2007/2008 — looking4good @ 9:40 pm
Shaktar

1-2

Benfica

Dois golos de Cardozo garantiram a Taça Uefa

Camacho apresentou no onze inicial três alterações relativamente à equipa que iniciou o jogo contra o Porto: uma obrigatória por lesão de Christian Rodriguez – jogou Di Maria – e duas por opção: Nélson em vez de Luís Filipe e Cardozo na frente do ataque (em vez de Nuno Gomes).

Cedo se percebeu que os ucranianos iam pressionar bastante e logo aos 2′ Quim teve de intervir para evitar o golo. O que aconteceu a seguir não é muito normal no Benfica. Dois ataques e dois golos. Com efeito aos 6′ os defesas ucranianos «ofereceram» o golo a Cardozo, com um atraso de bola inacreditável. O outro central não foi lá, o guarda-redes também ficou e Cardozo interpôs-se ganhou a bola e marcou à vontade. Os ucranianos, melhor dizendo a equipa ucaniana com os seus jogadores brasileiros em tabelinhas e ritmo forte atirava o Benfica para a defesa mas como se disse acima praticamente na segunda vez que o Benfica passou a linha de meio-campo, Nélson onduziu pelo centro abriu para Maxi Pereira liberto na direita, sem oposição olhou e centrou para Cardozo de cabeça «facturar» o seu segundo golo.

Pensava-se que com dois a zero a confiança encarnada se associasse à descrença dos locais e o Benfica dominasse o jogo mas tal esteve longe de acontecer. O Shaktar continuou como se nada fosse a atacar o Benfica sempre muito recuado, e David Luís cometeu um erro a empurrar o experiente Lucarelli numa jogada de cruzamento para a área e a originar um penalty escusado. Lucarelli fez o 1-2 e as coisas complicavam-se. O Benfica porfiava na defesa mas teve uma terceira saída no ataque que Maxi Pereira na entrada da área finalizou por cima.

O sufoco durou até cerca dos 60 minutos porque após o intervalo, no recomeço de jogo o Shaktar continuou a porfiar no ataque. No entanto, o gás parece ter terminado por essa altura. A partir daí, finalmente o Benfica passou a «respirar» mais a ter mais bola e o Shaktar ia perdendo ânimo optando por um futebol mais directo nada compatível com os jogadores brasileiros da frente e com Luisão a mandar no jogo aéreo. Verdade se diga que o guarda-redes ucraniano também não fez uma única defesa mas a temperatura baixa ia também arrefecendo os ânimos e esperanças ucranianas que só nos últimos minutos voltaram a incomodar a defesa encarnada.

Portugal mantém assim quatro equipas nas competições europeias: o Porto na Champions (desde que não perque em casa com o Besiktas), Sporting e Benfica na Taça Uefa e o Braga que ainda está na fase de grupos da Taça Uefa (joga quinta-feira em Salónica) a lutar por fazer companhia aos clubes lisboetas.

Vassaras, o árbitro grego que é um talismã para as equipas portuguesas, fez uma boa arbitragem.

No outro jogo do grupo o Milan derootou o Celtic por 1-0 (o que significa que caso o Benfica tivesse ganho ao Milan estaria na fase seguinte da Champions League).

Cardozo esteve em destaque

Estádio Olímpico, em Donetsk (Ucrânia)

Árbitro: Kyros Vassaras (Grécia)

Shakhtar – Pyatov; Srna, Chygrynskiy, Kucher e Rat; Lewandowski (Hubschman, 57m); Ilsinho (Willian, 67m), Jadson e Fernandinho; Lucarelli (Gladkiy, 74m) e Brandão

Benfica – Quim; Nélson, Luisão, David Luiz e Léo; Katsouranis e Petit; Maxi Pereira (Luís Filipe, 83m), Rui Costa e Di María (Nuno Assis, 67m); Cardozo (Nuno Gomes, 90m)

Golos: 0-1, Cardozo (5m); 0-2, Cardozo (21m); 1-2, Lucarelli (30m pen.);

Disciplina: Cartão amarelo para David Luiz (29m), Kucher (68m), Luís Filipe (90+1m), Brandão (90+4m)

 

Benfica venceu na Ucrânia e continua na Europa

Filed under: Benfica,Futebol,Uefa Champions League 2007/2008 — looking4good @ 9:40 pm
Shaktar

1-2

Benfica

Dois golos de Cardozo garantiram a Taça Uefa

Camacho apresentou no onze inicial três alterações relativamente à equipa que iniciou o jogo contra o Porto: uma obrigatória por lesão de Christian Rodriguez – jogou Di Maria – e duas por opção: Nélson em vez de Luís Filipe e Cardozo na frente do ataque (em vez de Nuno Gomes).

Cedo se percebeu que os ucranianos iam pressionar bastante e logo aos 2′ Quim teve de intervir para evitar o golo. O que aconteceu a seguir não é muito normal no Benfica. Dois ataques e dois golos. Com efeito aos 6′ os defesas ucranianos «ofereceram» o golo a Cardozo, com um atraso de bola inacreditável. O outro central não foi lá, o guarda-redes também ficou e Cardozo interpôs-se ganhou a bola e marcou à vontade. Os ucranianos, melhor dizendo a equipa ucaniana com os seus jogadores brasileiros em tabelinhas e ritmo forte atirava o Benfica para a defesa mas como se disse acima praticamente na segunda vez que o Benfica passou a linha de meio-campo, Nélson onduziu pelo centro abriu para Maxi Pereira liberto na direita, sem oposição olhou e centrou para Cardozo de cabeça «facturar» o seu segundo golo.

Pensava-se que com dois a zero a confiança encarnada se associasse à descrença dos locais e o Benfica dominasse o jogo mas tal esteve longe de acontecer. O Shaktar continuou como se nada fosse a atacar o Benfica sempre muito recuado, e David Luís cometeu um erro a empurrar o experiente Lucarelli numa jogada de cruzamento para a área e a originar um penalty escusado. Lucarelli fez o 1-2 e as coisas complicavam-se. O Benfica porfiava na defesa mas teve uma terceira saída no ataque que Maxi Pereira na entrada da área finalizou por cima.

O sufoco durou até cerca dos 60 minutos porque após o intervalo, no recomeço de jogo o Shaktar continuou a porfiar no ataque. No entanto, o gás parece ter terminado por essa altura. A partir daí, finalmente o Benfica passou a «respirar» mais a ter mais bola e o Shaktar ia perdendo ânimo optando por um futebol mais directo nada compatível com os jogadores brasileiros da frente e com Luisão a mandar no jogo aéreo. Verdade se diga que o guarda-redes ucraniano também não fez uma única defesa mas a temperatura baixa ia também arrefecendo os ânimos e esperanças ucranianas que só nos últimos minutos voltaram a incomodar a defesa encarnada.

Portugal mantém assim quatro equipas nas competições europeias: o Porto na Champions (desde que não perque em casa com o Besiktas), Sporting e Benfica na Taça Uefa e o Braga que ainda está na fase de grupos da Taça Uefa (joga quinta-feira em Salónica) a lutar por fazer companhia aos clubes lisboetas.

Vassaras, o árbitro grego que é um talismã para as equipas portuguesas, fez uma boa arbitragem.

No outro jogo do grupo o Milan derootou o Celtic por 1-0 (o que significa que caso o Benfica tivesse ganho ao Milan estaria na fase seguinte da Champions League).

Cardozo esteve em destaque

Estádio Olímpico, em Donetsk (Ucrânia)

Árbitro: Kyros Vassaras (Grécia)

Shakhtar – Pyatov; Srna, Chygrynskiy, Kucher e Rat; Lewandowski (Hubschman, 57m); Ilsinho (Willian, 67m), Jadson e Fernandinho; Lucarelli (Gladkiy, 74m) e Brandão

Benfica – Quim; Nélson, Luisão, David Luiz e Léo; Katsouranis e Petit; Maxi Pereira (Luís Filipe, 83m), Rui Costa e Di María (Nuno Assis, 67m); Cardozo (Nuno Gomes, 90m)

Golos: 0-1, Cardozo (5m); 0-2, Cardozo (21m); 1-2, Lucarelli (30m pen.);

Disciplina: Cartão amarelo para David Luiz (29m), Kucher (68m), Luís Filipe (90+1m), Brandão (90+4m)

 

Dec. 4 – International Hug Day

Filed under: Day,Dia — looking4good @ 5:47 pm

 

Dec. 4 – International Hug Day

Filed under: Day,Dia — looking4good @ 5:47 pm

 

Dec. 4 – International Hug Day

Filed under: Day,Dia — looking4good @ 5:47 pm

 

Dec. 4 – International Hug Day

Filed under: Day,Dia — looking4good @ 5:47 pm

 

Dec. 4 – International Hug Day

Filed under: Day,Dia — looking4good @ 5:47 pm

 

Friendship till eternity

Filed under: Life,Love — looking4good @ 8:46 am

In prosperity our friends know us; in adversity we know our friends.
John Churton Collins

True happiness is of a retired nature, and an enemy to pomp and noise; it arises, in the first place, from the enjoyment of one’s self, and in the next from the friendship and conversation of a few select companions.
Joseph Addison (1672 – 1719), The Spectator, March 17, 1911

It isn’t kind to cultivate a friendship just so one will have an audience.
Lawana Blackwell, The Courtship of the Vicar’s Daughter, 1998

A good friend of my son’s is a son to me.
Lois McMaster Bujold, Ethan of Athos, 1986

Adversity does teach who your real friends are.
Lois McMaster Bujold, A Civil Campain, 1999

If you make it plain you like people, it’s hard for them to resist liking you back.
Lois McMaster Bujold, Diplomatic Immunity, 2002

Never refuse any advance of friendship, for if nine out of ten bring you nothing, one alone may repay you.
Madame de Tencin

It’s the friends you can call up at four a.m. that matter.
Marlene Dietrich (1901 – 1992)

Don’t flatter yourself that friendship authorizes you to say disagreeable things to your intimates. The nearer you come into relation with a person, the more necessary do tact and courtesy become. Except in cases of necessity, which are rare, leave your friend to learn unpleasant things from his enemies; they are ready enough to tell them.
Oliver Wendell Holmes (1809 – 1894), The Autocrat of the Breakfast-Table, 1858

I always like to know everything about my new friends, and nothing about my old ones.
Oscar Wilde (1854 – 1900)

 

Corinthians: Há dois anos o Brasileirão, há dois dias a descida de divisão

Filed under: Brasil,Corinthians,Futebol — looking4good @ 7:04 am

Faz hoje dois anos que o Corinthians sagrava-se Campeão do Brasil ao vencer o Campeonato Brasileiro de 2005.

Pois no passado fim de semana o popular clube de São Paulo desceu à Série B ao perder o sprint final pela manutenção frente ao Goiás vencedor na última jornada, enquanto o Corinthians só empatava 1-1 fora com o Grémio.

A vida é assim: tem altos e baixos. E o desporto fazendo parte da vida também se passa o mesmo.

«Estamos sim muito tristes. Envergonhados nunca, porque somos corinthianos com muito orgulho» (Edgard Ortiz).

Sofrimento dos adeptos