Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Champions League – Quarters of Final Abril 3, 2007

Filed under: Champions League,football,soccer — looking4good @ 9:18 pm
Liverpool (almost) in Semi-finals
Today
PSV 0 – 3 Liverpool [Gerrard 27′; Arne Riise 49′; Crouch 63′]
Milan 2 – 2 Bayern [1-0 Pirlo 40′; 1-1 Van Buyten 78′; 2-1 Káká 84 (pen); 2-2 Van Buyten 90+3′]
Tomorrow
Roma – Manchester United
Chelsea-Valencia
 

Doris Day and Marlon Brando were born on the same day, Apr. 3, 1924

Filed under: Doris Day,Marlon Brando — looking4good @ 12:47 pm
photo: Doris Day

First the ladies. Doris Day [Doris Mary Ann von Kappelhoff] was born in Cincinnati, Ohio, USA, on April 3, 1924). She is an American singer, actress, and animal welfare advocate. Doris Day was one of the most prolific actresses of the 1950s and 1960s. She had participation in 39, over 600 musical recordings and a series of sucessful television shows.

Singing “Whatever Will Be, Will Be (Que Sera, Sera)“, in Alfred Hitchcock‘s The Man Who Knew Too Much she won an Oscar. She was married five times. [Listen this song here : Que Sera Sera]

ttp://www.goear.com/listen.php?v=89da54b

In 1975 Doris Day released her autobiography, Doris Day: Her Own Story, it revealed to the general public many of the painful events in her private life. The book was a best-seller.

Last years she is dedicating to animal advocay: see here Doris Day animal League

photo: Marlon Brando

Marlon Brando, Jr. was born in Omaha, Nebraska, USA, on Apr. 3, 1924. He died in Los Angeles, California, on July 1, 1924. Brando was one of the most famous actors. He was awarded with two Oscars for the best actor in On the Waterfront (1954) and The Godfather (1972), and was nominated other several times [Nominated Best Actor in A Streetcar Named Desire (1951); Viva Zapata! (1952) , Julius Caesar (1953), Sayonara (1957) , Ultimo tango a Parigi (1972) and for best Supporting Actor in A Dry White Season (1989)].

Marlon Brando turned down the (second) Academy Award and boycotted the award ceremony, sending an Indian, little-known actress Sacheen Littlefeather to state his reasons, which were based on his objections to the depiction of Native Americans by Hollywood and television.

In his autobiography in 1994 Songs My Mother Taught Me, Brando claimed he showed up one night at Marilyn Monroe‘s apartment and they started an affair that lasted many years. He also claimed numerous other romances, although he did not discuss his marriages, his wives, or his children in his autobiography.

On October 11th 1957, Brando marries the actress Anna Kashfi, from Wales. His second marriage is to Mexican actress Movita Castaneda, in 1960.

Without Marlon Brando and his special way of acting, the History of cinema would have been different. He was also a serious activist for the Civil Rights Movement and for the Native American Indians.

 

Doris Day and Marlon Brando were born on the same day, Apr. 3, 1924

Filed under: Doris Day,Marlon Brando — looking4good @ 12:47 pm
photo: Doris Day

First the ladies. Doris Day [Doris Mary Ann von Kappelhoff] was born in Cincinnati, Ohio, USA, on April 3, 1924). She is an American singer, actress, and animal welfare advocate. Doris Day was one of the most prolific actresses of the 1950s and 1960s. She had participation in 39, over 600 musical recordings and a series of sucessful television shows.

Singing “Whatever Will Be, Will Be (Que Sera, Sera)“, in Alfred Hitchcock‘s The Man Who Knew Too Much she won an Oscar. She was married five times. [Listen this song here : Que Sera Sera]

ttp://www.goear.com/listen.php?v=89da54b

In 1975 Doris Day released her autobiography, Doris Day: Her Own Story, it revealed to the general public many of the painful events in her private life. The book was a best-seller.

Last years she is dedicating to animal advocay: see here Doris Day animal League

photo: Marlon Brando

Marlon Brando, Jr. was born in Omaha, Nebraska, USA, on Apr. 3, 1924. He died in Los Angeles, California, on July 1, 1924. Brando was one of the most famous actors. He was awarded with two Oscars for the best actor in On the Waterfront (1954) and The Godfather (1972), and was nominated other several times [Nominated Best Actor in A Streetcar Named Desire (1951); Viva Zapata! (1952) , Julius Caesar (1953), Sayonara (1957) , Ultimo tango a Parigi (1972) and for best Supporting Actor in A Dry White Season (1989)].

Marlon Brando turned down the (second) Academy Award and boycotted the award ceremony, sending an Indian, little-known actress Sacheen Littlefeather to state his reasons, which were based on his objections to the depiction of Native Americans by Hollywood and television.

In his autobiography in 1994 Songs My Mother Taught Me, Brando claimed he showed up one night at Marilyn Monroe‘s apartment and they started an affair that lasted many years. He also claimed numerous other romances, although he did not discuss his marriages, his wives, or his children in his autobiography.

On October 11th 1957, Brando marries the actress Anna Kashfi, from Wales. His second marriage is to Mexican actress Movita Castaneda, in 1960.

Without Marlon Brando and his special way of acting, the History of cinema would have been different. He was also a serious activist for the Civil Rights Movement and for the Native American Indians.

 

Doris Day and Marlon Brando were born on the same day, Apr. 3, 1924

Filed under: Doris Day,Marlon Brando — looking4good @ 12:47 pm
photo: Doris Day

First the ladies. Doris Day [Doris Mary Ann von Kappelhoff] was born in Cincinnati, Ohio, USA, on April 3, 1924). She is an American singer, actress, and animal welfare advocate. Doris Day was one of the most prolific actresses of the 1950s and 1960s. She had participation in 39, over 600 musical recordings and a series of sucessful television shows.

Singing “Whatever Will Be, Will Be (Que Sera, Sera)“, in Alfred Hitchcock‘s The Man Who Knew Too Much she won an Oscar. She was married five times. [Listen this song here : Que Sera Sera]

ttp://www.goear.com/listen.php?v=89da54b

In 1975 Doris Day released her autobiography, Doris Day: Her Own Story, it revealed to the general public many of the painful events in her private life. The book was a best-seller.

Last years she is dedicating to animal advocay: see here Doris Day animal League

photo: Marlon Brando

Marlon Brando, Jr. was born in Omaha, Nebraska, USA, on Apr. 3, 1924. He died in Los Angeles, California, on July 1, 1924. Brando was one of the most famous actors. He was awarded with two Oscars for the best actor in On the Waterfront (1954) and The Godfather (1972), and was nominated other several times [Nominated Best Actor in A Streetcar Named Desire (1951); Viva Zapata! (1952) , Julius Caesar (1953), Sayonara (1957) , Ultimo tango a Parigi (1972) and for best Supporting Actor in A Dry White Season (1989)].

Marlon Brando turned down the (second) Academy Award and boycotted the award ceremony, sending an Indian, little-known actress Sacheen Littlefeather to state his reasons, which were based on his objections to the depiction of Native Americans by Hollywood and television.

In his autobiography in 1994 Songs My Mother Taught Me, Brando claimed he showed up one night at Marilyn Monroe‘s apartment and they started an affair that lasted many years. He also claimed numerous other romances, although he did not discuss his marriages, his wives, or his children in his autobiography.

On October 11th 1957, Brando marries the actress Anna Kashfi, from Wales. His second marriage is to Mexican actress Movita Castaneda, in 1960.

Without Marlon Brando and his special way of acting, the History of cinema would have been different. He was also a serious activist for the Civil Rights Movement and for the Native American Indians.

 

Agostinho da Silva morreu há 13 anos

Filed under: Agostinho da Silva — looking4good @ 12:05 am
Agostinho da Silva
(foto de Henrique Guimarães)

George Agostinho Baptista da Silva nasceu no Porto em 13 de Fevereiro de 1906 e faleceu em 3 de Abril de 1994, ou seja há 13 anos.

Licenciado em Filologia Clássica na Faculdade de Letras da Universidade do Porto com 20 valores, estudou também na Sorbonne e no Collège de France. Após o seu regresso em 1933, leciona no ensino secundário em Aveiro até ao ano de 1935, altura em que é demitido do ensino oficial por se recusar a assinar a Lei Cabral, que obrigava todos os funcionários públicos a declararem por escrito que não participavam em organizações secretas (e como tal subversivas).

Viveu no Brasil de 1947 a 1969, exilado no seguimento da sua oposição ao Estado Novo, na altura conduzido por Salazar.

No Brasil, participou na fundação de universidades e centros de estudo, sobretudo fora dos centros urbanos: a Universidade Federal de Paraíba, a Federal de Santa Catarina, a Universidade de Brasília, o Centro de Estudos Africanos e Orientais da Universidade Federal da Baía.

«A primeira condição para libertar os outros é libertar-se a si próprio; quem apareça manchado de superstição ou de fanatismo ou incapaz de separar e distinguir ou dominado pelos sentimentos e impulsos, não o tomarei eu como guia do povo; antes de tudo uma clara inteligência, eternamente crítica, senhora do mundo e destruidora das esfinges; banirá do seu campo a histeria e a retórica; e substituirá a musa trágica por Platão e os geómetras.

Hei-de vê-lo depois de despido de egoísmo, atente somente aos motivos gerais; o seu bem será sempre o bem alheio; terá como inferior o que se deleita na alegria pessoal e não põe sobre tudo o serviço dos outros; à sua felicidade nada falta senão a felicidade de todos; esquecido de si, batalhará, enquanto lhe restar um alento, para destruir a ignorância e a miséria que impedem os seus irmãos de percorrer a ampla estrada em que ele marcha».

Agostinho da Silva é dos mais paradoxais pensadores portugueses do século XX. O tema mais candente da sua obra foi a cultura de língua portuguesa, num fraternal abraço ao Brasil e aos países lusófonos. Era também um patriota defendendo que a História de alguma forma se repetia e defendia que Portugal voltará a ter um papel de grande importância no Mundo como já teve.

Passou a ser mais conhecido após uma série de programas televisivos, em que surpreendia pela irreverencia e ao mesmo tempo normalidade das suas ideias. Não sei se faleceu sem número de contribuinte, mas desapareceu faz hoje treze anos!

Entrevista com Agostinho da Silva

Ver aqui – Entrevista – 2ª. parte
Ver aqui – Entrevista – 3ª. parte

 

Agostinho da Silva morreu há 13 anos

Filed under: Agostinho da Silva — looking4good @ 12:05 am
Agostinho da Silva
(foto de Henrique Guimarães)

George Agostinho Baptista da Silva nasceu no Porto em 13 de Fevereiro de 1906 e faleceu em 3 de Abril de 1994, ou seja há 13 anos.

Licenciado em Filologia Clássica na Faculdade de Letras da Universidade do Porto com 20 valores, estudou também na Sorbonne e no Collège de France. Após o seu regresso em 1933, leciona no ensino secundário em Aveiro até ao ano de 1935, altura em que é demitido do ensino oficial por se recusar a assinar a Lei Cabral, que obrigava todos os funcionários públicos a declararem por escrito que não participavam em organizações secretas (e como tal subversivas).

Viveu no Brasil de 1947 a 1969, exilado no seguimento da sua oposição ao Estado Novo, na altura conduzido por Salazar.

No Brasil, participou na fundação de universidades e centros de estudo, sobretudo fora dos centros urbanos: a Universidade Federal de Paraíba, a Federal de Santa Catarina, a Universidade de Brasília, o Centro de Estudos Africanos e Orientais da Universidade Federal da Baía.

«A primeira condição para libertar os outros é libertar-se a si próprio; quem apareça manchado de superstição ou de fanatismo ou incapaz de separar e distinguir ou dominado pelos sentimentos e impulsos, não o tomarei eu como guia do povo; antes de tudo uma clara inteligência, eternamente crítica, senhora do mundo e destruidora das esfinges; banirá do seu campo a histeria e a retórica; e substituirá a musa trágica por Platão e os geómetras.

Hei-de vê-lo depois de despido de egoísmo, atente somente aos motivos gerais; o seu bem será sempre o bem alheio; terá como inferior o que se deleita na alegria pessoal e não põe sobre tudo o serviço dos outros; à sua felicidade nada falta senão a felicidade de todos; esquecido de si, batalhará, enquanto lhe restar um alento, para destruir a ignorância e a miséria que impedem os seus irmãos de percorrer a ampla estrada em que ele marcha».

Agostinho da Silva é dos mais paradoxais pensadores portugueses do século XX. O tema mais candente da sua obra foi a cultura de língua portuguesa, num fraternal abraço ao Brasil e aos países lusófonos. Era também um patriota defendendo que a História de alguma forma se repetia e defendia que Portugal voltará a ter um papel de grande importância no Mundo como já teve.

Passou a ser mais conhecido após uma série de programas televisivos, em que surpreendia pela irreverencia e ao mesmo tempo normalidade das suas ideias. Não sei se faleceu sem número de contribuinte, mas desapareceu faz hoje treze anos!

Entrevista com Agostinho da Silva

Ver aqui – Entrevista – 2ª. parte
Ver aqui – Entrevista – 3ª. parte

 

Agostinho da Silva morreu há 13 anos

Filed under: Agostinho da Silva — looking4good @ 12:05 am
Agostinho da Silva
(foto de Henrique Guimarães)

George Agostinho Baptista da Silva nasceu no Porto em 13 de Fevereiro de 1906 e faleceu em 3 de Abril de 1994, ou seja há 13 anos.

Licenciado em Filologia Clássica na Faculdade de Letras da Universidade do Porto com 20 valores, estudou também na Sorbonne e no Collège de France. Após o seu regresso em 1933, leciona no ensino secundário em Aveiro até ao ano de 1935, altura em que é demitido do ensino oficial por se recusar a assinar a Lei Cabral, que obrigava todos os funcionários públicos a declararem por escrito que não participavam em organizações secretas (e como tal subversivas).

Viveu no Brasil de 1947 a 1969, exilado no seguimento da sua oposição ao Estado Novo, na altura conduzido por Salazar.

No Brasil, participou na fundação de universidades e centros de estudo, sobretudo fora dos centros urbanos: a Universidade Federal de Paraíba, a Federal de Santa Catarina, a Universidade de Brasília, o Centro de Estudos Africanos e Orientais da Universidade Federal da Baía.

«A primeira condição para libertar os outros é libertar-se a si próprio; quem apareça manchado de superstição ou de fanatismo ou incapaz de separar e distinguir ou dominado pelos sentimentos e impulsos, não o tomarei eu como guia do povo; antes de tudo uma clara inteligência, eternamente crítica, senhora do mundo e destruidora das esfinges; banirá do seu campo a histeria e a retórica; e substituirá a musa trágica por Platão e os geómetras.

Hei-de vê-lo depois de despido de egoísmo, atente somente aos motivos gerais; o seu bem será sempre o bem alheio; terá como inferior o que se deleita na alegria pessoal e não põe sobre tudo o serviço dos outros; à sua felicidade nada falta senão a felicidade de todos; esquecido de si, batalhará, enquanto lhe restar um alento, para destruir a ignorância e a miséria que impedem os seus irmãos de percorrer a ampla estrada em que ele marcha».

Agostinho da Silva é dos mais paradoxais pensadores portugueses do século XX. O tema mais candente da sua obra foi a cultura de língua portuguesa, num fraternal abraço ao Brasil e aos países lusófonos. Era também um patriota defendendo que a História de alguma forma se repetia e defendia que Portugal voltará a ter um papel de grande importância no Mundo como já teve.

Passou a ser mais conhecido após uma série de programas televisivos, em que surpreendia pela irreverencia e ao mesmo tempo normalidade das suas ideias. Não sei se faleceu sem número de contribuinte, mas desapareceu faz hoje treze anos!

Entrevista com Agostinho da Silva

Ver aqui – Entrevista – 2ª. parte
Ver aqui – Entrevista – 3ª. parte