Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

My (beautiful) city Julho 11, 2007

Filed under: Porto — looking4good @ 8:24 pm
Free Image Hosting at www.ImageShack.us
click on photo to enlarge
 

Musical suggestion of the day – George Gerswhin

Filed under: Music,Musica — looking4good @ 6:20 pm
Georges Gershwin died on July 11, 1937 (b. September 26, 1898)
Summertime with the voices of Elza Fitzgerald and Louis Armstrong

Summertime

 

ELA, JÁ ESTÁ NA FORJA!

Filed under: Political — looking4good @ 5:04 pm

Os países europeus que apoiaram a invasão terrorista ao Iraque, hoje estão num beco sem saída. Primeiro, não conseguiram manter a mentira, de que no Iraque havia armas nucleares.
Segundo, para se manterem a colonizar o povo iraquiano, inventaram uma guerra sectária que, em grande parte, não passa de uma estratégia do terrorismo norte-americano para se manter a colonizar aquele País. Pois os esquadrões da morte, pagos pelo terrorismo norte-americano, são uma cópia fiel do que se passou com a fuga dos norte-americanos de Saigão. Embora admita que haja iraquianos contra iraquianos, a sua grande maioria é controlada e paga pelo terrorismo norte-americano.
Em terceiro lugar, o invasor criminoso, estes dados, de fonte americana, já estão a construir 14 bases para dominarem o petróleo, propriedade do povo iraquiano, para roubar, portanto.
Qual é o papel da Europa que obedeceu e ajudou o terrorismo norte-americano a assassinar o povo nobre e patriota do Iraque?
A verdade é que o terrorismo norte-americano não pode viver sem guerra. A sua economia assenta no armamento bélico. Não é por acaso que o sistema antimíssil na Polónia já está marchando. Por isso, os lacaios europeus podem ter a certeza que o terrorismo norte-americano já tem a sua próxima vítima na forja.
O povo europeu que esteja atento e que se ponha a caminho antes que os lacaios do terrorismo norte-americano, os volte a colocar em outra guerra cobarde e assassina.
Ela já está na forja.

By David Santos , Portugal

English translation

The European countries that had supported the terrorist invasion to Iraq, today are in a dead-end. First, they had not obtained to keep the lie, of that in Iraq it had nuclear weapons. Second, to remain itself to colonize the Iranian people, they had invented a sectarian war that, to a large extent, does not pass of a strategy of the North American terrorism to remain itself to colonize that Country. Therefore the death squads, paid for the North American terrorism, are an examined copy of what it was transferred with the escape of the North Americans of Saigon. Although it admits that it has Iraqis against Iraqis, its great majority is controlled and paid for the North American terrorism. In third place, the criminal invader, these data, of American source, already is to construct 14 bases to dominate the oil, property of the Iranian people, to steal, therefore. Which is the paper of the Europe that it obeyed and it helped the North American terrorism to assassinate the noble and patriotic people of Iraq? The truth is that the North American terrorism cannot live without war. Its economy seats in the warlike armament. It is not by chance that the anti-missile system in the Polónia already is marching. Therefore, the European flunkies can have the certainty that the North American terrorism already has its next victim in forges. The European people who is intent and that if he puts the way before the flunkies of the North American terrorism, he comes back them to place in another war cobarde and assassin. It already is in forges.

By Ahmed Yhaia , Egypt

 

Fico – deixas-me velho … – Guilherme de Almeida

Filed under: Guilherme de Almeida,poesia — looking4good @ 12:01 pm
foto: Gerânios encarnados à janela

Fico – deixas-me velho. Moça e bela,
partes. Estes gerânios encarnados,
que na janela vivem debruçados,
vão morrer debruçados na janela.

E o piano, o teu canário tagarela,
a lâmpada, o divã, os cortinados:
– “Que é feito dela?” – indagarão – coitados!
E os amigos dirão: – “Que é feito dela?”

Parte! E se, olhando atrás, da extrema curva
da estrada, vires, esbatida e turva,
tremer a alvura dos cabelos meus;

irás pensando, pelo teu caminho,
que essa pobre cabeça de velhinho
é um lenço branco que te diz adeus!

Guilherme de Andrade e Almeida (n. em Campinas, SP, a 24 de Julho de 1890; m. em São Paulo, SP, a 11 de Julho de 1969)

 

Fico – deixas-me velho … – Guilherme de Almeida

Filed under: Guilherme de Almeida,poesia — looking4good @ 12:01 pm
foto: Gerânios encarnados à janela

Fico – deixas-me velho. Moça e bela,
partes. Estes gerânios encarnados,
que na janela vivem debruçados,
vão morrer debruçados na janela.

E o piano, o teu canário tagarela,
a lâmpada, o divã, os cortinados:
– “Que é feito dela?” – indagarão – coitados!
E os amigos dirão: – “Que é feito dela?”

Parte! E se, olhando atrás, da extrema curva
da estrada, vires, esbatida e turva,
tremer a alvura dos cabelos meus;

irás pensando, pelo teu caminho,
que essa pobre cabeça de velhinho
é um lenço branco que te diz adeus!

Guilherme de Andrade e Almeida (n. em Campinas, SP, a 24 de Julho de 1890; m. em São Paulo, SP, a 11 de Julho de 1969)

 

Fico – deixas-me velho … – Guilherme de Almeida

Filed under: Guilherme de Almeida,poesia — looking4good @ 12:01 pm
foto: Gerânios encarnados à janela

Fico – deixas-me velho. Moça e bela,
partes. Estes gerânios encarnados,
que na janela vivem debruçados,
vão morrer debruçados na janela.

E o piano, o teu canário tagarela,
a lâmpada, o divã, os cortinados:
– “Que é feito dela?” – indagarão – coitados!
E os amigos dirão: – “Que é feito dela?”

Parte! E se, olhando atrás, da extrema curva
da estrada, vires, esbatida e turva,
tremer a alvura dos cabelos meus;

irás pensando, pelo teu caminho,
que essa pobre cabeça de velhinho
é um lenço branco que te diz adeus!

Guilherme de Andrade e Almeida (n. em Campinas, SP, a 24 de Julho de 1890; m. em São Paulo, SP, a 11 de Julho de 1969)

 

Além ainda – Luís Murat

Filed under: Luis Murat,poesia — looking4good @ 11:55 am

Caminheiro que vais ao fim do dia
Demandando o crespúsculo das dores,
Não te percas na lágrima sombria
Da tormenta de anseios e amargores!

Além da sepultura principia
O caminho dos sonhos redentores,
Na alvorada perene da harmonia,
Aureolada de eternos resplendores.

Desolado viajor, ergue teus olhos!
Não te prendas somente ao chão tristonho,
Guarda a esperança carinhosa e linda!

Vence a longa jornada dos abrolhos,
Que o país luminoso do teu sonho
Fica ao alto… distante… além ainda…

Luís Morton Barreto Murat (n. em Resende, RJ, em 4 de Mai de 1861; m. no Rio de Janeiro, RJ, em 11 de Jul de 1929.

Ler do mesmo autor: Ironia do coração