Nothingandall

Just another WordPress.com weblog

Pomba branca – Vasco de Lima Couto Março 10, 2007

Filed under: poesia,pomba branca,Vasco de Lima Couto — looking4good @ 7:54 pm

No aniversário da morte do poeta

Pomba Branca

Pomba branca pomba branca
Já perdi o teu voar
Naquela terra distante
Toda coberta pelo mar
Pomba branca pomba branca
Já perdi o teu voar
Naquela terra distante
Toda coberta pelo mar
Fui criança e andei descalço
Porque a terra me aquecia
E eram longos os meus olhos
Quando a noite adormecia
Vinham barcos dos países
Eu sorria vê-los sonhar
Traziam roupas felizes
As crianças dos países
Nesses barcos a chegar
Pomba branca pomba branca

Depois mais tarde ao perder-te
Por ruas de outras cidades
Cantei meu amor ao vento
Porque sentia saudades
Saudades do meu lugar
Do primeiro amor da vida
Desse instante aproximar
Os campos do meu lugar
À chegada e à partida
Pomba branca pomba branca.

Vasco de Lima Couto (n. no Porto a 26 de Novembro de 1923, m. em Lisboa no dia 10 de Março de 1980).

 

Pomba branca – Vasco de Lima Couto

Filed under: poesia,pomba branca,Vasco de Lima Couto — looking4good @ 7:54 pm

No aniversário da morte do poeta

Pomba Branca

Pomba branca pomba branca
Já perdi o teu voar
Naquela terra distante
Toda coberta pelo mar
Pomba branca pomba branca
Já perdi o teu voar
Naquela terra distante
Toda coberta pelo mar
Fui criança e andei descalço
Porque a terra me aquecia
E eram longos os meus olhos
Quando a noite adormecia
Vinham barcos dos países
Eu sorria vê-los sonhar
Traziam roupas felizes
As crianças dos países
Nesses barcos a chegar
Pomba branca pomba branca

Depois mais tarde ao perder-te
Por ruas de outras cidades
Cantei meu amor ao vento
Porque sentia saudades
Saudades do meu lugar
Do primeiro amor da vida
Desse instante aproximar
Os campos do meu lugar
À chegada e à partida
Pomba branca pomba branca.

Vasco de Lima Couto (n. no Porto a 26 de Novembro de 1923, m. em Lisboa no dia 10 de Março de 1980).

 

Pomba branca – Vasco de Lima Couto

Filed under: poesia,pomba branca,Vasco de Lima Couto — looking4good @ 7:54 pm

No aniversário da morte do poeta

Pomba Branca

Pomba branca pomba branca
Já perdi o teu voar
Naquela terra distante
Toda coberta pelo mar
Pomba branca pomba branca
Já perdi o teu voar
Naquela terra distante
Toda coberta pelo mar
Fui criança e andei descalço
Porque a terra me aquecia
E eram longos os meus olhos
Quando a noite adormecia
Vinham barcos dos países
Eu sorria vê-los sonhar
Traziam roupas felizes
As crianças dos países
Nesses barcos a chegar
Pomba branca pomba branca

Depois mais tarde ao perder-te
Por ruas de outras cidades
Cantei meu amor ao vento
Porque sentia saudades
Saudades do meu lugar
Do primeiro amor da vida
Desse instante aproximar
Os campos do meu lugar
À chegada e à partida
Pomba branca pomba branca.

Vasco de Lima Couto (n. no Porto a 26 de Novembro de 1923, m. em Lisboa no dia 10 de Março de 1980).

 

Pomba branca – Vasco de Lima Couto

Filed under: poesia,pomba branca,Vasco de Lima Couto — looking4good @ 7:54 pm

No aniversário da morte do poeta

Pomba Branca

Pomba branca pomba branca
Já perdi o teu voar
Naquela terra distante
Toda coberta pelo mar
Pomba branca pomba branca
Já perdi o teu voar
Naquela terra distante
Toda coberta pelo mar
Fui criança e andei descalço
Porque a terra me aquecia
E eram longos os meus olhos
Quando a noite adormecia
Vinham barcos dos países
Eu sorria vê-los sonhar
Traziam roupas felizes
As crianças dos países
Nesses barcos a chegar
Pomba branca pomba branca

Depois mais tarde ao perder-te
Por ruas de outras cidades
Cantei meu amor ao vento
Porque sentia saudades
Saudades do meu lugar
Do primeiro amor da vida
Desse instante aproximar
Os campos do meu lugar
À chegada e à partida
Pomba branca pomba branca.

Vasco de Lima Couto (n. no Porto a 26 de Novembro de 1923, m. em Lisboa no dia 10 de Março de 1980).

 

O Rebelde – Lúcio de Mendonça

Filed under: Lúcio de Mendonça,poesia — looking4good @ 7:40 pm
foto: Oceano
É um lobo do mar: numa espelunca
Mora, à beira do Oceano, em rocha alpestre;
Ira-se a onda e, qual tigre silvestre,
De mortos vegetais a praia junca.

E ele, olhando como um velho mestre
O revoltoso que não dorme nunca,
Recurva o dedo como garra adunca,
Sobre o cachimbo, único amor terrestre,

E então assoma-lhe um sorriso amargo…
É um rebelde também, cérebro largo,
Que odeia os reis e os padres excomunga.

À noite, dorme sem rezar: que importa?
Enorme cão fiel, guarda-lhe a porta
O velho mar soturno que resmunga.

Lúcio Eugênio de Meneses e Vasconcelos Drummond Furtado de Mendonça (n. em Piraí, 10 de março de 1854 — m. Rio de Janeiro a 23 de novembro de 1909)

 

O Rebelde – Lúcio de Mendonça

Filed under: Lúcio de Mendonça,poesia — looking4good @ 7:40 pm
foto: Oceano
É um lobo do mar: numa espelunca
Mora, à beira do Oceano, em rocha alpestre;
Ira-se a onda e, qual tigre silvestre,
De mortos vegetais a praia junca.

E ele, olhando como um velho mestre
O revoltoso que não dorme nunca,
Recurva o dedo como garra adunca,
Sobre o cachimbo, único amor terrestre,

E então assoma-lhe um sorriso amargo…
É um rebelde também, cérebro largo,
Que odeia os reis e os padres excomunga.

À noite, dorme sem rezar: que importa?
Enorme cão fiel, guarda-lhe a porta
O velho mar soturno que resmunga.

Lúcio Eugênio de Meneses e Vasconcelos Drummond Furtado de Mendonça (n. em Piraí, 10 de março de 1854 — m. Rio de Janeiro a 23 de novembro de 1909)

 

O Rebelde – Lúcio de Mendonça

Filed under: Lúcio de Mendonça,poesia — looking4good @ 7:40 pm
foto: Oceano
É um lobo do mar: numa espelunca
Mora, à beira do Oceano, em rocha alpestre;
Ira-se a onda e, qual tigre silvestre,
De mortos vegetais a praia junca.

E ele, olhando como um velho mestre
O revoltoso que não dorme nunca,
Recurva o dedo como garra adunca,
Sobre o cachimbo, único amor terrestre,

E então assoma-lhe um sorriso amargo…
É um rebelde também, cérebro largo,
Que odeia os reis e os padres excomunga.

À noite, dorme sem rezar: que importa?
Enorme cão fiel, guarda-lhe a porta
O velho mar soturno que resmunga.

Lúcio Eugênio de Meneses e Vasconcelos Drummond Furtado de Mendonça (n. em Piraí, 10 de março de 1854 — m. Rio de Janeiro a 23 de novembro de 1909)